ARGUMENTAÇÃO MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO POR INVESTIGAÇÃO EM AULAS DE FÍSICA

Autores

  • LUCAS FERREIRA RODRIGUES ufpa
  • Guilherme Laranjeira Mendonça Oliveira Universidade Municipal de São Caetano do Sul – (USCS)

Palavras-chave:

Ação Docente, Ensino por Investigação, Matemática, Física, Interdisciplinaridade

Resumo

A emergência abrupta das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) deu-se devido os impactos causados pelo isolamento social, o que fez com que os professores se adaptassem e sistematizassem suas aulas a partir desses recursos tecnológicos. Assim, este estudo, de caráter qualitativo, propõe o uso do Ensino por Investigação em uma abordagem interdisciplinar, atrelando conhecimentos da área de Matemática e Física, mediadas por situações-problemas que instigam o aluno a refletir e solucionar de maneira cientifica. O campo de pesquisa foi uma turma de 26 alunos do 1º ano do ensino médio e na análise dos resultados foi constatado uma possível evolução destes, por meio da metodologia aplicada, em vista que estes possuíam preconceitos e dificuldades com os assuntos propostos nas disciplinas, entretanto, o ensino por investigação proporcionou maior contato com a aplicação da teoria, diminuindo a distância entre teoria e prática, além de possibilitar uma relação com seu cotidiano.

 

Palavras-chaves: Ação Docente; Ensino por Investigação; Matemática; Física; Interdisciplinaridade.

Biografia do Autor

Guilherme Laranjeira Mendonça Oliveira, Universidade Municipal de São Caetano do Sul – (USCS)

Mestrando em Educação - Formação de Professores e Gestores pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), pós graduando em MBA de Gestão Estratégica de Pessoas pela Universidade São Judas Tadeu (USJT), possui formação em Engenharia Química pela Universidade Santa Cecília (UNISANTA) e Licenciatura em Matemática pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES). Atua como Professor nas disciplinas da área de exatas, no Governo do Estado de São Paulo, na região de Santos. 

Referências

ABD-EL-KHALICK, F.; BOUJAOUDE, S. An exploratory study of the knowledge base for science teaching. Journal of Research in Science Teaching, New York, v. 34, p. 673-699, 1997.

BARRELO JUNIOR, Nelson. Promovendo a Argumentação em sala de aula de Física Moderna e Contemporânea: Uma Sequência e Ensino Investigativa e as Interações Professor-Aluno. 2015. 182 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências Área de Concentração: Ensino de Física, Instituto de Física e Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BELLUCCO, A. Argumentação matemática em aulas investigativas de física. 251f. Tese (Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Educação. Área de concentração: Ensino de Ciência e Matemática) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 5692/71. Brasília, 1971. Disponível em www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

CALDAS H. & SALTIEL E.,1999b. Sentido das forças de atrito e movimento – I Revista Brasileira de Ensino de Física. p. 359-365, 1999.

CARVALHO, A. M. P. (org). Calor e Temperatura: Um ensino por investigação. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2014.

CARVALHO, A. M. P. O Ensino de Ciências e a proposição de Sequências de Ensino Investigativas In: CARVALHO, A. M. P. (org). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. Cap. 1 p. 01-20. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

COSTA, Fernando Albuquerque. O potencial transformador das TIC e a formação de professores e educadores. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; DIAS, Paulo;

FREIRE, A. Reformas curriculares em ciências e o ensino por investigação. In: Atas do XIII Encontro Nacional de Educação em Ciências, Castelo-Branco. p.105. 2009.

GALVÃO, C. et al (2002). Ciências Físicas e Naturais. Orientações Curriculares 3º Ciclo. Ministério da Educação. Departamento da Educação Básica

Parecer CNE/CP nº 9/2020, que reexamina o Parecer CNE/CP nº 5/2020 (aguardando homologação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias. Acesso em: 15 de novembro de 2020.

PIETROCOLA, M. A Matemática como estruturante do conhecimento físico. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. v.19, n.1, p.93-114, ago. 2002. Mathematics as structural language of physical thought. VICENTINI, M. and e SASSI, E. (org.). Connecting Research in Physics Education with Teacher Education. volume 2, ICPE – book, 2008.

RAMALHO, F., SANTOS, J.I.C., FERRARO, N.G. SOARES, P.A. T: 1979. Os Fundamentos da Física, Editora Moderna, 1979, 3ª edição, São Paulo.

REDISH, E. F. Problem Solving and the use of math in physics courses. Palestra proferida no evento, World View on Physics Education in 2005: Focusing on Change, Delhi, 21 a 26 de agosto, 2005. A ser publicado nos proceedings. Disponível em: https://arxiv.org/ftp/physics/papers/0608/0608268.pdf. Acesso em 14 de novembro de 2020.

ROIPHE, Alberto. O relato de experiências como narrativa. Boletim Arte na Escola, Edição 75, Março e Abril de 2015. Disponível em: <http://artenaescola.org.br/boletim/materia.php?id=74787>. Acesso em: 28 de junho de 2020.

SILVA, Bento Duarte (Org.). Cenários de inovação para educação na sociedade digital. São Paulo: Loyola, 2013.

TUMINARO, J.; REDISH, E. F. Elements of a cognitive model of physics problem solving: Epistemic Games. Physical Review Special Topics – Physics Education Research, v. 3, n. 2, p. 1 a 22, 2007.

YARED, Ivone. O que é interdisciplinaridade? In: Ivani Fazenda (Org.). São Paulo: Cortez, 2008.

Downloads

Publicado

2021-08-06

Como Citar

RODRIGUES, L. F., & Laranjeira Mendonça Oliveira, G. . (2021). ARGUMENTAÇÃO MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO POR INVESTIGAÇÃO EM AULAS DE FÍSICA. Conexão ComCiência, 1(3). Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conexaocomciencia/article/view/5252