A vida em risco e a vida como obra de arte no projeto intelectual de Simone Weil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52521/22.12256

Palavras-chave:

Simone Weil, trajetória intelectual, artes da existência

Resumo

O projeto intelectual de Simone Weil (1909 – 1943) se deu a partir de uma série de experimentações escritas que deixou em suas obras. A escritora francesa pensou, escreveu e propôs ações sobre o seu tempo através de um modelo ético e político que temos como objetivo investigar neste artigo, a perceber as condições históricas em que estava inserida, aspectos de sua trajetória e como articulou referências do passado em sua criação de si. A partir desses direcionamentos, procuramos analisar o fazer-se intelectual de Simone Weil recorrendo às formulações de Michel Foucault a respeito das “artes da existência” ao identificar em Weil aspectos que se relacionam com uma vida de reflexão, escrita e ação. Propomos também dar início ao diálogo entre o sujeito ético que foi Weil com modelos de santidade que a inspiraram, como São Francisco de Assis e Joana d’Arc. Por fim, nos interessa perceber os “riscos” vividos por Simone Weil ao escolher ser o teatro vivo da sua própria verdade em sua obra e vida.

Biografia do Autor

Jessica Stori, Universidade Federal do Paraná

Mestra pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Paraná (2020), graduada em licenciatura em História pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2017) e integrante do Núcleo de Estudos de Gênero da UFPR. Pesquisou no mestrado a escrita autobiográfica de Carolina Maria de Jesus através da Crítica Literária Feminista, dos Estudos Pós-Coloniais e da Memória. Atualmente é estudante bolsista CNPq do curso de doutorado em História da UFPR, vinculada à linha de pesquisa Intersubjetividade e Pluralidade: Reflexão e Sentimentos na História, onde pesquisa a trajetória e a escrita autobiográfica de Simone Weil. Tem interesse de pesquisa nas áreas dos Estudos de Gênero, dos Estudos de Trajetórias Pessoais e Biografias e dos Estudos Pós-coloniais e Decoloniais. 

Referências

BEAUVOIR, Simone. A força da idade. Tradução de Sergio Milliet. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

BOSI, Ecléa. A atenção em Simone Weil. Psicologia USP, 2003, Vol. 14, nº 1.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault – um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Tradução Ingrid Müller Xavier. Revisão técnica Alfredo Veiga-Neto e Walter Omar Kohan. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DREYFUS, Hubert L. Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Tradução de Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

ESTELRICH, Bartolomeu. Filosofia como exercício espiritual: Simone Weil e Pierre Hadot. In.: BINGEMER, Maria Clara L. (Organizadora). Simone Weil e o encontro entre as culturas. Rio de Janeiro: Ed: PUC-Rio: Paulinas, 2009.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros. Curso no College de France (1983-1984). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

FOUCAULT, Michel. O que são as luzes? (1984). In.: Ditos e escritos VI: Repensar a política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5), 7-41. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em maio de 2024.

LE GOFF, Jacques. São Francisco de Assis. Tradução de Marcos de Castro. 10ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2011.

LUZ, José Luís Brandão. Simone Weil e a grandeza da infelicidade humana. In.: Razão e liberdade. Homenagem a Manuel José do Carmo Ferreira. CFUL, Lisboa, 2009.

Michel Foucault, uma entrevista: sexo, poder e a política da identidade (1982). Verve, 5: 2060-277, 2004.

NOGUEIRA, Maria Simone Marinho. Aniquilamento e descriação: uma aproximação entre Marguerite Porete e Simone Weil. Trans/Form/Ação, Marília, v. 42, p. 193-216, 2019.

PÉTREMENT, Simone. Vida de Simone Weil. Madrid: Editorial Trotta, S. A. 1997.

PIRRUCCELLO, Ann. Force or fragility? Simone Weil and two faces of Joan of Arc. In.: ASTELL, Ann W; WHEELER, Bonnie. Joan of Arc and Spirituality. Palgrave MacMillan, 2003.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

SONTAG, Susan. Contra a interpretação: e outros ensaios. Tradução Denise Bottman. 1ªed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

VIANA, Maria José Motta. Do sótão à vitrine: memória de mulheres. Belo Horizonte: Editora UFMG/ Faculdade de Letras da UFMG, 1995.

VIEIRA, Priscila Piazentini. A coragem da verdade e a ética do intelectual em Michel Foucault. Campinas, SP, 2013. Tese de doutorado - História.

WEIL, Simone. Simone Weil: a condição operária e outros estudos sobre a opressão. Seleção e apresentação de Ecléa Bosi. Tradução de Therezinha G. G. Langlada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

WEIL, Simone. Cuadernos. Tradução de Carlos Ortega. (Título original: Cahiers). Madrid: Editorial Trotta, 2001.

WEIL, Simone. Espera de Deus: cartas escritas de 19 de janeiro a 26 de maio de 1942. Tradução de Karin Andrea Guise. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

WEIL, Simone. O peso e a graça. Tradução de Leda Cartum. Belo Horizonte, MG: Chão de Feira, 2020.

Downloads

Publicado

2024-06-07

Como Citar

STORI, J. A vida em risco e a vida como obra de arte no projeto intelectual de Simone Weil. O Público e o Privado, Fortaleza, v. 22, n. 46, p. 167–184, 2024. DOI: 10.52521/22.12256. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/opublicoeoprivado/article/view/12256. Acesso em: 13 jul. 2024.