Direito e resistência: grupos de assessoria jurídica universitária popular no Ceará

  • Livia Maria Nascimento Silva Graduanda em Direito – URCA
  • Amanda Oliveira de Sousa Graduanda em Direito – URCA
  • Djamiro Ferreira Acipreste Sobrinho Doutor em Sociedade Democrática, Estado e Direito – Universidade do País Basco e Professor do Departamento de Direito - URCA
Palavras-chave: educação jurídica, extensão universitária, direito alternativo, educação popular em direitos humanos, essessoria jurídica universitária popular

Resumo

A assessoria jurídica universitária popular (AJUP) é um movimento de extensão universitária que atua junto às minorias sociais, como espaço alternativo diante do positivismo dogmático majoritário. Em tal cenário, este artigo tem por objetivo apresentar as AJUPs do Estado do Ceará, suas áreas de atuação, seus obstáculos e suas perspectivas, ressaltando os aspectos pedagógicos construtores da militância em direito. Para tanto, 3 etapas foram percorridas: a) localização dos grupos; b) aplicação de questionários; e c) participação em reuniões. Constatou-se que os 6 grupos identificados atuam em áreas diversificadas, mas eles têm em comum o método de execução da educação popular em direitos humanos e sua proximidade com os movimentos sociais. Dessa forma, as AJUPs surgem como possibilidade de ressignificação da educação jurídica, projetando uma prática mais humanizada e engajada em causas sociais.

Referências

Almeida, A. L. V. (2015). Um estalo nas faculdades de direito: perspectivas ideológicas da assessoria jurídica universitária popular (Tese de Doutorado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB.

Andrade, G. L. (2009). Ensino jurídico no Brasil? Brevíssimas anotações: do legado liberal à encruzilhada pós-moderna. Recuperado de

https://www.webartigos.com/artigos/ensino-juridico-no-brasil-brevissimas-anotacoes-do-legado-liberal-a-encruzilhada-pos-moderna/29947#ixzz5Kr9XlmAQ

Andrade, L.R. (1996). Introdução ao direito alternativo brasileiro. Livro do Advogado; Florianópolis: Unisul.

Bove, L. A. (2006). Uma visão histórica sobre o ensino jurídico no Brasil. Revista da Faculdade de Direito, 3(3), 115-138.

Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. (1988). Brasília, DF.

Fagúndez, P. R. Á. (1997). A crise do ensino jurídico. Recuperado de http://blog.newtonpaiva.br/direito/wp-content/uploads/2012/08/PDF-D3-02.pdf

Machado, A.A. (2009). O direito alternativo. Recuperado de https://avessoedireito.wordpress.com/2009/09/24/o-direito-alternativo/

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido (42 ed). Rio de Janeiro: Paz e terra.

Linhares, M. T. M. (2009). Educação, currículo e diretrizes curriculares do curso de direito: um estudo de caso (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.

Severi, F. C. (2014). Cartografia social e análise das experiências de assessorias jurídicas universitárias populares brasileiras (Relatório de Pesquisa). Ribeirão Preto, SP: Universidade de São Paulo.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
Silva, L. M., de Sousa, A., & Acipreste Sobrinho, D. (2019). Direito e resistência: grupos de assessoria jurídica universitária popular no Ceará. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(22), 188-201. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.22.1033
Seção
Artigos