Observatórios de políticas públicas no Brasil – “Quem somos"

  • Neiara de Morais
Palavras-chave: observatórios, políticas públicas, democracia, participação, conhecimento

Resumo

Os observatórios de políticas públicas surgiram na década de 1990 em diferentes partes do mundo. Foram criados por instituições acadêmicas, governamentais ou da sociedade civil com o objetivo de ampliar o acesso à informação sobre a ação pública e democratizar os processos de elaboração e controle social das políticas públicas. Embora tenham características comuns e ajam por meio da produção e difusão de conhecimentos sobre as políticas públicas, esses observatórios elegem objetivos e estratégias que se relacionam com o contexto onde são implementados. Este artigo aborda a relação entre o contexto de surgimento desses observatórios no Brasil e os objetivos por eles adotados.

Referências

Albuquerque, M. C. A. (2007). Participação e controle da sociedade sobre políticas sociais no Cone Sul. In E. Dagnino & L. Tatagiba (Eds.), Democracia, sociedade civil e participação (pp. 205-258). Chapecó, SC: Argos.

Dagnino, E. (2004). Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva. In A. Grimson (Ed.), La cultura en las crisis latinoamericanas (pp. 195-216). Buenos Aires, Argentina: CLACSO.

Jornalistas Livres. (2016, 25 de fevereiro). É como se a cada dois dias derrubássemos um avião lotado de jovens. Recuperado de https://medium.com/jornalistas-livres/%C3%A9-como-se-a-cada-dois-dias-derrub%C3%A1ssemos-um-avi%C3%A3o-lotado-de-jovens-fb8a7bb599bd

Mendonça, P. M. E., Teodósio, A. S. S., Alvim, F. M., & Araújo, E. T. (2009). Desafios e dilemas das ONGs na cooperação internacional: uma análise da realidade brasileira. Gestão.Org: Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 7(1), 69-83.

Morais, N. (2018). Observatórios de políticas públicas: um estudo sobre a mobilização de conhecimentos para a democratização da elaboração e controle das políticas (Tese de Doutorado). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Observatório da Cidade de Porto Alegre. (n.d.). Observatório. Recuperado de http://www.observapoa.com.br/default.php?p_secao=3

Observatório de Favelas. (n.d.). Comunicação. Recuperado de http://observatoriodefavelas.org.br/areas-de-atuacao/comunicacao/

Observatório do Vale do Rio dos Sinos. (n.d.). O que fazemos. Recuperado de http://www.ihu.unisinos.br/observasinos/sobre/o-que-fazemos

Observatório Jovem. (n.d.). Quem somos. Recuperado de http://www.uff.br/observatoriojovem/hist%C3%B3rico

Pereira, M. L. D. (2007). As políticas públicas locais e os processos de hibridação no Brasil e na América Latina. In E. Dagnino & L. Tatagiba (Eds.), Democracia, sociedade civil e participação (pp. 331-350). Chapecó, SC: Argos.

Santos, B. S. (2008). A gramática do tempo para uma nova cultura política (2a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Souza, C. H. L. (2011). Mapeamento das experiências participativas. In A. L. S. Souto, R. D. O. Paz, & J. A. Moroni (Eds.), Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios (pp. 42-69). Brasília, DF: Instituto de Estudos Socioeconômicos.

Publicado
2018-08-06
Como Citar
de Morais, N. (2018). Observatórios de políticas públicas no Brasil – “Quem somos". Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(21), 45-59. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.21.1068
Seção
Artigos