Perfil epidemiológico das condições crônicas de municípios da região central do Rio Grande do Sul

Autores

  • Michelle Frainer Knoll Secretaria Municipal de Saúde de Toropi
  • Elenir Fedosse Universidade Federal de Santa Maria

Palavras-chave:

Doença crônica, Promoção da Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Condições crônicas são as principais causas de óbitos no mundo, atingindo principalmente populações mais vulneráveis. O objetivo foi caracterizar a população acometida por condições crônicas em municípios de baixa densidade demográfica, pertencentes à região Entre Rios (Jari, Mata e Nova Esperança do Sul) abrangidos pela 4a Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), quanto à faixa etária, sexo, raça e morbidade (indicada pelo CID-10). A pesquisa ocorreu, entre novembro/dezembro de 2016, em três etapas: levantamento de informações no DATASUS – série histórica de 2011-2015, tratamento e análise dos dados. Cada município apresentou particularidade quanto às condições crônicas, mas foram encontradas coincidências de internações hospitalares que persistiram no período pesquisado: homens adultos brancos apresentaram doenças dos aparelhos respiratório, circulatório e digestório. Sugerem-se ações nas equipes de saúde, tomando a noção de Planejamento Estratégico Situacional/Planejamento e Programação Situacional, para realizar as ações sugeridas pelas políticas e diretrizes da saúde.

Referências

ATLAS BRASIL. ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. 2017. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/>. Acesso em: 15/02/2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A Gestão do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2015. 133 p.

_________. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 110 p. (Série E. Legislação em Saúde)

_________. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 160 p.

_________. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, 31 dez.2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html>. Acesso em: 28/02/2017.

BUSS, P.M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciên Saúde Colet., v. 1, n. 5, p. 163-77, 2000.

CARVALHO, M.H.R.; CARVALHO, S. M.R.; LAURENTI, R.; PAYÃO, S.L.M. Tendência de mortalidade de idosos por doenças crônicas no município de Marília-SP, Brasil: 1998 a 2000 e 2005 a 2007. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 23, n. 2, p. 347-354, abr-jun 2014.

CASTRO, V.C.; BORGHI, A.C.; MARIANO, P.P.; ET AL. Perfil de internações hospitalares de idosos no âmbito do Sistema Único de Saúde. Rev RENE, v.14, n. 4, p. 791-800, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/caracteristicas_da_populacao_tab_uf_zip_ods.shtm>. Acesso em: 01/03/2017.

IGLESIAS, A.; DALBELLO-ARAUJO, M. As concepções de promoção da saúde e suas implicações. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 291-8, 2011.

GREGOLIS, T.B.L.; PINTO, W.J.; PERES, F. Percepção de riscos do uso de agrotóxicos por trabalhadores da agricultura familiar do município de Rio Branco, AC. Rev. Bras. Saúde Ocup., v. 37; n. 125, p. 99-113, 2012.

MENDES, E.V. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS, 2015. 193 p.

MENDES. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan Americana da saúde, 2011.

MERHY, E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 3ª Ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2002. (Saúde em Debate, 145).

SALA, A.; MENDES, J.D.V. Perfil da mortalidade masculina no Estado de São Paulo. Bepa, v. 7, n. 82, p.15-25, 2010.

SANTOS, V.R.; MAIA, C.S.; DINIZ, C.G.; ET AL. Morbimortalidade de usuários de um plano privado de saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais. R. ENFERM. CENT. O. MINEIRO, v. 3, n. 3, p. 788-796, set/dez 2013.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Frainer Knoll, M., & Fedosse, E. (2021). Perfil epidemiológico das condições crônicas de municípios da região central do Rio Grande do Sul. Conexão ComCiência, 1(3). Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conexaocomciencia/article/view/5287