Imaginación, vestigia y repetición en Spinoza

Referencias políticas

Autores

  • Cecilia Abdo Ferez Profesora de la UBA y del Instituto Universitario Nacional de Arte (IUNA)

Palavras-chave:

Imaginação. Vestígio. Repetição. Perspectiva. Materialismo.

Resumo

O artigo propõe analisar a imaginação na filosofia de Spinoza, tomando-a como um processo de absolutização de uma “perspectiva” individual. Tendo em conta a complexidade do conceito de indivíduo no pensador, que não poderia ser identificado sem mais com a noção de pessoa, a imaginação aparece como um processo no qual os vestígios corporais, os limites destes últimos e a interpretação aparecem em primeiro plano. Analisa-se também o papel da repetição no processo e sua influência política.

Biografia do Autor

Cecilia Abdo Ferez, Profesora de la UBA y del Instituto Universitario Nacional de Arte (IUNA)

Investigadora asistente del Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET), Argentina. Investigadora del Instituto de Investigaciones “Gino Germani”, Área Teoría Política, Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de Buenos Aires (UBA). Profesora de la UBA y del Instituto Universitario Nacional de Arte (IUNA)

Arquivos adicionais

Publicado

2009-02-03

Como Citar

Ferez, C. A. (2009). Imaginación, vestigia y repetición en Spinoza: Referencias políticas. Revista Conatus - Filosofia De Spinoza (ISSN 1981-7509), 4(8), 11–18. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conatus/article/view/4753