Arte, educação científica e política:

diálogos plurais

  • Thelma Lopes Doutora em Ciências – IOC e Professora da Fundação Cecierj
  • Monica Santos Dahmouche Doutora em Física – USP e Vice-Presidência Científica da Fundação Cecierj
Palavras-chave: arte, ciência, democracia, divulgação científica, educação científica

Resumo

Este artigo lança luz sobre a relação entre arte, educação e política, enfocando ações de educação não formal na área de divulgação científica, onde o interesse pelo diálogo entre arte e ciência é crescente. O entrelaçamento de diferentes campos do conhecimento propõe desafios específicos, dispostos em múltiplas camadas. Sejam aqueles relacionados ao status atribuído a cada campo e a consequente influência nas políticas implantadas para eles ou às estratégias pedagógicas, que devem ser concebidas de modo a considerar alfabetos próprios a cada área envolvida; ou, ainda, ao fato de vivermos em uma época na qual o paradigma dominante é o científico. O pano de fundo da discussão aqui proposta consiste em atividades desenvolvidas pelos “Espaços da Ciência” vinculados à Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj). Constatou-se que combinar arte e ciência pode contribuir para o entendimento de afetos, desafetos, emoções, princípios históricos, razões sociais, interesses políticos, inclinações partidárias e tantos outros determinantes da produção do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agostinho, M., & Casaleiro, P. (2015). Ciência e arte, SciArt: museus, laboratórios, cientistas e artistas. MIDAS, 5.

Alvarez, F. A. E. (2008). Dicionários de imagens, símbolos e mitos bachelardianos. Londrina, PR: Eduel.

Araújo-Jorge, T. C., Sawada, A., Rocha, R. C. M., Azevedo, S. M. G., Ribeiro, J. M. P., Matraca M. V. C. ... Vasconcellos-Silva, P. R. (2018). CienciArte© no Instituto Oswaldo Cruz: 30 anos de experiências na construção de um conceito interdisciplinar. Ciência e Cultura, 70(2), 25-34.

Caires, L. (2019, 20 de fevereiro). Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos. Recuperado de https://jornal.usp.br/ciencias/cientistas-e-cartunistas-se-unem-para-divulgar-ciencia-em-quadrinhos/

Casa da Ciência. (2018). Portinari: Arte e Meio Ambiente. Recuperado de http://www.casadaciencia.ufrj.br/portinari/

Comitê Nacional de Organização Rio+20. (2011). Rio+20. Recuperado de http://www.rio20.gov.br/

Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. (1988). Brasília, DF.

De Meis, L., & Rangel, D. (1998). A respiração e a primeira lei da termodinâmica. Rio de Janeiro, RJ: L. De Meis.

ERA Virtual. (2010). O Corpo na Arte Africana. Recuperado de http://eravirtual.org/o-corpo-na-arte-africana/

Ferreira, F. R. (2010). Ciência e arte: investigações sobre identidades, diferenças e diálogos. Educação e Pesquisa, 36(1), 261-280.

Feyerabend, P. (2007). Contra o método. São Paulo, SP: Ed. Unesp.

Feyerabend, P. (2011). A ciência em uma sociedade livre. São Paulo, SP: Ed. Unesp.

Freire, P. (1983). Educação e mudança. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Gadotti, M. (2005). A questão da educação formal e não formal. Bramois, Suisse: Institut International des Droits de l’Enfant.

Gardair, T. L. C., Dahmouche, M. S., & Fiães, A. (2018). Ciência e cultura: a experiência dos espaços da ciência vinculados à Fundação Cecierj. In Anais do 9o Seminário Internacional de Políticas Culturais (pp. 518-527). Rio de Janeiro, RJ.

Gardair, T. L. C., & Schall, V. T. (2009). Ciências possíveis em Machado de Assis: teatro e ciência na educação científica. Ciência e Educação, 15(3), 695-710.

Gohn, M. G. (2006). Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 14(50), 27-38.

Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. (1971). Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF.

Lexicon, H. (1990). Dicionário de símbolos. São Paulo, SP: Cultrix.

Lopes, T. (2005). Luz, arte, ciência... ação! História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 12(Supl.), 401-417.

Lopes, T. (2018a, 23 de maio). Arte e ciência: ligações necessárias. Recuperado de http://capeladaciencia.blogspot.com/2018/05/arte-e-ciencia-ligacoes-necessarias.html

Lopes, T. (2018b, 16 de dezembro). Frankenstein e a princesa da paleontologia. Recuperado de https://www.jb.com.br/pais/artigo/2018/12/965725-frankenstein-e-a-princesa-da-paleontologia.html

Moreira, L. M., & Marandino, M. (2015). O teatro em museus e centros de ciência no Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 22(Supl.), 1735-1748.

Moreira, M. A. (1999). Teorias da aprendizagem. São Paulo, SP: EPU.

Oliveira, B. J. (2006). Cinema e imaginário científico. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 13(Supl.), 133-150.

O Projeto Portinari. (2016). Portinari, Arte e Ciência. Recuperado de http://www.ccs.saude.gov.br/portinari/index.php

Root-Bernstein, R., Siler, T., Brown, A., & Snelson, K. (2011). ArtScience: integrative collaboration to create a sustainable future. Leonardo, 44(3), 192.

Serpa, F. A. (2016). A música brasileira permeada pelo universo entomológico. In Anais do 1o Colóquio de Zoologia Cultural. Rio de Janeiro, RJ.

Snow, C. P. (1995). As duas culturas e uma segunda leitura. São Paulo, SP: Edusp.

Wagensberg, J. (2006). CosmoCaixa: the total museum through conversation between architects and museologists. Barcelona, Spain: Sacyr.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Lopes, T., & Dahmouche, M. (2019). Arte, educação científica e política:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(23), 141-164. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.23.1131
Seção
Artigos