Entre movimentos, linhas e formas:

o bordado na prática docente

  • Danielle Gouveia Fernandes Mestra em Humanidades – UNILAB
  • Jeannette Filomeno Pouchain Ramos Doutora em Educação – UFC e Professora do Curso de Humanidades – UNILAB https://orcid.org/0000-0002-4017-0982
Palavras-chave: arte, movimento, bordado, prática docente, pedagogia

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa empírica que adotou o bordado como ponte que integra teoria, vivência corporal e expressão gráfica em uma prática pedagógica desenvolvida em estágio docente na componente disciplinar “Corpo, Dança Afro e Educação” do curso de Graduação em Pedagogia da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Tal disciplina tem por objetivo compreender a tríade humanidade, cultura e conhecimento (Cortella, 1998) partindo da filosofia africana do batucar, cantar e dançar (Ligiéro, 2011). A discussão do papel da arte na educação e do uso do bordado como meio de expressão individual faz parte de uma abordagem que busca uma metodologia pautada pela formação integral do cidadão. Os resultados indicam que combinar conhecimento teórico, vivência corporal dos conteúdos e expressão gráfica das percepções e sensações na educação de adultos demandam uma metodologia que integre aspectos sensíveis da formação humana à prática pedagógica. Essa experiência docente ressaltou a importância do respeito ao movimento singular de aprendizagem do aluno – mesmo nos momentos em que se recusa a participar. Na abordagem adotada, a arte é indispensável para acessar conteúdos sensíveis do indivíduo, do grupo e dos conhecimentos historicamente sistematizados, indo ao encontro do que propõem Read (1986) – que entende a arte como mediadora na educação – e Ostrower (1977) – que defende ser a criatividade inerente ao ser humano em todas as esferas do viver.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alegre, S. P. (1988). Arte e ofício de artesão: histórias e trajetórias de um meio de sobrevivência (Dissertação de Mestrado). São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Blot, B. (1982). O desenho na escola primária. In L. Poucher (Org.), Educação artística: luxo ou necessidade? (pp. 108-131). São Paulo, SP: Summus.

Cortella, M. S (1998). A Escola e o Conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Cortez-Instituto Paulo Freire.

Gomes, J., Filho (2004). Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo, SP: Escrituras.

Haes, U. (2012). As cirandas de ontem e de hoje. São Paulo, SP: Antroposófica.

Jalles, A. F., & Araújo, K. B. (2011). Arte e cultura na infância. Natal, RN: Ed. UFRN.

Ligieiro, Z (2011). Corpo a corpo: estudo das performances brasileiras, Rio de

Janeiro: Garamond.

Ostrower, F. (1977). Criatividade e processos de criação. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Read, H. (1986). A redenção do robô: meu encontro com a educação através da arte. São Paulo, SP: Summus.

Steiner, R. (2012). Os doze sentidos e os sete processos vitais: conferência proferida em Dornach (Suíça), em 12 de agosto de 1916. São Paulo, SP: Antroposófica.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Fernandes, D., & Ramos, J. (2019). Entre movimentos, linhas e formas:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(23), 165-179. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.23.1284
Seção
Artigos