Tapeçarias de Madalena dos Santos Reinbolt:

identificação de arte e artista popular

  • Eliane Cristina da Silva Graduada em Artes Visuais pela Universidade Estadual de Maringá – UEM
  • Delton Aparecido Felipe Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Maringá – UEM e Professor na UEM
Palavras-chave: arte popular, estudos culturais, lugar de fala, tapeçaria

Resumo

Este estudo teve por objetivo compreender como a artista popular negra Madalena dos Santos Reinbolt (1919-1977) representa seu universo cultural por meio de seu trabalho em tapeçaria. Assim, este artigo: a) discute concepções de arte e artista popular a partir da lente dos Estudos Culturais; b) identifica especificidades da artista e de sua obra, de modo a saber como suas vivências se fazem presentes em suas tapeçarias; e, por fim, c) analisa duas tapeçarias expostas no Museu Afro Brasil, produzidas entre 1969 e 1975, com vistas a identificar elementos que demarcam as concepções de arte popular e artista popular. Conclui-se que as produções oriundas das camadas subalternas têm um potencial criador – portanto, esse saber tem a mesma importância de qualquer outro e estudar o lugar de fala de Madalena enquanto mulher-negra-tapeceira se mostra essencial para entender sua produção artística, pois seu processo criativo está intimamente ligado ao fato de ser mulher e negra no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu, M. (2009). Cultura popular: um conceito e várias histórias. In M. Abreu, & R. Soihet (Orgs.), Ensino de história: conceitos, temáticas metodologias (pp. 83-102). Rio de Janeiro, RJ: Casa da Palavra.

Andrade, G.E. Aspectos da tapeçaria brasileira. Rio de Janeiro: Spala, 1978.

Bulhões, M. A. (1991). Considerações sobre o sistema das artes plásticas. Porto Alegre, 2(3), 26-34.

Canclini, N. G. (1983). As culturas populares no capitalismo. São Paulo, SP: Brasiliense.

Canclini, N. G. (2011). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade (5a ed.). São Paulo, SP: Edusp.

Carneiro, S. (2009). Mulheres negras e poder. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, 1, 50-56.

Carneiro, S. (2011, 6 de março). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Recuperado de https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/

Chartier, R. (1995). Cultura popular: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, 8(16), 179-192.

Efland, A. D., Freedman, K., & Stuhr, P. (2003). La educación en el arte posmoderno. Barcelona, España: Paidós Ibérica.

Ferreira, A. H., Filho. (1994). Salvador das mulheres: condição feminina e cotidiano popular na Belle Époque imperfeita (Dissertação de Mestrado). Salvador, BA: Universidade Federal da Bahia.

Frota, L. C. (1975). Mitopoética de 9 artistas brasileiros: vida, verdade e obra. Rio de Janeiro, RJ: Fontana.

Frota, L. C. (2005). Pequeno dicionário da arte do povo brasileiro: século XX. Rio de Janeiro, RJ: Aeroplano.

Gonzales, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, 2, 223-244.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte, MG: Ed. UFMG.

Lima, R. G. (2009). Arte popular e artesanato: falamos da mesma coisa? Revista Seropédica, 31(1), 95-109.

Moniz, P. (2018). Biomas brasileiros. Recuperado de http://educacao.globo.com/biologia/assunto/ecologia/biomas-brasileiros.html

Moraes, M. (2016). Por detrás dos panos: o cotidiano das mulheres nas fábricas, nos lares e na arte. In Anais do 20o Encontro Regional de História. Uberaba, MG.

Museu Afro Brasil. (2018). Madalena dos Santos Reinbolt. Recuperado de http://www.museuafrobrasil.org.br/pesquisa/indice-biografico/lista-de-biografias/biografia/2016/10/13/madalena-dos-santos-reinbolt

Nascimento, W. S. (2008). Construindo o “negro”: lugares, civilidades e festas em Vitória da Conquista/BA (1870-1930) (Dissertação de Mestrado). São Paulo, SP: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Pasavento, S. J. (2006). Cultura e representações, uma trajetória. Anos 90, 13(23-24), 45-58.

Pelbart, P. P. (2002). Choque de civilizações, satanização do outro e chances de um diálogo universal (pp. 147-158). In L. C. Fridman (Org.), Política e cultura: século XXI. Rio de Janeiro, RJ: Relume-Dumará.

Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista. (2018). Conflitos. Recuperado de http://www.pmvc.ba.gov.br/conflitos/

Ribeiro, D. (2017). O que é lugar de fala? Belo Horizonte, MG: Letramento.

Ribeiro, D. (2018). Quem tem medo do feminismo? São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Santos, A. G., & Sanches, E. L. (2014). A estética afro-brasileira no rito nagô. Linguagem Acadêmica, 4(2), 35-66.

Santos, R. A. F. (2016). A construção da identidade afrodescendente por meio das artes visuais contemporâneas: estudos de produções e de poéticas (Tese de Doutorado). São Paulo, SP: Universidade Estadual Paulista.

Silva, A. B. (2017). Presenças e invisibilidades dos afro-brasileiros em Vitória da Conquista (Brasil). Ágora, 19(2), 138-147.

Silva, N. F. I. (2013). Museu Afro Brasil no contexto da diáspora: dimensões contra-hegemônicas das artes e culturas negras (Tese de Doutorado). Brasília, DF: Universidade de Brasília.

Souto, L. G. (2017). Diagnóstico dos indicadores socioeconômicos de Vitória da Conquista-BA. In Anais da 15a Semana de Economia. Vitória da Conquista, BA.

Publicado
2019-06-24
Como Citar
da Silva, E., & Felipe, D. (2019). Tapeçarias de Madalena dos Santos Reinbolt:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(23), 94-123. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.23.1060
Seção
Artigos