Rebeliões, homicidios e centros educacionais

inquietações e problematizações sobre o sistema socioeducativo cearense

Autores

  • Ingrid Silva Leite
  • Leila Maria Passos Souza Barbosa

Palavras-chave:

juventude, facções criminosas, centro educacional, disciplina

Resumo

Este artigo visa problematizar a execução da politica pública do socioeducativo, sobretudo mediante a ramificação das facções criminosas nos centros educacionais de Fortaleza-Ce. A partir da denominada crise do sistema socioeducativo nos anos 2000, houve uma reconfiguração na dinâmica dos centros educacionais, sobretudo com a ramificação das facções criminosas. Jovens internos foram assassinados nas unidades, constantes rebeliões, ameaças e torturas tecem o cotidiano dessas instituições. Os centros educacionais deveriam, a partir de um conjunto de ações, garantir um processo de responsabilização do ato infracional cometido pelo jovem, porém o contexto dessas unidades se apresenta de forma complexa, desumana e violenta. Compreendemos que a política pública do sistema socioeducativo perpassa pela violação de direitos sociais dos jovens internos, e acirra o contexto de violência intensificando a perspectiva da punição nos centros educacionais. Para a construção deste trabalho, realizou-se pesquisas bibliográfica, documental e de campo. Optou-se pela metodologia qualitativa, com uso do diário de campo e observação participante em um centr educacional em Fortaleza. 

Downloads

Publicado

2019-12-13

Como Citar

LEITE, I. S.; SOUZA BARBOSA, L. M. P. Rebeliões, homicidios e centros educacionais: inquietações e problematizações sobre o sistema socioeducativo cearense. O Público e o Privado, Fortaleza, v. 17, n. 33 jan.jun, p. 269–291, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/opublicoeoprivado/article/view/2258. Acesso em: 16 abr. 2024.