Em movimento:

relato de uma experiência coletiva de resistência à violência no Ceará

  • Ângela de Alencar Araripe Pinheiro Doutora em Sociologia – UFC e Professora Associada do Curso de Psicologia – UFC
  • Benjamim Diego Lucas e Sousa Mestre em Sociologia – UFC
  • Daniele Jesus Negreiros Mestre em Psicologia – UFC
  • João Paulo Pereira Barros Doutor em Educação – UFC e Professor Adjunto do Curso de Psicologia – UFC
  • Luciana Martins Quixadá Doutora em Educação – UFC e Professora Adjunta do Curso de Psicologia – UECE
  • Veriana de Fátima Rodrigues Colaço Doutora em Educação – UFRGS e Professora Titular do curso de Psicologia – UFC
Palavras-chave: Violência, Adolescentes, Jovens, Homicídios, Mobilização

Resumo

Este artigo se propõe a socializar a história do Movimento Cada Vida Importa: A Universidade na Prevenção e no Enfrentamento da Violência no Ceará (MCVI) em seu primeiro ano de atividades. Inicialmente, abordam-se as condições de surgimento e os princípios básicos do MCVI. Em seguida, contextualiza-se o cenário de violência no Estado do Ceará em 2018, com dados críticos e interrogações sobre suas novas manifestações – como o aumento vertiginoso de homicídios de meninas. A ausculta de contextos e a escuta de diversificados atores sociais vêm sendo consideradas constantemente nas ações desse coletivo e são expostas a partir de dimensões axiais: a) sensibilização; b) mobilização; c) formação; d) articulação; e e) incidência. Ao final, este estudo apresenta alguns desafios postos para o MCVI em 2019, considerando as mudanças do cenário político e a crise da segurança pública do estado no mês de janeiro. Constata-se que o MCVI reconhece a necessidade de obter maior capilaridade nas instituições de Ensino Superior (IES), tanto em termos de sua ampliação para um número maior de unidades de ensino e campos do saber quanto da inclusão de outros atores sociais das IES – como os servidores técnico-administrativos e os trabalhadores de apoio. É o MCVI em movimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Castro, B. (2019, 19 de janeiro). Homicídios no Ceará caem pela metade em plena crise de segurança. Recuperado de https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/17/politica/1547732693_443586.html

Cavalcante, I. (2018, 28 de janeiro). Com 14 mortos, Cajazeiras registra a maior chacina do Ceará. Recuperado de https://www.opovo.com.br/jornal/dom/2018/01/com-14-mortos-cajazeiras-registra-a-maior-chacina-do-ceara.html

Cerqueira, D., Lima, R. S., Bueno, S., Valencia, L. I., Hanashiro, O., Machado, P. H. G., & Lima, A. S. (2017, junho). Atlas da Violência 2017. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/2/2017

Cerqueira, D., Lima, R. S., Bueno, S., Neme, C., Ferreira, H., Coelho, D. ... Merian, F. (2018, junho). Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/180604_atlas_da_violencia_2018.pdf

Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. (2018a). Cada Vida Importa: Relatório do Primeiro Semestre de 2018 do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Fortaleza, CE: Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. (2018b). Movimento Cada Vida Importa mobiliza comunidade acadêmica contra homicídios de jovens. In Autor, Cada Vida Importa: Relatório do Primeiro Semestre de 2018 do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (pp. 36-41). Fortaleza, CE: Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2018). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018. São Paulo, SP: Autor.

Lei Estadual n. 16.482, de 19 de dezembro de 2017. (2017). Institui a Semana Estadual de Prevenção aos Homicídios de Jovens no âmbito do estado. Fortaleza, CE.

Melo, D. L. B., & Cano, I. (Orgs.). (2014). Índice de Homicídios na Adolescência: IHA 2012. Rio de Janeiro, RJ: Observatório de Favelas.

Melo, D. L. B., & Cano, I. (Orgs.). (2017). Índice de Homicídios na Adolescência: IHA 2012. Rio de Janeiro, RJ: Observatório de Favelas.

Moura, R. (2017, 29 de maio). Microchacinas cotidianas. Recuperado de https://www.opovo.com.br/jornal/colunas/segurancapublica/2017/05/microchacinas-cotidianas.html

Negreiros, D. J., Quixadá, L. M., & Barros, J. P. P. (2018). Movimento Cada Vida Importa: a universidade na prevenção e no enfrentamento à violência no Ceará. Universidade e Sociedade, 28(62), 74-87.

O Portal de Notícias da Globo (2018, 17 de julho). Sete chacinas no Ceará deixaram 48 mortos em 2018; relembre casos. Recuperado de https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/ceara-tem-48-mortes-em-sete-chacinas-em-2018.ghtml

O Povo Online. (2016, 2 de setembro). Chacina da Messejana: PMs fizeram cerco para matar, diz investigação. Recuperado de http://www20.opovo.com.br/app/opovo/cotidiano/2016/09/02/noticiasjornalcotidiano,36557

/chacina-da-messejana-pms-fizeram-cerco-para-matar-diz-investigacao.shtml

Santos, B. S. (2009). Um discurso sobre as ciências (6a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Waiselfisz, J. J. (2014). Mapa da Violência 2014: os jovens do Brasil. Brasília, DF: Secretaria-Geral da Presidência da República.

Waiselfisz, J. J. (2015a, junho). Mapa da Violência 2015: adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil (Versão Preliminar). Rio de Janeiro, RJ: Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais.

Waiselfisz, J. J. (2015b, agosto). Mapa da Violência 2016: homicídios por armas de fogo no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
Pinheiro, Ângela de A., Lucas e Sousa, B. D., Negreiros, D. J., Barros, J. P., Martins Quixadá, L., & Rodrigues Colaço, V. de F. (2019). Em movimento:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(22), 45-59. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.22.1022
Seção
Artigos