Artesanato e políticas públicas no Brasil:

uma trajetória entre economia e cultura

Palavras-chave: artesanato, cultura, economia, políticas públicas

Resumo

O termo artesanato , cuja raiz etimológica é o vocábulo arte, está envolto em hierarquias socialmente produzidas que atribuem a obras, artistas, artesãos e artesãs, posições diferenciadas, em meio à tensão conceitual entre artesanato e arte a qual se reflete no campo das políticas públicas, onde artesanato é uma atividade tratada ora na perspectiva da gestão pública da economia, ora na perspectiva das políticas de cultura. No Brasil, a abordagem das políticas públicas voltadas ao artesanato, considerando a natureza da atividade artesanal e as ambivalências conceituais a ela relacionadas, aponta alguns momentos paradigmáticos: a) até os anos 1970; b) dos anos 1970 aos 1990; c) dos anos 1990 aos 2000; e d) a partir dos anos 2000. Tendo em vista os limites e as possibilidades de tal periodização, aqui, ela é pensada como ferramenta heurística para refletir sobre o lugar da artesania na agenda pública e no país como um todo, em especial no que tange às relações entre artesanato, cultura e economia, com base tanto nas pesquisas já realizadas pelas autoras quanto naquelas ainda em curso no Estado do Piauí.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrade, M. (1938). O artista e o artesão: a Santa Rosa (Aula inaugural dos cursos de Filosofia e História da Arte, do Instituto de Artes, da Universidade do Distrito Federal, em 1938). Recuperado de http://www.usp.br/cje/depaula/wp-content/uploads/2017/03/Sem-3_O-Artista-e-o-Artes%C3%A3o_M%C3%A1rio-de-Andrade.compressed.pdf

Barbosa, C. A. (2018). Criar, a que será que se destina? (Sentidos do processo criativo em encontros e desencontros entre artesās e designers, sob o signo do empreendedorismo) (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI.

Barbosa, C. A., & Moraes, M. D. C. (2017). Artesanato ceramista, ideologia do empreendedorismo, design e relações de saber-poder na Cooperart-Poty, Teresina-PI. Encontro Nacional Discurso, Identidade e Subjetividade, 3(2), 189-196.

Botelho, I. (2011). Criatividade em pauta: alguns elementos para reflexão. In

Ministério da Cultura, Plano da Secretaria da Economia Criativa:

políticas, diretrizes e ações – 2011/2014 (pp. 80-85). Brasília, DF: Autor.

Bourdieu, P. (1982). A economia das trocas simbólicas. São Paulo, SP: Perspectiva.

Bourdieu, P. (1983). Gostos de classe e estilos de vida. In R. Ortiz (Org.), Pierre Bourdieu: sociologia (Coleção Grandes Cientistas Sociais, pp. 82-121). São Paulo, SP: Ática.

Bourdieu, P. (1987). Choses dites. Paris, France: Minuit.

Bourdieu, P. (1996). As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Bourdieu, P. (2004). A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. São Paulo, SP: Zouk.

Presidência da República. Comunidade Solidária: três anos de trabalho. Brasília, 1998. Recuperado de http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/.

Canclini, N. G. (1983). As culturas populares no capitalismo. São Paulo, SP: Brasiliense.

Certeau, M. (2012). A cultura no plural. Campinas, SP: Papirus.

Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento. (2010). Relatório de economia criativa. Economia criativa: uma opção de desenvolvimento viável. Genebra, Suíça: Autor.

Dabul, L. (2007). Experiências criativas sob o olhar sociológico. Ponto-e-Vírgula, 2, 56-67.

Debord, G. (2000). Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

Decreto n. 1.508, de 31 de maio de 1995. (1995). Brasília, DF.

Decreto n. 80.098, de 8 de agosto de 1977. (1977). Institui o Programa Nacional de Desenvolvimento do Artesanato e dá outras providências. Brasília, DF.

Decreto n. 83.290, de 13 de março de 1979. (1979). Dispõe sobre a Classificação de Produtos Artesanais e Identificação Profissional do Artesão e dá a outras providências. Brasília, DF.

Decreto n. 372.221, de 21 de março de 1991. (1991). Brasília, DF.

De Marchi, L. (2014). Análise do plano da Secretaria da Economia Criativa e as transformações na relação entre Estado e cultura no Brasil. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 37(1), 193-215.

Dussel, E. (2016). Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Sociedade e Estado, 31(1), 51-73.

Emenda Constitucional n. 71, de 29 de novembro de 2012. (2012). Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal para instituir o Sistema Nacional de Cultura. Brasília, DF.

Freeman, C. S. (2010). Cadeia produtiva da economia do artesanato: desafios para seu desenvolvimento sustentável (Monografia de MBA). Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, RJ.

Gullar, F. (1994). O artesanato e a crise da arte. Revista de Cultura, 88(4), 7-12.

Hall, S. (2003). Notas sobre a desconstrução do “popular”. In Da diáspora. Identidades e mediações culturais (pp. 247-264). Belo Horizonte, MG: Ed. UFMG.

Houaiss, A. (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.

Iamamoto, M. V. (2001). A questão social no capitalismo. Temporalis, 3, 9-32.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). IBGE investiga cultura nos municípios brasileiros Recuperado de: Censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo.html?busca=1&id=1&idnoticia=980&t=ibge-investiga-cultura-municipios-brasileiros&view=noticia.

Jeolás, L. S. (1988). Artesanato urbano: do objeto alternativo à alternativa econômica (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Lei n. 12.343, de 2 de dezembro de 2010. (2010). Institui o Plano Nacional de Cultura – PNC, cria o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais – SNIIC e dá outras providências. Brasília, DF.

Lei n. 13.334, de 13 de setembro de 2016. (2016). Cria o Programa de Parcerias de Investimentos – PPI; altera a Lei n. 10.683, de 28 de maio de 2003, e dá outras providências. Brasília, DF.

Lei nº 13.844, de 18 de junho de 2019 (2019). Estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios. Conversão da Medida Provisória nº 870, de 2019 e dá outras providências. Brasília-DF

Lévi-Strauss, C. (1985). A oleira ciumenta. São Paulo, SP: Brasiliense.

Lima, R. (2005). Artesanato: cinco pontos para discussão. Recuperado de http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/Artesanato__Cinco_Pontos_para_Discussao.pdf

Marx, K. (1975). O capital: crítica da economia política (Vol. 1). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Medida Provisória n. 870, de 1º de janeiro de 2019. (2019). Estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios. Brasília, DF.

Menezes, U. T. B. (1965, setembro). O artesanato, a manufatura e a indústria em Delos helenística. In Anais do 3o Simpósio da Associação Nacional de História (pp. 136-149). Franca, SP.

Mills, C. W. (2009a). Sobre o artesanato intelectual. In Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios (pp. 21-58). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Mills, C. W. (2009b). O ideal do artesanato. In Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios (pp. 59-65). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Ministério da Cultura. (2009). Cultura em números: anuário de estatísticas culturais. Brasília, DF: Autor.

Ministério da Cultura. (2017). Plano Setorial do Artesanato 2016-2025. Recuperado de http://antigo.cultura.gov.br/documents/10883/1473320/AF_Book_Artesanato_20x20cm2.pdf/c416c5de-706f-4125-bf92-81ecc3f94d56

Ministério da Indústria Comércio Exterior e Serviços. (2018). MDIC e Caixa firmam parceria para fortalecer artesanato brasileiro. Recuperado de http://www.mdic.gov.br/index.php/ultimas-noticias/3712-mdic-e-caixa-firmam-parceria-para-fortalecer-artesanato-brasileiro

Moraes, M. D. C. (2013). Artesanato cerâmico no bairro Poti Velho em Teresina-PI (rede sociotécnica, agenda pública, empreendedorismo e economia criativa) (Monografia de Especialização). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE.

Moraes, M. D. C. (2014, agosto). Ruralidades, cultura e desenvolvimento, no Brasil: provocações para um debate necessário. In Seminário Organização e Impactos da Cultura no Desenvolvimento Regional. Recife, PE.

Moraes, M. D. C., & Pereira, L. C. (2015, setembro). Conhecimentos em interlocuções e dissensões no artesanato cerâmico do Poti Velho, em Teresina-PI. In Anais do 5o Colóquio Internacional A Universidade e Modos de Produção do Conhecimento – Para Que Desenvolvimentos? Montes Claros, MG.

Moraes, M. D. C., & Pereira, L. C. (2012, setembro). Mulheres ceramistas do Poti Velho em Teresina: fazendo arte e narrando identidades de gênero. XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste/Pré-ALAS Brasil. Teresina, Piauí. Recuperado de http://www.sinteseeventos.com.br/ciso/anaisxvciso/resumos/GT06-11.pdf

Moura, F. J. (2001, dezembro). Obras de arte ou artesanato? Algumas considerações sobre os vasos figurados gregos. Recuperado de file:///D:/Dialnet-ObrasDeArteOuArtesanato-2226870.pdf

Nascimento, A. F. (2007, maio). Política cultural no Brasil: do Estado ao mercado. In Anais do 3o Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador, BA.

Oliveira, J. M., Araujo, B. C., & Silva, L. V. (2013). Panorama da economia criativa no Brasil (Texto para Discussão Ipea n. 1880). Brasília, DF: Ipea.

Peliano, A. M. T. M., Resende, L. F. L., & Beghin, N. (1995). O Comunidade Solidária: uma estratégia de combate à pobreza. Planejamento e Políticas Públicas, 12, 19-28.

Penna, L. (2005). Arte emocional das ceramistas, Junguiana, 23, 78-86.

Pereira, J. C. C. (1979). Artesanato: definições, evolução e ação do Ministério do

Trabalho; o Programa Nacional de Desenvolvimento do Artesanato. Brasília, DF: Ministério do Trabalho.

Pimentel, E. (2012). Uma “nova” questão social? Raízes materiais e humano-sociais do pauperismo de ontem e de hoje. São Paulo, SP: Instituto Lukács.

Plano Setorial de Artesanato. (2017). Recuperado de http://pnc.cultura.gov.br/wp-content/uploads/sites/16/2017/07/Plano-Setorial-de-Artesanato-completo-2017.pdf

Portaria n. 1.007-SEI, de 11 de junho de 2018. (2018). Institui o Programa do Artesanato Brasileiro, cria a Comissão Nacional do Artesanato e dispõe sobre a base conceitual do artesanato brasileiro. Brasília, DF.

Presidência da República. (1996). Uma estratégia de desenvolvimento social. Recuperado de file:///D:/Uma%20estrat%C3%A9gia%20de%20desenvolvimento%20social%20-%201996.pdf

Ramos, S. P. (2013). Políticas e processos produtivos do artesanato brasileiro como atrativo de um turismo cultural. Revista Rosa dos Ventos, 5(1), 44-59.

Reis, A. C. F. (2009). Economia da cultura e desenvolvimento: estratégias nacionais

e panorama global. Recuperado de http://www.gestaocultural.org.br/pdf/Ana-Carla-Fonseca-Eco-Cult.pdf

Roriz, P. C. O. (2010). O trabalho do artesão e suas interfaces culturais e econômicas.

(Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília. Brasília-DF.

Salgado, M., & Franciscatti, K. V. S. (2007, junho). Contraponto entre arte, artesanato e

trabalho: a falsa diferenciação e a atrofia da fantasia. In 2o Colóquio de Psicologia

da Arte. São Paulo, SP.

Santos, M. L. (1988). Questionamento à volta de três noções (a grande cultura, a cultura popular, a cultura de massas). Análise Social, 24(101-102), 689-702.

Sapiezinskas, A. (2012). Como se constrói um artesão: negociações de significado e uma “cara nova” para as “coisas da vovó”. Horizontes Antropológicos, 18(38), 133-158.

Saul, R. P. (2004). As raízes renegadas da teoria do capital humano. Sociologias, v. 6, n. 12, 230-273.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2013, setembro). Pesquisa O Artesão Brasileiro. Recuperado de http://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2017/04/06_-_pesquisa_-_artes_o_brasileiro.pdf

Seraine, A. B. M. S. (2009). Ressignificação produtiva do setor artesanal na década de

: o encontro entre artesanato e empreendedorismo (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Seraine, A. B. M. S. (2016). Artesanato e empreendedorismo: ressignificação produtiva do setor artesanal na década de 1990. Teresina, PI: Ed. UFPI.

Serviço Social da Indústria. (1969). Artesanato e desenvolvimento: o caso cearense. Rio de Janeiro, RJ: Autor.

Silva, M. A. B., Arruda, C. S., Rosa, A. L. S., & Dezolt, A. L. P. (2017, julho). O cenário atual das alianças público-privadas no Brasil. In 10o Congresso CONSAD de Gestão Publica. Brasília, DF.

Valiati, L., Miguez, P., Cauzzi, C., & Silva, P. P. (2017). Economia Criativa e da Cultura: conceitos, modelos teóricos e estratégias metodológicas. In L. Valiati, & A. L. Nascimento Fialho (Orgs.), Atlas econômico da cultura brasileira (Metodologia I, p. 11-30). Porto Alegre, RS: Ed. UFRGS.

Yazbek, M. C. (2001). Pobreza e exclusão social: expressões da questão social no Brasil. Temporalis, 3, 33-40.

Publicado
2020-08-03
Como Citar
Moraes, M. D., Seraine, A. B., & Barbosa, C. (2020). Artesanato e políticas públicas no Brasil:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 10(25), 159-182. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2020.10.25.3499
Seção
Artigos