Novas Comunidades:

a retomada “carismática” da tradição católica?

Palavras-chave: secularização, vida comunitária, novas comunidades

Resumo

Este estudo analisou uma das reconfigurações do religioso na sociedade moderna operadas no interior do catolicismo carismático: as chamadas Novas Comunidades. Assim, este artigo tem por objetivo apresentar o surgimento e a ação missionária das Novas Comunidades dentro do catolicismo contemporâneo, formas de vida surgidas no interior da Renovação Carismática Católica (RCC), a partir dos anos 1970, com acentuada presença no Brasil. Para tanto, inicia-se com uma discussão sociológica acerca da famigerada secularização, como consequência inelutável dos processos de modernização, da revisão desse debate e da constituição de novos laços identitários comunitários produzidos em resposta a esses processos, dentre os quais destacamos tais comunidades. Discutem-se, desse modo, os elementos constitutivos da secularização, suas relações com a modernidade, as transformações operadas no interior do catolicismo no século XX e suas respostas a tais transformações, com destaque, a nosso ver, para a RCC e as Novas Comunidades, que funcionam, sobretudo, como refúgios identitários para indivíduos cada vez mais imersos nos processos de modernização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaral, L. (2000). Carnaval da alma: comunidade, essência e sincretismo na Nova Era. Petrópolis, RJ: Vozes.

Andrade, A. L. B. (2015, 10 de janeiro). Novas Comunidades. Recuperado de https://pantokrator.org.br/po/comunidade1/novas-comunidades/

Bauman, Z. (2003). Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Berger, P. (1973). Um rumor de anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. Petrópolis, RJ: Vozes.

Berger, P. (1985). O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo, SP: Paulus.

Berger, P. (2000). A dessecularização do mundo: uma visão global. Religião e Sociedade, 21(1), 9-23.

Berger, P., & Luckmann, T. (2012). Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orientação do homem moderno (2a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Berger, P. (2017). Os múltiplos altares da modernidade: rumo a um paradigma da religião numa época pluralista. Petrópolis, RJ: Vozes.

Carranza, B. (2009). Perspectivas da neopentecostalização católica. In Carranza, B., Mariz, C., & Camurça, M. (Orgs.), Novas Comunidades Católicas: em busca do espaço pós-moderno (pp.33-58). Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Campos, Leonildo Silveira (2010). Novas Comunidades Católicas ou crise do sistema paroquial? Religião e Sociedade. 30(1):196-200.

Código de Direito Canônico (2019). São Paulo: Paulus.

De Fiores, S., & Goffi, T. (Orgs.). (1993). Dicionário de espiritualidade (2a ed.). São Paulo, SP: Paulus.

Fratres in Unum. (2011, 16 de junho). Laicizado o ex-Superior da Comunidade das Beatitudes. Recuperado de https://fratresinunum.com/2011/06/16/laicizado-o-ex-superior-da-comunidade-das-beatitudes/

Geertz, C. (2001). Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Gomes, S. S. (2008). As Novas Comunidades Católicas: rumo a uma cidadania “renovada”? (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

James, William (2017). As variedades da experiência religiosa: um estudo sobre a natureza humana. São Paulo: Cultrix.

João Paulo II (1996). Exortação Apostólica Pós-Sinodal Vita Consecrata. Recuperado de http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_25031996_vita-consecrata.html.

João Paulo II. (1998). Discurso do Papa João Paulo II aos participantes do Congresso Mundial dos Movimentos Eclesiais. Recuperado de http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/laity/documents/rc_pc_laity_doc_27051998_movements-speech-hf_po.html

Luckmann, T. (1973). La religión invisible. Salamanca, España: Sígueme.

Mariz, C. (2000). Secularização e dessecularização: comentários a um texto de Peter Berger. Religião e Sociedade, 21(1), 25-39.

Mariz, C., & Medeiros, K. M. C. (2013). Toca de Assis em crise: uma análise dos discursos dos membros que permaneceram na comunidade. Religião e Sociedade, 33(2), 141-173.

Mariz, C., & Mello, G. B. R. (2014). Insatisfações com a família e sociedades contemporâneas: uma comparação entre comunidades católicas e New Age. Estudos de Sociologia, 13(1), 49-75.

Oliveira, E. M. (2003). O mergulho no Espírito de Deus: diálogos (im)possíveis entre a RCC e a Nova Era na Comunidade de Vida no Espírito Canção Nova (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Portela, R. (2009). Em busca do dossel sagrado: a Toca de Assis e as novas sensibilidades religiosas. Tese de doutorado. UFJF, Juiz de Fora.

Prezzi, L. (2017, 3 de abril). Novas comunidades, números e desafios (tradução de Luisa Rabolini). Recuperado de http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/566507-novas-comunidades-numeros-e-desafios

Safioti, F. M. (2009). Elementos sócio-históricos da Renovação Carismática Católica. Estudos de Religião, 23(37), 216-241.

Sell, C. E. (2017). A multiplicidade da secularização a sociologia da religião na era da globalização. Política e Sociedade, 16(36), 44-73.

Sousa, R. J. (2005). Carisma e instituição: relações de poder na Renovação Carismática do Brasil. Aparecida, SP: Ed. Santuário.

Urquhart, G. (2002). A Armada do Papa: os segredos e o poder das novas seitas na Igreja Católica. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Vala, J. (1997). Psicologia social. Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian.

Weber, M. (1979). As seitas protestantes e o espírito do capitalismo. In: Weber, M. Ensaios de sociologia (4a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar (pp. 347-370).

Weber, M. (1979). Rejeições religiosas do mundo e suas direções. In: Weber, M. Ensaios de sociologia (4a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar (pp. 371-412).

Publicado
2020-08-03
Como Citar
Silva, E. (2020). Novas Comunidades:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 10(25), 35-57. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2020.10.25.2062
Seção
Artigos