Avaliando programas de microcrédito e economia solidária do Banco do Nordeste

  • Alcides Fernando Gussi Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Professor associado da Universidade Federal do Ceará- UFCagussi@uol.com.br https://orcid.org/0000-0002-5510-5286
  • Raul da Fonseca Silva Thé Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual do Ceará - UECE Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará - UFC https://orcid.org/0000-0002-0317-7077
Palavras-chave: políticas públicas, microcrédito, economia solidária, banco de desenvolvimento

Resumo

Duas experiências distintas no campo das microfinanças promovidas pelo Banco do Nordeste do Brasil são aqui avaliadas: (1) Programa Crediamigo, de microcrédito urbano produtivo orientado; e (2) Programa de Apoio a Projetos Produtivos Solidários (PAPPS), nos pressupostos da economia solidária. Para tanto, o enfoque etnográfico é apresentado como importante metodologia no desenvolvimento de processos avaliativos. Aponta-se para o alcance de sujeitos, relativamente, no mesmo grupo social, porém que se apresentam como públicos diferentes e recebem atenções, impactos e investimentos dispares sobre suas vidas e trajetórias, de acordo com os programas em que se inserem. Os resultados mapeiam como essas duas políticas, dialogam ao mesmo tempo em que diferem e se distanciam em foco e peso dados às dimensões econômicas, sociais e políticas no Nordeste brasileiro. À guisa de conclusão, evidencia-se a lógica seguida pelos programas; os impactos proporcionados na vida dos alcançados; e que qualidades, limites e possibilidades desses programas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Banco do Nordeste do Brasil. (2018). Relatório anual 2018: programas de microfinanças do Banco do Nordeste. Recuperado de http://goo.gl/OBenqD

Banco do Nordeste do Brasil. (2019). Crediamigo. Recuperado https://www.bnb.gov.br/crediamigo

Bourdieu, P. (1986). A ilusão biográfica. In Autor, Razões práticas: sobre a teoria da razão (pp. 74-82). Campinas, SP: Papirus.

Dimenstein, G. (1997, 9 de abril). Os “inempregáveis”. Recuperado de http://goo.gl/DmWQKZFurtado, C. (1997). Obra autobiográfica de Celso Furtado (Tomo II). São Paulo, SP: Paz e Terra.

Furtado, C. (1998). O capitalismo global. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Furtado, C. (2007). Formação econômica do Brasil. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Gussi, A. F. (2004). Pedagogia da experiência no mundo do trabalho: narrativas biográficas no contexto de mudanças de um banco público estadual (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Gussi, A. F. (2008). Apontamentos teóricos e metodológicos para a avaliação de programas de microcrédito. AVAL: Revista Avaliação de Políticas Públicas, 1(1), 29-37.

Gussi, A. F. (2014). Avaliação de políticas públicas sob uma perspectiva antropológica. In H. A. D. Valente, R. M. N. Prados, & C. Schmidt (Orgs.), A música como negócio: políticas públicas e direitos do autor (pp. 19-29). São Paulo, SP: Letras e Voz.

Lejano, R. P. (2011). Parâmetros para análise de políticas públicas: a fusão de texto e contexto. Campinas, SP: Arte Escrita.

Nitsch, M., & Santos, C. A. (2001). Da repressão financeira ao microcrédito. Revista de Economia Política, 21(4), 172-183.

Oliveira, C. M. S., & Vianna, P. J. R. (2010). Desenvolvimento regional: 50 anos do BNB. Fortaleza, CE: Banco do Nordeste do Brasil.

Raczynski, D. (1995). Estratégias para combatir la pobreza en América Latina: diagnóstico y enseñanzas de política. In Autor (Org.), Estrategias para combatir la pobreza en América Latina: programas, instituciones y recursos (pp. 11-42). Santiago, Chile: Corporación de Estudios para Latinoamérica.

Rist, G. (2002). El desarollo: historia de una creencia occidental. Madrid, España: Catarata.

Rodrigues, L. C. (2008). Proposta para uma avaliação em profundidade de políticas públicas sociais. AVAL: Revista Avaliação de Políticas Públicas, 1(1), 7-15.

Santos, C. A. (2007). Análise de impactos socioeconômicos do microcrédito: dificuldades metodológicas e analíticas. Revista de Administração Pública, 41(1), 147-160.

Schumpeter, J. A. (1997). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo, SP: Nova Cultural.

Schuster, C. (2015, March 30). Your family and friends are collateral: microfinance and the social. Recuperado de https://bit.ly/30Eg9jk

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Zouain, D. M., & Barone, F. M. (2007). Excertos sobre política pública de acesso ao crédito como ferramenta de combate à pobreza e inclusão social: o microcrédito na era FHC. Revista de Administração Pública, 41(2), 369-380

Publicado
2020-01-20
Como Citar
Gussi, A., & Thé, R. (2020). Avaliando programas de microcrédito e economia solidária do Banco do Nordeste. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 10(24), 164-178. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2020.10.24.2071
Seção
Artigos