“Vinho novo em odres velhos”

discutindo os desafios presentes do trabalho de custodiar em contextos distintos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52521/21.10594

Palavras-chave:

Agentes Penitenciários, Polícia Penal, Dores do Aprisionamento, Sociologia da Punição

Resumo

O presente texto discuti os desafios postos para quem trabalha custodiando pessoas encarceradas. Baseamos nossa discussão a partir de duas pesquisas realizadas incorporando técnicas qualitativas e quantitativas realizadas em na grande Belo Horizonte, Minas Gerais, me 2009 e em Salvador, Bahia entre 2011 e 2012. Como principais resultados observamos que as adversidades presentes para quem tem o encargo de custodiar permanecem em boa parte as mesmas nos dois contextos, acarretando a possibilidade de sofrimento mental e implicações que abarcam vários aspectos de sua sociabilidade, até mesmo nas suas atividades de lazer. Por fim, é discutido quais seriam os avanços e problemas na maior profissionalização através da criação da polícia penal. Conclui-se que os desafios aqui apresentados parecem longe de serem extintos com a criação da polícia penal, não redundando em mudanças substantivas.

Biografia do Autor

Luiz Claudio Lourenço, Universidade Federal da Bahia-UFBA

Possui bacharelado (1997) e mestrado (2000) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos e doutorado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia) pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (2007). É professor associado na Universidade Federal da Bahia - UFBA atuando no Departamento de Sociologia. Também faz parte do quadro de docentes permanentes do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais - UFBA. Na pesquisa é um dos coordenadores do Laboratório de Estudos sobre Crime e Sociedade - LASSOS (UFBA). Desenvolveu atividades de extensão coordenando a área de Sociologia do Programa Institucional de Iniciação à Docência - PIBID-UFBA (CAPES) de 2010 a 2014. Foi Secretário Geral (2011-2013) e Diretor Tesoureiro (2013-2015) da Sociedade Brasileira de Sociologia - SBS. Tem interesse nos seguintes temas: sociologia da punição, sociologia do desvio, sistema socioeducativo, políticas de defesa social, metodologias quantitativa e qualitativa.

Referências

ALVES, K.; PENNA, F. Cerca de 3 mil agentes penitenciários protestam no centro de BH. O Tempo, Belo Horizonte, 4 abr. 2009. Disponível em: http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=37387&busca=penitenci%E1rios&busca=penitenci%E1rios&busca=penitenci%E1rios. Acesso em 09 de maio de 2011.

BATISTA, N. Punidos e mal pagos: violência, justiça, segurança pública e direitos humanos no Brasil de hoje. Rio de Janeiro: Revan, 1990.

BENTHAM, J. O panóptico ou a casa de inspeção. In: TADEU, T. (Org.). O panóptico. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. p.13-88.

BEZERRA, C. de M.; ASSIS, S. G. de; CONSTANTINO, P. Sofrimento psíquico e estresse no trabalho de agentes penitenciários: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 7, p. 2135-2146, jun. 2016.

BIERNARCKI, P.; WALDORF, D. Snowball sampling-problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods and Research, California, v. 10, n. 2, p. 141-163, nov. 1981.

BOND, L. Agentes penitenciários revelam insegurança para enfrentar covid-19. Agência Brasil. Brasília, 02 jun. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-06/agentes-penitenciarios-revelam-inseguranca-para-enfrentar-covid-19. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Infopen 2015. Brasília: Ministério da Justiça, 2015.Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/bases-de-dados/2015_basefinal_depen_publicacao.csv Acesso em: 9 fev. 2017.

BRASIL. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Infopen - Junho 2014. Brasília: Ministério da Justiça, 2014.

BRASIL. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias-Período de Janeiro a Junho 2020. Brasília: Ministério da Justiça, 2020. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZTk1MWI5MzUtZDFlMS00NmY0LWJkNjctM2YxZThlODI1MTNlIiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9&pageName=ReportSection. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias-Período de Julhoo a Dezembro 2019. Brasília: Ministério da Justiça, 2019. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiN2RjMmVmNTQtNmQ2NS00NDE1LWI0ZTQtMjMwM2Q0MWNkNGQ4IiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9&pageName=ReportSection. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 104, de 4 de dezembro de 2019. Altera o inciso XIV do caput do art. 21, o § 4º do art. 32 e o art. 144 da Constituição Federal, para criar as polícias penais federal, estaduais e distrital. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc104.htm. Acesso em: 20 jan. 2020.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: características da vitimização e do acesso à justiça no Brasil 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. 248 p.

BRASIL. Lei n.º 10.826, de 22 de dezembro de 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas – Sinarm, define crimes e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.826.htm. Acesso em: 20 abr. 2020.

CRAWLEY, E. M. Emotion and performance: prison officers and the presentation of self in prisons. Punishment & Society. Salford, v. 6, n. 4, p. 411-427, 2004.

CLEMMER, D. The prison community. Nova York: Holt, Rinehart & Winston, 1940.

COELHO, E. C. Oficina do Diabo e outros escritos prisionais. Rio de Janeiro: Record, 2005.

CONGRESSO promulga emenda que cria polícias penais no Brasil. Veja, [s.l.], 5 dez 2019. Disponível em: https://veja.abril.com.br/brasil/congresso-promulga-emenda-que-cria-policias-penais-no-brasil/. Acesso em: 10 dez. 2019.

CORREIA, A. P. Uma análise dos fatores de risco da profissão do agente penitenciário: contribuições para uma política de segurança e saúde na gestão penitenciária. 2006. 66 p. Monografia (Curso de Especialização) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

CRUZ, L. Policiais penais da Bahia poderão entrar em greve a partir da próxima quarta-feira (11). Acorda Cidade, Feira de Santana, 9 ago. 2021. Disponível em: https://www.acordacidade.com.br/noticias/246847/policiais-penais-da-bahia-poderao-entrar-em-greve-a-partir-da-proxima-quarta-feira-11-.html?mobile=true. Acesso em: 10 ago. 2021.

DA MATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1979.

DENZIN, N. An Introduction to triangulation. Switzerland: UNAIDS, 2010.

FERNANDES, R. de C. P. et al. Trabalho e cárcere: um estudo com agentes penitenciários da Região Metropolitana de Salvador, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, jun. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2002000300029&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 07 nov. de 2010.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1996.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

GOFFMAN, E. Manicômios, conventos e prisões. São Paulo: Perspectiva, 2005.

JICK, T. D. Mixing qualitative and quantitative methods: triangulation in action. Administrative Science Quarterly. Ithaca, v. 24, n. p. 602-611, Dec. 1979.

KAUFFMAN, K. Prison officers and their world. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1988.

KUROWSKI, M. C.; MORENO-JIMENEZ, B. Síndrome de Burnout em funcionários de instituições penitenciárias. In: PEREIRA, A. M. B. Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 213 -226.

LOURENÇO, L. C. Batendo a tranca: impactos do encarceramento em agentes penitenciários da região metropolitana de Belo Horizonte. Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 3, n.10, p. 11-31, 2010.

MINAS GERAIS. Lei nº 14.695, de 30 de julho de 2003. Cria a Superintendência de Coordenação da Guarda Penitenciária, a Diretoria de Inteligência Penitenciária e a Carreira de Agente de Segurança Penitenciário e dá outras providências. Disponível em: https://www.almg.gov.br/legislacao-mineira/LEI/14695/2003/;PORTAL_SESSIONID=84DFCC525DFDB38E2C015FE57BA3AE07.worker2. Acesso em: 20 abr. 2009.

MINAS GERAIS. Lei nº 18.185, de 04 de junho de 2009. Dispõe sobre a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, nos termos do inciso IX do art. 37 da Constituição da República. Disponível em: https://www.almg.gov.br/legislacao-mineira/LEI/18185/2009/. Acesso em: 20 abr. 2010.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Planejamento Plurianual do Orçamento. Disponível em: http://www.planejamento.mg.gov.br/governo/planejamento/orcamento/arquivos/2008/Volume5.pdf. Acesso em: 03 ago. 2009.

MONTEIRO, L. C. A permeabilidade das grades na busca cotidiana pela ordem: um estudo sobre agentes penitenciários em Salvador-Ba. 2013. 213 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Uiversidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

MORAES, P. R. B. Punição, encarceramento e construção de identidade profissional entre agentes penitenciários. São Paulo: IBCCRIM, 2005. 285p. (Monografias, n. 33).

REFÉM de rebelião em penitenciária de MG consegue indenização. Consultor Jurídico, [s.l], 14 set. 2004. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2004-set-14/refem_rebeliao_penitenciaria_indenizacao. Acesso em: 11 maio 2009.

SANTOS, S. N. et al. Transtorno depressivo maior em agentes penitenciários. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 55, p.1-11, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.11606/s1518- 8787.2021055002507. Acesso em: 15 jan. 2022.

SYKES, G. M. The society of captives: a study of a maximum security prison. New Jersey: Princeton University Press, 2007.

VASCONCELOS, Ana S. F. A saúde sob custódia: um estudo sobre agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro. 2000. 66 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2000.

WENDEL, B. Coronavírus: 40% dos agentes penitenciários da Bahia estão em grupos de risco. Correio da Bahia, Salvador, 23 abr. 2020. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-40-dos-agentes-penitenciarios-da-bahia-estao-em-grupos-de-risco/. Acesso em: 23 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2023-12-15

Como Citar

LOURENÇO, L. C. “Vinho novo em odres velhos”: discutindo os desafios presentes do trabalho de custodiar em contextos distintos. O Público e o Privado, Fortaleza, v. 21, n. 45, p. 110–137, 2023. DOI: 10.52521/21.10594. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/opublicoeoprivado/article/view/10594. Acesso em: 23 jul. 2024.