A REPRESENTAÇÃO DO PATRIMÔNIO NA MEMÓRIA DOS SUJEITOS SOCIAIS.

Autores

  • Alex da Silva Farias UECE/MAHIS

Palavras-chave:

Representação, Patrimônio, Memória

Resumo

A história da cidade serve de meio para tecer uma análise sobre a relação entre as transformações no modo de vida urbano e a criação de um museu em uma cidade do interior e fora dos grandes centros urbanos. Faço uma releitura do conceito de patrimônio histórico e cultural urbano local partindo do conjunto arquitetônico da cidade de Aracati, levantando a questão de como a representação da narrativa da história da cidade foi constituída por sua instituição de preservação da memória local. Investigo a memória dos sujeitos, fundadores do Instituto do Museu Jaguaribano, na manifestação de seus modos de agir, lembrar e esquecer no processo de interpretação de um regime de historicidade. O objetivo é reconhecer como os sujeitos deram razão às ações e posições em relação à dominação e ao passado. Compreendo que as apropriações deram significado as práticas culturais, portanto, desenvolvo uma análise do lugar social. Tais questões compreendem a lógica das práticas dos sujeitos e das instituições na produção de valores e conceitos. A metodologia usada é a análise discursiva da narrativa da história local dialogando com as fontes escritas, produzidas pelo Museu Jaguaribano no período de 1965 a 1985.

Biografia do Autor

Alex da Silva Farias, UECE/MAHIS

Bolsista da FUNCAP de Mestrado Acadêmico em História Cultural - UECE/MAHIS e Especialista em Metodologia do Ensino de História – UECE/NECAD. E-mail: alexsfarias@yahoo.com.br

Publicado

2022-01-12

Como Citar

FARIAS, A. da S. . A REPRESENTAÇÃO DO PATRIMÔNIO NA MEMÓRIA DOS SUJEITOS SOCIAIS. Revista de História Bilros: História(s), Sociedade(s) e Cultura(s), [S. l.], v. 3, n. 04, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/bilros/article/view/7596. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS