O cotidiano do policial penal

aprender a trabalhar e conviver na prisão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52521/21.10602

Palavras-chave:

Policial Penal, Performance Emocional, Vulnerabilidade, Poder

Resumo

Este artigo busca analisar aspectos da construção da atuação como policial penal, a partir de profissionais em diferentes momentos da trajetória: desde os que estavam no curso de formação anterior ao início efetivo como policial penal, até aqueles com mais de 20 anos na função. Os dados foram coletados entre os anos de 2014 e 2018 em Salvador-BA, por meio de entrevistas semiestruturadas, mediante termos de consentimento, e análise inspirada na Teoria Fundamentada, com considerações a partir do conceito de performance emocional proposto por Crawley (2004) e da sociologia das prisões. Os resultados apontam a convivência e a interação com os privados de liberdade como uma das principais atribuições desses profissionais, que possibilita o desenvolvimento um saber que é próprio desta categoria profissional: a habilidade de conviver e mediar situações de tensão e privação cotidianas na prisão e de reconhecer sinais de alterações no pátio. Ao mesmo tempo, destacam que as características dessas interações têm a ver com a experiência e o significado atribuído à ocupação, aos sentimentos de vulnerabilidade e poder que se apresentam na relação com as pessoas em privação de liberdade e com as estratégias desenvolvidas por cada um, a partir da sua subjetividade, para lidar com o contexto prisional.

Biografia do Autor

Leticia Chaves Monteiro, Escola Comunitária Brilho do Cristal no Vale do Capão, Chapada Diamantina, Bahia – Brasil

Doutora (2018) e mestre (2013) em Ciências Sociais pelo PPGCS/UFBA, membro do LASSOS - Laboratório de Estudos em Segurança Pública, Cidadania e Solidariedade. Psicóloga pela Universidade Salvador - UNIFACS (2007) e Pedagoga pela UNIFACS (2019). Experiência em projetos e programas sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de pessoas e educação sistema penitenciário e saúde do trabalhador. Psicóloga Clínica com formação na Abordagem Centrada na Pessoa, com experiência no desenvolvimento de ações comunitárias de Plantão Psicológico e Grupos de Encontro e facilitação em Curso de Formação Vivencial-reflexivo nesta abordagem. Experiência em consultoria internacional em programa de educação profissional, em Moçambique (2012). Assessora psicopedagógica na Escola Casa da Infância (2014- 2022). Desenvolveu programa de Formação de Professores que atuam em unidades prisionais no Estado da Bahia no Instituto Anísio Teixeira (IAT/SEC - 2007-2011). Representante do pólo Bahia da ONG RedSolare Brasil e membro no Network Reggio Children (Itália). Atualmente é Coordenadora Pedagogica da Escola Cominitária Brilho do Cristal, localizada no Vale do Capão - Chapada Diamantina (BA), Brasil. 

Referências

BATISTA, A.S. Estado e controle nas prisões. Cad. CRH [online]. 2009, v.22, n.56 [cited 2018-10-02], pp.399-410. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792009000200013&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0103-4979. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792009000200013.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2 ed.,Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002

CAMPOS, M.S.; ALVAREZ, M.C. Pela metade: Implicações do dispositivo médico-criminal da “Nova” Lei de Drogas na cidade de São Paulo. Tempo soc., São Paulo , v. 29, n. 2, p. 45-74, Maio 2017 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?

CASTRO E SILVA, Anderson Moraes. Nos braços da lei: O uso da violência negociada no interior das prisões. Rio de Janeiro: e+a, 2008.

CHIES, L.A.B. Apontamentos teórico-operacionais para uma sociologia das prisões. In: SANTOS, JVT., TEIXEIRA, NA., and RUSSO, M., orgs. Violência e cidadania: práticas sociológicas e compromissos sociais[online]. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2011. Cenários do conhecimento series, pp. 388-410. ISBN 978-85-386-0386-3. Available from: doi: 10.7476/9788538603863. Also available in ePUB from: http://books.scielo.org/id/ycrrp/epub/santos9788538603863.epub.

CLEMMER, D. The prison community. New York, Holt, Rinehart & Winston, 1958.

COELHO, EC. A oficina do diabo. Crise e conflitos no Sistema Penitenciário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Espaço & Tempo, IUPERJ, 2005 [1987].

CRAWLEY, E.M. Emotion and performance : Prison officers and the presentation of self in

prisons. Punishment & Society, 2004 6: 411 DOI: 10.1177/1462474504046121

___________. Doing prison work. New York: Routledge, 2011.

GARLAND, D. A cultura do controle. Crime e ordem social na sociedade contemporânea. Tradução: André Nascimento. Rio de Janeiro:Editora Revan, 2008

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Ed. Perspectiva. 1999

KAUFFMAN, K. Prison Officers and Their World. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1988 290 pp.

KING, R. D. Prison staff: an international perspective. In: BENNETT, J. Et al.

Understanding Prison Staff. Willan Publishing, United Kingdom, 2008. p 30-47

MORAES, P.R.B de. Punição, Encarceramento e Construção de Identidade Profissional entre agentes penitenciários. Ibccrim, 2005.

___________. A identidade e o papel de agentes penitenciários. Tempo soc., São Paulo , v. 25, n. 1, p. 131-147, Junho 2013 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702013000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em 08 Julho 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702013000100007.

PONCIONI, P. Tendências e desafios na formação profissional do policial no Brasil

Revista Brasileira de Segurança Pública. Ano 1, Edição 1, 2007

RAMALHO, J.R. O mundo do crime. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

SALLA, F.. As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias, Porto Alegre , n. 16, p. 274-307, Dez. 2006 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222006000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 23 Set. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222006000200011.

SYKES, GM. The society of captives: A study of maximum security prison. Princeton

University Press, 2007.

TAIT, S. Prison Officers and gender. In: BENNETT, J. Et al. Understanding Prison Staff. Willan Publishing, United Kingdom, 2008. p 30-47

TAROZZI, M. O Que É um Grounded Theory? Metodologia de Pesquisa e de Teoria fundamentada nos Dados. Petrópolis, RJ: Vozes. 2011

THOMPSON, A. A questão penitenciária. Rio de Janeiro: Forense, 1980.

Downloads

Publicado

2023-12-15

Como Citar

MONTEIRO, L. C. O cotidiano do policial penal: aprender a trabalhar e conviver na prisão. O Público e o Privado, Fortaleza, v. 21, n. 45, p. 40–61, 2023. DOI: 10.52521/21.10602. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/opublicoeoprivado/article/view/10602. Acesso em: 24 jun. 2024.