Sobre a prova da existência de Deus em Benedictus Spinoza

Autores

  • Íris Fátima da Silva Especialista em filosofia - Metafísica pela PPGFIL-UFRN

Palavras-chave:

Spinoza. Deus. Causa sui. Existência.

Resumo

O presente texto se propõe a examinar a prova da existência de Deus em Baruch Benedictus Spinoza indagando a partir da definição de “causa sui” onde Spinoza concebe a natureza como existente, uma existência que está contida na essência. Na ontologia do jovem filósofo a causa sui é idêntica a concepção finita, não há diferenças no âmbito qualitativo. Para Spinoza, Deus é imanente – o entendimento divino (conhece e entende tudo). Não obstante, para Spinoza é significativo a diferença entre qualitativo e quantitativo, ou seja, o entendimento humano tem um alcance limitado, é finito. Todavia o entendimento divino é infinito, a diferença dar-se em termos quantitativo. Isto significa dizer que a causa sui ou a prova da existência de Deus estão intrinsecamente ligadas, se considerarmos que só o ser infinito tem em si a propriedade de ser causa sui, ou seja, só a própria “causa de si” pode provar a existência divina, apena a causa sui diz que algo é a causa de si mesmo sem haver definido antes o que significa este algo, se ele existe por si, somente a propriedade de ser causa sui prova a sua existência.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-01-31

Como Citar

Silva, Íris F. da. (2021). Sobre a prova da existência de Deus em Benedictus Spinoza. Revista Conatus - Filosofia De Spinoza (ISSN 1981-7509), 3(5), 51–54. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conatus/article/view/4717