FHC (1993-1994):

final de um caminho de adequação refletida à ordem neoliberal

  • Rodrigo Santaella Gonçalves Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo - USP Professor do Instituto Federal do Ceará - IFCE
Palavras-chave: Fernando Henrique Cardoso, Teoria e Prática, Neoliberalismo

Resumo

Este estudo busca elucidar aspectos da relação entre teoria e prática em Fernando Henrique Cardoso (FHC), desde o início de sua produção teórica até sua primeira candidatura presidencial, em 1994. Esta análise contrasta com as interpretações que encontram nas formulações sobre dependência a origem determinada da trajetória política de FHC – seja com um viés de continuidade, como se a teoria prévia houvesse determinado a prática, seja de ruptura, como se a prática fosse fruto de um corte com a teoria original. Buscamos demonstrar como a definição de uma nova hegemonia no país no final dos anos 1980 criou as condições para a consolidação desse pragmatismo em FHC, que passou a justificar “teoricamente” suas ações a partir do retorno a uma dicotomia moderno ´ arcaico que ele próprio ajudara a superar com a teoria da dependência. Nesse sentido, enfocamos os dois anos imediatamente anteriores à sua chegada à Presidência da República, para ilustrar os últimos anos de consolidação de uma nova visão do Brasil para FHC, como forma de subsidiar a compreensão do que foram seus governos, tanto no que diz respeito às políticas públicas quanto à própria concepção de Estado que norteava suas ações. 

Referências

Arantes, P. (1994). Um Departamento Francês De Ultramar. Estudos sobre a formação da cultura filosófica uspiana (uma experiência nos anos 60). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Bianchi, A. (2010). O marxismo fora do lugar. Política e Sociedade, 9(16), 177-203.

Bianchi, A. (2012). Ciência política/ciência e política. Ensaio sobre o pensamento político nos Estados Unidos e Itália (Tese de Livre-Docência). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Botelho, A., & Schwarcz, L. M. (Orgs.). (2009). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Cardoso, F. H. (1990, outubro). Desafios da social-democracia na América Latina. Novos Estudos CEBRAP, 1990(28), 29-49.

Cardoso, F. H. (1993a). El mundo y las ciencias sociales, ayer y hoy. Boletín de la Asociación Chilena de Ciencia Política, 2(1), 16-18.

Cardoso, F. H. (1993b, 24 de janeiro). Política externa: a opção universalista. O Estado de S. Paulo.

Cardoso, F. H. (1993c). Política externa. Fatos e perspectivas. Política Externa, 1(2), 3-10.

Cardoso, F. H. (1993d). Alcances e limites da engenharia institucional. In B. Lamounier, & D. Nohlen (Orgs.), Presidencialismo ou parlamentarismo. Perspectivas sobre a reorganização institucional brasileira (pp. 156-163). São Paulo, SP: Idesp.

Cardoso, F. H. (1993e, 21 de maio). Discurso de posse como Ministro da Fazenda (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993f, 14 de junho). Entrevista coletiva sobre o PAI (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993g, 14 de junho). Pronunciamento em cadeia de rádio e TV sobre o PAI (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993h, 30 de junho). Entrevista para o Der Spiegel (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993i, 5 de agosto). Discurso na Reunião da Confederação Nacional do Comércio (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993j, 1º de setembro). Depoimento à CPI da desestatização (Não Publicado). Brasília, DF: Senado Federal.

Cardoso, F. H. (1993k, 14 de setembro). Entrevista coletiva nos 3 meses do PAI (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993l, 5 de outubro). Pronunciamento no V Congresso Brasileiro de Integração Municipal (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993m, 4 de novembro). Discurso do Senhor Ministro de Estado da Fazenda, Senador Fernando Henrique Cardoso, em sessão plenária do Senado Federal (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993n, 18 de novembro). Discurso na Comemoração do Ano Jubileu da Receita Federal (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993o, 24 de novembro). Discurso perante o Conselho Monetário Nacional (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993p, 24 de novembro). Reunião da Sudene (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1993q, 30 de novembro). O plano é viável e já está sendo executado. O Estado de S. Paulo, p. 3.

Cardoso, F. H. (1993r, 7 de dezembro). Entrevista coletiva. Anúncio do plano econômico (Mimeografado). Brasília, DF: Ministério da Fazenda.

Cardoso, F. H. (1994a, 2 de março). Esquerda do PSDB reage contra aliança. Folha de S. Paulo.

Cardoso, F. H. (1994b, 6 de março). É chato ser anti. Me confunde (Entrevista concedida a Ricardo Noblat e José Negreiros). Correio Braziliense, p. 4.

Cardoso, F. H. (1994c, 12 de junho). Um país sem inflação. Jornal do Brasil.

Cardoso, F. H. (1994d, 10 de julho). Cardoso planeja reforma radical do Estado (Entrevista concedida a Cristiana Lôbo e Bartolomeu Rodrigues). O Estado de S. Paulo, p. A-10.

Cardoso, F. H. (1994e, 25 de julho). Discurso por ocasião do lançamento do programa O Real e o Sonho (Mimeografado). [Brasília]: [n.p.].

Cardoso, F. H. (1994f, 24 de agosto). Viagem às ideias do líder nas pesquisas. Veja, pp. 20-27.

Cardoso, F. H. (1994g, 2 de outubro). A maturidade de um grande país. Folha de S. Paulo, Opinião, p. 1.

Cardoso, F. H. (1994h). Sr. Presidente. Revisa da Folha, 3(130), 17-21.

Cardoso, F. H. (1994i, 14 de dezembro). Discurso de despedida do Senado Federal: filosofia e diretrizes de governo. Brasília, DF: Presidência da República.

Cardoso, F. H., & Serra, J. (1993). Parlamentarismo no Brasil. Como e porquê. In J. Serra, Reforma política no Brasil: parlamentarismo x presidencialismo (pp. 195-219). São Paulo, SP: Siciliano.

Cardoso, F. H., & Toledo, R. P. (1998). O presidente segundo o sociólogo. Entrevista de Fernando Henrique Cardoso a Roberto Pompeu de Toledo. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Fiori, J. L. (1998). Os moedeiros falsos (4a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Galvão, A. (2003). Neoliberalismo e reforma trabalhista no Brasil (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Goldestein, L. (1998). Repensando a dependência após o Plano Real. Estudos Avançados, 12(33), 131-135.

Gonçalves, R. S. (2018). Teoria e prática em Fernando Henrique Cardoso: da nacionalização do marxismo ao pragmatismo político (1958-1994) (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Gramsci, A. (2000). Cadernos do cárcere: notas sobre o Estado e a política. (Vol. 3). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Gramsci, A. (2001). Cadernos do cárcere: introdução ao estudo da filosofia (Vol. 1). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Kay, C. (1998). Relevance of structuralist and dependency theories in the neoliberal period: a Latin American perspective (Working Paper Series No. 281). The Hague, Netherlands: Institute of Social Studies.

Kahler, M. (1990). Orthodoxy and its alternatives: explaining approaches to stabilization and adjustment. In J. M. Nelson (Ed.), Economics crisis and policy choice: the politics of adjustment in Third World (pp. 33-61). Princeton, NJ: Princeton University Press.

Lahuerta, M. (1999). Intelectuais e a transição. Entre a política e a transição (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Lima, P. L. S. R. (2015). As desventuras do marxismo. Fernando Henrique Cardoso, antagonismo e reconciliação (1955-1968) (Tese de Doutorado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Limongi, F. (2012). Fernando Henrique Cardoso: teoria da dependência e transição democrática. Novos Estudos CEBRAP, 2012(94), 187-197.

Löwy, M. (2000). As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. São Paulo, SP: Cortez.

Lukács, G. (2003). História e consciência de classe. Estudos sobre a dialética marxista. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Martins, E. L. (2008). Marxismo e a universidade no Brasil. Um estudo sobre o Seminário Marx (1958-1964) (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Rodrigues, L. M. (2009). Fernando Henrique Cardoso: a ciência e a política como vocação. In A. Botelho, & L. M., Schwarcz (Orgs.), Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país (pp. 390-405). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Rodrigues, L. (2011). A produção social do marxismo universitário em São Paulo: mestres, discípulos e ‘um seminário’ (1958-1978) (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Rosales, O. (1988, abril). An assessment of the structuralist paradigm for Latin American development and the prospects for its renovation. CEPAL Review, 1988(34), 19-36.

Sader, E. (2005). Nós que amávamos tanto o capital: fragmentos para a história de uma geração. Sociologias, 7(14), 150-177.

Sallum, B., Junior. (1994). Transição política e crise de Estado. Lua Nova, 1994(32), 133-167.

Santos, T. (2000). A teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Sorj, B. (2001). A construção intelectual do Brasil contemporâneo. Da resistência à ditadura ao governo FHC. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Sunkel, O. & Zuleta, G. (1990, dezembro). Neo-structuralism versus neoliberalism in the 1990s. CEPAL Review, 1990(42), 35-51.

Traspadini, R. (1999). A teoria da (inter)dependência de Fernando Henrique Cardoso. Rio de Janeiro, RJ: Topbooks.

Vargas, T. P. (2009). Particularidades da formação do capitalismo brasileiro: polêmicas acerca do caráter da dependência no Brasil. Cadernos CEMARX, 2009(5), 141-154.

Velasco e Cruz, S. C. (1999). Ideias do poder: dependência e globalização em F. H. Cardoso. Estudos Avançados, 13(37), 225-247.

Williamson, J. (1994, 7 de agosto). Pai do “Consenso” endossa Real (Entrevista a Fernando Canizan). Folha de S. Paulo.

Publicado
2018-08-06
Como Citar
Gonçalves, R. (2018). FHC (1993-1994):. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(21), 117-150. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.21.1070
Seção
Artigos