Do Normativo ao empírico:

um estudo de caso da participação da sociedade piauiense no programa de crédito fundiário no Piauí

  • Francisco Robert Bandeira Gomes da Silva
  • Maria D'Alva Macedo Ferreira
Palavras-chave: Programa Nacional de Crédito Fundiário, Participação, Autonomia, Controle social, Clientelismo, Oligarquia

Resumo

O intento dessa pesquisa foi verificar como se dá na prática a participação da sociedade piauiense no Programa Nacional de Crédito Fundiário. Essa preocupação surgiu ao identificar que o Piauí é um Estado marcado pela oligarquização do poder com práticas clientelistas e que o âmago do Programa em tela é democrático com participação efetiva da sociedade de forma autônoma e de controle social. A junção desses dois sistemas de essências opostas resultou, em Piracuruca, Piauí, nas seguintes constatações: a) através da análise quantitativa observou-se uma forte participação da sociedade civil no PNCF; b) através de uma visão qualitativa observou-se que o Centro de Educação e Assessoria Ambiental – CEAA, única responsável pela assessoria técnica dos assentamentos em Piracuruca, está presente em todo o processo desde a formação das associações, na aprovação das propostas no Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável e até mesmo na composição do PT, partido do atual governador.

Referências

Abramovay, R. (2000). O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. Economia Aplicada, 2(4), 379-397.

Adorno, S. (1988). Patrimonialismo, liberalismo e democracia: ambivalências da sociedade e do Estado no Brasil pós-colônia. In Autor, Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira (pp. 33-76). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Arraes, M. R., Filho. (2001). O poder local: as oligarquias e a composição parlamentar na Assembleia e na Câmara Federal (1982-1995). In J. K. Eugênio [s.n.], Histórias de vários feitos e circunstância (pp. 181-206). Teresina, PI: Instituto Dom Barreto.

Bonfim, W., & Silva, I. (2003). Instituições políticas, cidadania e participação: a mudança social ainda é possível? Revista de Sociologia e Política, (21), 109-123.

Brasil. (2004). Manual de operações do PNCF. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Brasil. (2009). Painel de indicadores gerenciais. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Carvalho, J. M. (1997). Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual. Dados, 40(2), 1-14.

Carvalho, J. M. (2008). Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Controle Geral da União [CGU]. Controle Social: orientações aos cidadãos para participação na gestão pública e exercício do controle social, 2012. Disponível em: < http://www.cgu.gov.br/Publicacoes/controle-social/arquivos/controlesocial2012.pdf >. Acesso em: 20.12.2018.

Costa, V. (1998). O novo enfoque do Banco Mundial sobre o Estado. Lua Nova, (44), 5-26.

Farias, F. (1999). Do coronelismo ao clientelismo: a transição política capitalista numa região do Piauí (1982-1986) (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Farias, F. (2000). Clientelismo e democracia capitalista: elementos para uma abordagem alternativa. Revista de Sociologia e Política, (15), 49-65.

Lima, S. (2009). O governo Wellington Dias, políticas públicas e o desenvolvimento do Piauí (2003-2010). In S. Lima, &, R. Assunção. (Orgs.), Governo e políticas públicas: a experiência do Piauí (pp. 161-186). Rio de Janeiro, RJ: Booklink.

Martins, J. S. (1994). Clientelismo e corrupção no Brasil contemporâneo. São Paulo, SP: Hucitec.

Martins, J. S. (2000). Reforma agrária: o impossível diálogo sobre a história possível. Tempo Social, 11(2), 97-127.

Nogueira, M. A. (2004). Um Estado para a sociedade civil: temas éticos e políticas da gestão democrática. São Paulo, SP: Cortez.

Rêgo, A. R. (2001). Imprensa piauiense: atuação política no século XIX. Teresina, PI: Fundação Cultural Monsenhor Chaves.

Silva, C. D. P. (2006). O novo arranjo federativo brasileiro: o regime multipartidário e a competição política municipal no Ceará e no Piauí em 1996, 2000 e 2004 (Tese de Doutorado). Instituto Universitário de Pesqisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Silva, R. J. (1997). Elites políticas: o caso piauiense. Serviço Social e Contemporaneidade, 1(1), 114-135.

Publicado
2018-01-08
Como Citar
Gomes da Silva, F. R., & Macedo Ferreira, M. D. (2018). Do Normativo ao empírico:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(20), 45-66. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.20.1051
Seção
Artigos