Representação Política:

significação de representatividade política para o vereador no município de fortaleza

  • Adriana Soares Alcântara
  • Hermano Machado Ferreira Lima
Palavras-chave: Representatividade. Participação. Poder Legislativo Municipal. Cidadania.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo investigar os significados de representação política para o vereador do Município de Fortaleza, estudando o conceito de representação a partir de autores clássicos e contemporâneos em conjunto com os dados estatísticos retirados do site do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará e das informações extraídas dos arquivos da Câmara de Vereadores de Fortaleza. Procurar-se-á construir o perfil dos vereadores a partir da análise de suas proposições legislativas e da fala de alguns entrevistados durante a pesquisa investigando qual o papel que o vereador acredita desempenhar junto ao corpo de eleitores que o escolheu e perante a cidade em que ele trabalha.

Referências

ABREU, M.A. Representação em Rousseau e Hannah Arendt, São Paulo: Lua Nova, 72: 175-194, 2007.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010;

______. “Será que a política ainda tem de algum modo um sentido?” In: ABRANCHES, Antônio (Org.). A Dignidade da Política: ensaios e conferências. Trad. Helena Martins Frida Coelho, Antônio Abranches, César Almeida, Cláudia Drucker e Fernando Rodrigues. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

AVRITZER, Leonardo. “Intituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democratico”. Rev. Opinião Pública. Jun2008, v.14 p.43-64.

______. “Sociedade Civil, Instituições participativas e representação: da autorização à legitimidade da ação”. DADOS – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: v.50, n.3, 2007, p.443 a 464.

______. Impasses da Democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BAUMAN, Zygmunt. Em busca da politica. Rio de Janeiro: Zahar, 2000;

BOBBIO, Noberto. Teoria Geral da Politica. Rio de Janeiro: Campus, 2000;

______. Democracia e Segredo. Rio de Janeiro:UNESP, 2015.

BONAVIDES, Paulo. Ciência Politica. 10a. ed. São Paulo: Malhieros, 1999.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponivel em:< www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis>. Acesso em: 29 ago.2016.

D'URSO, Flavia. A crise da representação politica do Estado: Perspectivas da soberania em Carl Schmitt, Michel Foucault e Giorgio Agamben. Sao Paulo: Manole, 2016;

FERREIRA, B. O risco do político. Crítica ao liberalismo e teoria politica no pensamento de Carl Schmitt. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004;

FIGUEIREDO, Argelina e LIMONGI, Fernando. (1995), “Mudança Constitucional, Desempenho do Legislativo e Consolidação Institucional”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ano 10, n. 29, p. 175-200.

FIGUEIREDO, A. C. Aula em seminário de pesquisa do curso de doutorado em ciência política. Brasília: Iuperj; Cefor/ Câmara dos Deputados, 2008.

________. Congresso Nacional: organização, processo legislativo e produção legal, guia do lobby I. Brasília: Inesc, 1999a;

________. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1999b.

________. Modelos de Legislativo: o Legislativo brasileiro em perspectiva. Plenarium, Brasília, v. 1, n. 41, nov. 2004.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

GOYARD-FABRE, Simone. O que é democracia?: a genealogia filosófica de uma grande aventura humana. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HABERMAS, Jurgen. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012.

HOLLANDA, Cristina Buarque de. Modos de representação política, o experimento da primeira república. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

KUSCHNIR, Karina. Antropologia da Política. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LEIVAS, Claudio Roberto Cogo. Representação e vontade em Hobbes. Disponível em <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/6841/000491197.pdf;sequence=1>,, acesso em 1 nov.2017.

LESSA, Renato. “Para que serve a representação: as formas da distinção”, in: Presidencialismo de Animação e outros ensaios sobre a política brasileira. Rio de janeiro: Vieira e Lent, 2006, pp. 240 a 252.

LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o Governo Civil. Introdução de J.W.Gough; tradução de Magda Lopes e Marisa Lobo da Costa. - Petrópolis, RJ: Vozes, 1994 – (Coleção Clássicos do Pensamento Político).

LOPES, Valmir. As lógicas da representação política, O Processo de Mudanças de Lideranças Políticas em Fortaleza. 2005. Tese de Doutorado defendida em 2005 na Universidade Federal do Ceará. 268 folhas.

MANIN, Bernard. As metamorfoses do governo representativo. Disponível em . Acesso em: 08 jun. 2017 Rev. bras. Ci. Soc.v.10 n.29 São Paulo, out. 1995

MANIN, Bernard. O princípio da distinção. Revista Brasileira de Ciência Política, n.4. Brasília, jul/dez. de 2010, p.187-226.

MANIN, Bernard, PRZEWORSKI, Adam e STOKES, Susan C. Eleições e Representação. In: Democracy, Accountability and Representation, Cambridge.1999; São Paulo: Lua Nova, 67. Cap.1, p.105-138, 2006.

MAUS, Ingerbog. O direito e a politica: teoria da democracia. Belo Horizonte: Del Rey, 2009;

NICOLAU, J.; POWER, T. J. (org.). Instituições representativas no Brasil: balanço e reforma. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007. p. 11-35.

NOVARO, Marcos. O Debate Contemporâneo Sobre a Representação Política. Novos Estudos CEBRAP. n, 42, jul.1995.

PALMEIRA, Moacir. Voto: racionalidade ou significado? Revista Brasileira de Ciencias Sociais. São Paulo, v.20, p.26-30, jul.1992.

PALMEIRA, Moacir (Org). Antropologia, voto e representação politica. Rio de Janeiro: Contracapa, 1996.

PINTO, J. R. S. Poder Legislativo brasileiro: institutos e processos. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O mandonismo local na vida política brasileira e outros ensaios. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1976.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Du Contrat Social. Paris: Garnier-Flammarion, 2001.

SÁ, Leonardo. A questão do poder na perspectiva da antropologia da politica. João Pessoa. Áltera – Revista de Antropologia, v.1.n.1, p 82-111, jul/dez 2015

SANTOS, Boaventura de Sousa, AVRITZER, Leonardo. Para Ampliar o Cânone Democrático. Revista Critica de Ciências Sociais, n,113, p.4.2003

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org). Democratizar a democracia: Os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2002.

______. Reinventar a Democracia.2.ed. Lisboa: Gradiva, 2002;

SANTOS, M. H. C. Governabilidade, governança e democracia: criação da capacidade governativa e relações Executivo-Legislativo no Brasil pós-constituinte. Dados: Rev. Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, 1997.

SCHMITT, C. A crise da democracia parlamentar. São Paulo: Scritta, 1996.

______ O conceito do político. Petropolis: Vozes, 1992.

Publicado
2017-08-01
Seção
Artigos