Suicídio, desigualdades e migração em Roraima:

correlação a partir de um “rosto”

  • Rosana Maria Luz Fernandes Mestranda em Sociedade e Fronteiras – UFRR
  • Eliane Silvia Costa Doutora em Psicologia – USP e Professora do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Fronteiras da Universidade Federal de Roraima - UFRR
Palavras-chave: Violência, Intrasubjetivo, Intersubjetivo, Fatores macroestruturais

Resumo

O suicídio é um fenômeno que tem sido estudado por diferentes teóricos. Dentre os clássicos se destacam Karl Marx, Émile Durkheim e Sigmund Freud. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa a 8ª posição no ranking de suicídio. Roraima, um dos estados com maior índice de suicídio do país, também apresenta a maior taxa de violência contra mulheres e, desde sua criação, é marcado por processos migratórios. Neste artigo, a partir do referencial teórico-metodológico do materialismo histórico dialético e da psicanálise e recorrendo a um relato de caso clínico (que dá um “rosto” aos conceitos e aos dados estatísticos), estabelecemos como hipótese teórica a correlação entre desigualdades políticas, processos migratórios e o fenômeno do suicídio. Consideramos, pois, a possibilidade da existência de nexos entre fatores macroestruturais, intersubjetivos e intrasubjetivos e o fato de um sujeito procurar a morte como estratégia para enfrentar dilemas vividos.

Referências

Achontegui, J. (2002). La depresión em los migrantes. Una perspectiva transcultural. Barcelona, España: Mayo.

Albuquerque, F. (2017, 21 de junho). Roraima é o estado com mais violência doméstica contra a mulher, aponta ONG. Recuperado de http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2017-06/roraima-e-o-estado-com-mais-violencia-domestica-contra-mulher

Araújo, L. C., Vieira, K. F. L., & Coutinho, M. P. L. (2010). Ideação suicida na adolescência: um enfoque psicossociológico no contexto do Ensino Médio. Psico-USF, 15(1), 47-57.

Arraes, G. (Diretor). (2000). Auto da Compadecida. Brasil [DVD vídeo]. Globo Filmes.

Associação Brasileira de Psiquiatria. (2014). Suicídio: informando para prevenir. Brasília, DF: CFM/ABP.

Benghozi, P. (2010). Malhagem, filiação e afiliação. Psicanálise dos vínculos: casal, família, grupo, instituição e campo social. São Paulo, SP: Vetor.

Bossé, M. L. As questões de identidade em Geografia Cultural: algumas concepções contemporâneas. In: ROSENDAHI, Zeni; CORRÊA, Roberto Lobato. (Org.). Paisagens, textos e identidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

Brunhari, M. V. (2017). Suicídio: um enigma para a psicanálise. Curitiba, PR: Juruá.

Cerqueira, D. (Org.). (2018). Atlas da violência 2018. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Costa, E. S. (2017). Clínica-escola: uma clínica do real. In L. R. Neves, & C. E. Ramos (Orgs.), Psicologia: relatos e experiências (pp. 39-59). Boa Vista, RR: Ed. UFRR.

Durkheim, É. (2011). O suicídio: um estudo sociológico. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Dutra, E. M. S. (2001). Depressão e suicídio em crianças e adolescentes. Mudanças, 9(15), 27-35.

Freud, S. (1996). Luto e melancolia. In Autor, Obras completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 245-263). Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Freud, S. (1996). “Além do princípio do prazer”. In Autor, Obras completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 17-75). Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Freud, S. (1996). “A dissecção da personalidade psíquica”. In Autor, Obras completas de Sigmund Freud (Vol. 22, pp. 63-84) Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Gonçalves, J. M., Filho. (1998). Humilhação: um problema político em psicologia. Psicologia USP, 9(2), 11-67.

Gonçalves, J. M., Filho. (2004). A invisibilidade pública. In F. B. Costa, Homens invisíveis (pp. x-y). São Paulo, SP: Globo.

Grupo Gay da Bahia. (2016). Relatório 2016: assassinatos de LGBT no Brasil. Recuperado de http://bancariospa.org.br/wp3/wp-content/uploads/2017/01/relatc3b3rio-20162.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo 2010. Recuperado de https://censo2010.ibge.gov.br/

Lovisi, G. M., Santos, S. A., Legay, L., Abelha, L., & Valencia, E. (2009). Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Revista Brasileira de Psiquiatria, 31(Supl. 2), S86-S94.

Marx, K. (2006). Sobre o suicídio. São Paulo, SP: Boitempo.

Moya, J. (2007). La conducta suicida en adolescentes: sus implicaciones en el âmbito de justicia juvenil. Recuperado de http://www.osacat.cat/cat/Publicacion/Depressio/ConductaSuicida.pdf.

Oliveira, R. C. de. Os (des) caminhos da Identidade, Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 15 n 42 – fevereiro de 2000.

Rodrigues, F. S., Lima, A. K. S., & Araújo, K. A. (2012). Migrações contemporâneas: uma análise da produção científica sobre a família no contexto transnacional. Somanlu, 12(2).

Silva, C. M. L., & Oliveira, R. G. (2016). Vida garimpeira: garimpo de Roraima – Década de 80. In J. G. Vieira (Org.), O Rio Branco se enche de história (2a ed., pp. 117-148). Boa Vista, RR: Ed. UFRR.

Truzzi, O. (2008). Redes em processo migratório. Tempo Social, 20(1), 199-218.

Vale, A. L. F. (2015). Características da migração em Roraima. In A. L. F. Vale, & H. E. A. Santos (Orgs.), Seminário Internacional de Economia Amazônica e Desenvolvimento Sustentável (pp. 13-49) Boa Vista, RR: Ed. UFRR.

Publicado
2018-08-06
Como Citar
Fernandes, R. M., & Costa, E. (2018). Suicídio, desigualdades e migração em Roraima:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(21), 98-116. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.21.1121
Seção
Artigos