São os Seres Humanos robôs humeanos?

Autores

  • Mariana Rocha Bernardi Universidade de Caxias do Sul / Bolsista de pesquisa - doutoranda em Filosofia
  • Sr. Universidade de Caxias do Sul / Taxista Capes - doutorando em Filosofia

Palavras-chave:

Natureza humana, Livre-arbítrio, Autodeterminação, Algoritmo, Máquina computacional, Teste de Turing

Resumo

David Hume, o filósofo escocês, concebeu a razão como a escrava das paixões, o que implica que a razão humana tenha objetivos predeterminados que não possa questionar. Um elemento essencial de um algoritmo em execução em uma máquina computacional (ou máquina de computação lógica, como Alan Turing chamava) é que ele tem um propósito predeterminado: Um algoritmo não pode questionar seu propósito, porque assim ele deixaria de ser um algoritmo. Portanto, se a autodeterminação é essencial para a inteligência humana, então seres humanos não são nem seres Humeanos, nem máquinas computacionais. Examinamos também algumas objeções ao teste de Turing como um modelo para entender a inteligência humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Rocha Bernardi, Universidade de Caxias do Sul / Bolsista de pesquisa - doutoranda em Filosofia

Doutoranda em Filosofia no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade de Caxias do Sul (PPGFIL - UCS), na Linha de Pesquisa Ética Aplicada, bolsista PROSUC/CAPES. Mestre em Filosofia no PPGFIL - UCS (2019), bolsista FAPERGS/CAPES. Especialista em Direito Público Lato Sensu pela Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes (LFG) e Anhanguera/Uniderp (2012). Graduada em Direito pela UCS (2009). Graduanda em Filosofia Bacharelado na UCS (atual). Membro da Equipe de Apoio do Corpo Editorial da Revista Conjectura: Filosofia e Educação, da Universidade de Caxias do Sul (atual). Advogada Dativa no Juizado Especial Criminal (2016 a 2019) Advogada Dativa e Curadora Especial na Justiça Federal de Caxias do Sul / RS (2012 a 2019). Professora convidada do curso de pós-graduação em Direito Previdenciário da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG). Áreas de interesse de pesquisa e atuação profissional: Ética e Tecnologia (Inteligência Artificial); Crimes e Psicopatologias (Perspectiva Jurídico-Filosófica); Direito e Moralidade. Educação. E-mail: mrocha2@ucs.br

Sr., Universidade de Caxias do Sul / Taxista Capes - doutorando em Filosofia

Doutorando em Filosofia pelo Programa de Pós Graduação em Filosofia (PPGFIL) da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Mestre em Filosofia (2019) pelo mesmo programa, bolsista CAPES modalidade II em ambos, Especialista em Docência no Ensino Superior (2017) pelo Centro Universitário SENAC/SP. Graduado em Filosofia (2019) e em Direito (2014), ambos pela UCS. Linhas de pesquisa dentro da Ética: metaética, epistemologia moral, bioética, neuroética, questões de ética aplicada. Atuações na área jurídica: Direito Administrativo, Regimento Disciplinar, parcerias entre setor público e organizações da sociedade civil (lei 13.019/2014). Contato: ismailfagundes@gmail.com

Referências

Briggs, G., Scheutz, M. (2015). “Sorry, I can't do that:” Developing mechanisms to appropriately reject directives in human-robot interactions. Proceedings of the 2015 AAAI Fall Symposium on AI and HRI. Available at http://www.aaai.org/ocs/index.php/FSS/FSS15/paper/download/11709/11522.

Chaitin, G. (2005). Meta Math! The Quest for Omega. New York: Vintage Books. ISBN 978-1-40-007797-7.

Chalmers, D. (1996). The Conscious Mind: In Search of a Fundamental Theory. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-511789-1.

Chang, R. (2013). Grounding practical normativity: going hybrid. Philosophical Studies 164(1): 163-187. DOI: 10.1007/s11098-013-0092-z.

Conway, J., Kochen, S. (2006). The Free Will Theorem. Foundations of Physics 36(10): 1441–1473. DOI: 10.1007/s10701-006-9068-6.

Copeland, B.J. (2002). The Church-Turing Thesis. The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Summer 2015 Edition), Edward N. Zalta (ed.). The text is available online at http://plato.stanford.edu/archives/sum2015/entries/church-turing.

Copleston, F. (1999). A History of Philosophy, vol. 6, pp. 405–406. London: A&C Black. ISBN 0-385-47043-6.

Dennett, D.C. (1991). Consciousness Explained. London: Penguin Books. ISBN 0-316-18065-3.

Hill, R.K. (2015). What an algorithm is. Philosophy & Technology 29(1): 35–59. DOI: 10.1007/s13347-014-0184-5.

Hinsley, F. H., Stripp, A., eds. (1993). Codebreakers: The inside story of Bletchley Park. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-280132-6.

Hume, D. (1739). A Treatise of Human Nature: Being an Attempt to introduce the experimental Method of Reasoning into Moral Subjects, II-iii-3, London: John Noon, 1739. It was later reworked and published in 1748 as An Enquiry Concerning Human Understanding. The text is available online at http://www.gutenberg.org/ebooks/4705 and http://www.davidhume.org/texts/thn.html.

Knuth, D.E. (1997). The art of computer programming, volume 1 (3rd Ed.): fundamental algorithms. Redwood City: Addison Wesley Longman Publishing Co. Inc. ISBN 0-201-89683-4.

Kroes, P. (2010). Engineering and the dual nature of technical artefacts. Cambridge Journal of Economics 34(1): 51-62. DOI: 10.1093/cje/bep019.

Lamport, L. (2012). Buridan's Principle. Foundations of Physics 42(8): 1056-1066. DOI: 10.1007/s10701-012-9647-7.

Libet, B., Gleason, C.A., Wright, E.W., Pearl, D.K. (1983). Time of Conscious Intention to Act in Relation to Onset of Cerebral Activity (Readiness-Potential) - The Unconscious Initiation of a Freely Voluntary Act. Brain 106(3): 623–642. DOI: 10.1093/brain/106.3.623.

Soon, C.S., Brass, M., Heinze, H.J., Haynes, J.D. (2008). Unconscious determinants of free decisions in the human brain. Nature Neuroscience 11(5): 543–545. DOI: 10.1038/nn.2112.

Turing, A.M. (1936). On computable numbers, with an application to the Entscheidungsproblem, Proceedings of the London Mathematical Society 2(42): 230–265.

Turing, A.M. (1948). Intelligent Machinery. National Physical Laboratory Report. In Meltzer, B., Michie, D. (eds), Machine Intelligence 5. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1969. Digital facsimile viewable at http://www.AlanTuring.net/intelligent_machinery.

Turing, A.M. (1950). Computing machinery and intelligence. Mind 59: 433-460.

Vardi, M. (2012). What is an algorithm? Communications of the ACM 55(3): 5–5. DOI: 10.1145/2093548.2093549.

Downloads

Publicado

2022-07-11

Como Citar

ROCHA BERNARDI, M.; FAGUNDES, I. São os Seres Humanos robôs humeanos?. Kalagatos , [S. l.], v. 19, n. 2, p. eK22028, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/8434. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Tradução