AS “ARMADILHAS” DA NARRATIVA E AS NARRATIVAS COMO “ARMADILHAS”

UM EXERCÍCIO TEÓRICO

Autores

  • Danilo Linard UFC

Palavras-chave:

Narrativa, Enredo, Ficção, Umberto Eco, Raoul Girardet

Resumo

Procuramos colocar em discussão, neste trabalho, alguns olhares já lançados sobre o tema da narrativa e suas relações com o ofício do historiador e com a prática do escritor. No primeiro momento, buscamos identificar algumas características que podem ser apontadas como “armadilhas” no exercício da narrativa que o historiador constrói com seu texto. Dialogamos, ainda, com os conceitos de “enredo” e de “ficção”, assim como com as teses de Hayden White sobre os trópicos do discurso. No segundo momento, problematizamos um conjunto de traços presentes em certas narrativas constituídas (intencionalmente ou não) por lacunas, falácias e sofismas que funcionam como uma espécie de “armadilha”, enfraquecendo ou subvertendo a compreensão da realidade e alimentando preconceitos. Para tanto, nos aproximamos das reflexões do historiador francês Raoul Girardet e do filósofo italiano Umberto Eco.

Biografia do Autor

Danilo Linard, UFC

Doutorando em História Social pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsista CAPES. E-mail: danilo.linard@bol.com.br

Publicado

2022-01-21

Como Citar

LINARD, D. AS “ARMADILHAS” DA NARRATIVA E AS NARRATIVAS COMO “ARMADILHAS”: UM EXERCÍCIO TEÓRICO. Revista de História Bilros: História(s), Sociedade(s) e Cultura(s), [S. l.], v. 5, n. 08, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/bilros/article/view/7741. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS