O medo e a violência como parte do cotidiano das/os agentes prisionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52521/21.10405

Palavras-chave:

Polícia penal, Subjetividade, Trabalho, Prisões, Cartografia

Resumo

A proposta deste artigo é compreender como agentes prisionais femininas e masculinas percebiam o medo e a violência como de seu trabalho e, em que medida, esses sentimentos transbordavam para as suas rotinas fora do cárcere. Para tanto, foram analisados dados (qualitativos e quantitativos) coletados junto a profissionais que atuavam em Minas Gerais entre 2014 e 2018. Os resultados indicam que, no cotidiano do trabalho, homens e mulheres sentem medo igualmente, mas ao saírem da prisão, os homens se sentem mais ameaçados que as mulheres. No ambiente de trabalho, os homens temem, em maior medida do que as mulheres, serem atingidos por arma de fogo ou arma branca, bem como de sofrer agressão física ou violência psicológica. Em parte, isso acontece porque eles são mais propensos à vitimização por agressão, violência física e suborno no cotidiano de trabalho do que elas. Fora do ambiente de trabalho, apesar do maior medo deles, homens e mulheres adotam igualmente estratégias de proteção de sua identidade de agente prisional, tanto para evitar acertos de contas como para esconder uma profissão que ainda é vista como desacreditada.

Biografia do Autor

Isabela Araujo, Universidade Federal de São Carlos

Doutoranda em sociologia pela Universidade Federal de São Carlos, mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e graduada em Ciências Sociais pela mesma instituição. Participou de projetos de pesquisa na área de saúde pública com ênfase em avaliação de políticas públicas em saúde quando membro do Observatório de Recursos Humanos em Saúde. Atualmente, é pesquisadora do Centro de Estudos em Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) na UFMG e membro do Grupo de Estudos sobre Violência e Administração de Conflitos (GEVAC) na UFSCar. Atua em pesquisas na área de sociologia da prisão, da punição e do conflito.

Ludmila Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais

É professora associada do Departamento de Sociologia (DSO) e pesquisadora do Centro de Estudos em
Criminalidade e Segurança Pública (Crisp), ambos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Belo Horizonte, Brasil). É doutora em sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), mestre e bacharel em administração pública pela Fundação João Pinheiro (FJP, Belo Horizonte, Brasil) e bacharel em direito pela UFMG.

Referências

ADORNO, Sérgio; DIAS, Camila Nunes. Articulação entre o mundo interno e externo às instituições prisionais: questões para a construção de um novo paradigma no domínio da sociologia das prisões. 37º Encontro Anual da ANPOCS. Águas de Lindóia – SP, 2013.

ALBUQUERQUE FIGUEIRÓ, Rafael. “Eu tenho medo de viver lá fora": cartografia do trabalho policial penal. São Paulo: Editora Dialética, 2022.

ALVES, Valdir; BINDER, Maria Cecília Pereira. Trabalhar em penitenciárias: violência referida pelos trabalhadores e (in)satisfação no trabalho. Rev. bras. Saúde ocup., São Paulo, v.39, n.129, 2014.

BARCINSKI, Mariana, et al. Entre cuidar e vigiar: ambiguidades e contradições no discurso de uma agente penitenciária. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 7, 2014.

BARCINSKI, Mariana, et al. Significados da Ressocialização para Agentes Penitenciárias em uma Prisão Feminina: Entre o Cuidado e o Controle. Temas em Psicologia, v. 25, n. 3, p. 1257 - 1269, 2017.

BATISTA, Analía Soria; CODO, Wanderley. Trabalho sujo e estigma Cuidadores da morte nos cemitérios. Revista de Estudios Sociales, 2018.

BEATO, Claudio et al. Percepções Sociais sobre o Sistema Prisional Brasileiro: um estudo quantitativo. Revista Brasileira de Execução Penal-RBEP, v. 1, n. 1, p. 279-305, 2020.

BOYD, Elizabeth; GRANT, Tim. Is gender a factor in perceived prison officer competence? Male prisoners perceptions in an English dispersal prison. Criminal Behavior and Mental Health, v.15, p.65 - 74, 2005.

CASTRO E SILVA, Anderson Moraes. Nos Braços da Lei: o uso da violência negociada no interior das prisões, 2008.

COYLE, Andrew. Administração penitenciária: uma abordagem de direitos humanos. International Centre for Prison Studies, 2002.

FIGUEIRÓ, Rafael de Albuquerque. Cartografia do trabalho de agentes prisionais: Reflexões sobre o “dispositivo prisão”. Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, para obtenção do título de doutor, 2015.

FIGUEIRÓ, Rafael de Albuquerque; DIMENSTEIN, Magda. Controle a Céu Aberto: Medo e Processos de Subjetivação no Cotidiano de Agentes Penitenciários. Ciência e Profissão, v. 38, n.2, p. 131-143, 2018.

FREITAS, Renan Springer. Reversões hierárquicas e eclosão de conflitos em prisões. Revista de Administração Pública, v. 19, n. 4, p. 27 a 37-27 a 37, 1985.

GODOI, Rafael. Vasos comunicantes, fluxos penitenciários: entre o dentro e o fora das prisões de São Paulo. Vivência, n.46, p.131-142, 2015.

JURIK, Nancy. Striking A Balance: Female Correctional Officers, Gender Role Stereotypes, and Male Prisons. Sociological Inquiry, v. 58, n. 3, p. 291 - 305, 1988.

LOURENÇO, Luiz Claudio. Batendo a tranca: Impactos do encarceramento em agentes penitenciários da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Dilemas, v. 3, n. 10, 2010.

MONTEIRO, Letícia Chaves. A permeabilidade das grades na busca cotidiana pela ordem: um estudo sobre agentes penitenciários em Salvador-BA. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, do Departamento de Sociologia da Faculdade de Ciências Humanas da Bahia, Universidade Federal da Bahia como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de mestre em Sociologia, 2013.

NEWBOLD, Greg. Women officers working in men's prisons. Social Policy Journal Of New Zealand, v.25, July, 2005.

PAIXÃO, Wallace Henrique Pinho et al. A saúde mental dos agentes do sistema prisional: mapeamento de estudos brasileiros. Research, Society and Development, v. 11, n. 4, p. e21611427147-e21611427147, 2022.

REIS, João Francisco Garcia et al. Agentes prisionais: Percepções e conflitos de uma profissão de risco. XV Encontro norte e nordeste de ciências sociais, São Paulo, 2012.

RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e estrutura social. Instituto Carioca de Criminologia, 2004.

SANTIAGO, Eneida. O sentimento de medo no cotidiano de trabalho na vigilância prisional e seus impactos sobre a subjetividade dos agentes penitenciários. Cadernos de psicologia social do trabalho, v.19, n.2, São Paulo, p.161-175, 2016.

SOUZA, Edinilsa Ramos de. Masculinidade e violência no Brasil: contribuições para a reflexão no campo da saúde. Ciência& Saúde Coletiva, 2005.

SYKES, Gresham. A corrupção da autoridade e a reabilitação. ETZIONI, Amitai. Organizações Complexas: estudo das organizações em face dos problemas sociais. São Paulo: Atlas, p. 191 - 198, 1975.

TAIT, Sarah. A typology of prison officer approaches to care. European Journal of Criminology, v. 8, n. 6, p. 440 - 454, 2011.

VUOLO, Mike; KRUTTSCHNITT, Candace. Prisoners’ Adjustment, Correctional Officers, and Context: The Foreground and Background of Punishment in Late Modernity. Law & Society Review, v. 42, n. 2, 2008.

WILLET, T. C.Prison Guards in Private, 25 Canadian J. Criminology, v. 1, n.18, 1983.

Downloads

Publicado

2023-12-15

Como Citar

ARAUJO, I.; RIBEIRO, L. O medo e a violência como parte do cotidiano das/os agentes prisionais. O Público e o Privado, Fortaleza, v. 21, n. 45, p. 84–109, 2023. DOI: 10.52521/21.10405. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/opublicoeoprivado/article/view/10405. Acesso em: 24 jun. 2024.