Retirantes flagelados no Ceará-da-seca:

(bio)políticas populacionais na consolidação do Estado moderno

  • Natalia Monzón Montebello Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP e Professora Adjunto da Universidade Estadual do Ceará - UECE
  • Marcílio Medeiros Silva Licenciado em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará - UECE e Pesquisador da Universidade Estadual do Ceará - UECE
Palavras-chave: biopolítica, retirantes, flagelados, campo, seca

Resumo

Com base na noção de Ceará-da-seca, este artigo descreve o surgimento e a consolidação, desde 1877, de um poder soberano sobre a vida implementado por meio de políticas populacionais destinadas a administrar os efeitos sociais da seca na região. Assim, observam-se práticas biopolíticas de governo que caracterizam a institucionalização do Estado moderno atrelada aos dispositivos de exceção (os abarracamentos, os lazaretos, os campos de concentração e as frentes de trabalho), direcionados à proteção de uma forma de vida (urbana e industrial) a ser garantida diante da cíclica invasão dos retirantes do sertão, levando ao litoral, a cada grande seca, o abrupto espetáculo da barbárie da fome, da miséria, da peste.

Referências

Agamben, G. (2007). Homo sacer: o poder soberano e a vida nua (Vol. 1). Belo Horizonte, MG: Ed. UFMG.

Agamben, G. (2008a). Estado de exceção. São Paulo, SP: Boitempo.

Agamben, G. (2008b). Homo sacer: o que resta de Auschwitz. O arquivo e a testemunha (Vol. 3). São Paulo, SP: Boitempo.

Alves, J. (1982). História das secas (Século XVII a XIX). Mossoró, RN: Guimarães Duque.

Barbalho, A. (2005). Corpos e mentes dilacerados: o grotesco nas imagens das secas de 1877. Revista Trajetos, 3(6).

Barbosa, F. C. J. (2009). Administrar a precariedade: saúde pública e epidemias em Fortaleza (1850-1880). O público e o privado, 2009(13), 95-106.

Barbosa, F. C. J. (2012). Estabelecimentos de saúde na Fortaleza provincial: uma implantação lenta e descontínua (1840-1860). História & Perspectivas, 25(47), 35-54.

Barros, K. T. A. (2010). “Falle a sciencia”: diferentes concepções sobre a varíola na capital do Ceará em fins do século XIX. Mosaico, 2(4), 69-95

Cunha, E. (1979). Os Sertões. Campanha de Canudos. Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade: a vontade de saber (Vol. 1). Rio de Janeiro, RJ: Graal

Foucault, M. (2017a). O nascimento da medicina social. In Autor, Microfísica do poder (pp. 143-170). São Paulo: Paz e Terra.

Foucault, M. (2017b). A governamentalidade. In Autor, Microfísica do poder (pp. 407-431). São Paulo, SP: Paz e Terra.

Foucault, M. (2007c). A filosofia analítica da política. In Autor, Ditos e escritos: ética, sexualidade, política (Vol. 5). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária

Lemos, M. A. (2013). Benzer os cemitérios que forem precisos: o processo de implantação de cemitérios e a epidemia de cólera em Quixeramobim-CE (1862-1863). História e Culturas, 1(2), 84-100.

Martins, H. L. (2013). Lazaretos da Jacarecanga e da Lagoa Funda: varíola, poder e assistência na cidade de Fortaleza (1820-1880) (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Martins, L. L. (2012). Varíola em Fortaleza: marcas profundas de uma experiência dolorosa (1877-1881) (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Neves, F. C. (1995). Curral dos bárbaros: os campos de concentração no Ceará (1915 e 1932). Revista Brasileira de História, 5(29), 93-122.

Neves, F. C. (2005). Estranhos na belle époque: a multidão como sujeito político. Revista Trajetos, 3(6), 113-138.

Pinheiro, A., Neto. (2014). De curral da fome a campo santo: o campo de concentração de retirantes na seca de 1915 em Fortaleza (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Rodrigues, C., & Bravo, M. N. (2012). Morte, cemitérios e hierarquias no Brasil escravista (séculos XVIII e XIX). Habitus, 10(1), 3-19.

Silva, J. S. (2018). O cemitério revisitado. São Paulo, SP: Baraúna.

Sousa, J. W. F. (2009). Política e seca no Ceará: um projeto de desenvolvimento para o Norte (1869-1905) (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sousa, J. W. F. (2015). Secas e socorros públicos no Ceará: doença, pobreza e violência (1877-1932). Projeto História, 2015(52), 178-219Studart, G. B. (1997). Climatologia, epidemias e endemias do Ceará. Fortaleza, CE: Fundação Waldemar Alcântara.

Theophilo, R. (1922). História da Secca do Ceará (1877-1880). Rio de Janeiro, RJ: Imprensa Inglesa.

Theophilo, R. (1979). A fome; violação. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio.

Publicado
2018-08-06
Como Citar
Montebello, N., & Silva, M. (2018). Retirantes flagelados no Ceará-da-seca:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(21), 60-77. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.21.1058
Seção
Artigos