On Bayle’s Interpretation of Spinoza’s Substance and Mode

Autores

  • Alex Guilherme Department of Philosophy - University of Durham, Durham, Co. Durham, United Kingdom

Palavras-chave:

Espinosa. Bayle. Cartesianismo. Substância. Modos.

Resumo

Espinosa veementemente argumentou na sua obra que i. uma, e só uma substância existe, ii. que Deus ou natureza é uma substância, iii. que tudo que existe é uma modificação da substância. Entretanto, o que exatamente ele entendeu por substância e modo tem sido fonte de muito debate entre os seus comentaristas. Neste artigo eu proponho averiguar a primeira interpretação dos conceitos de substância e modos dentro da filosofia de Espinosa, que é a interpretação de Pierre Bayle no seu Dictionnaire Critique et Historique no qual ele interpreta Espinosa dentro de uma ótica Cartesiana.  Esta interpretação foi muito influente durante o período do final do século 17 até o final do século 18 porque foi traduzida em várias línguas europeias e atingiu status de leitura obrigatória em cursos universitários. Na primeira parte deste artigo forneço ao leitor uma curta explicação sobre o entendimento Cartesiano e Escolástico dos conceitos de substância e modos. Na segunda parte averiguo a interpretação de Bayle e demonstro que Espinosa não era Cartesiano em relação aos conceitos de substância e modos. Eu concluo este artigo pedindo ao leitor que rejeite a interpretação de Bayle por ser uma interpretação errônea da filosofia de Espinosa.   

Arquivos adicionais

Publicado

2009-02-02

Como Citar

Guilherme, A. (2009). On Bayle’s Interpretation of Spinoza’s Substance and Mode. Revista Conatus - Filosofia De Spinoza (ISSN 1981-7509), 3(6), 11–16. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conatus/article/view/4737