Os direitos humanos no “bolsonarismo”:

“descriminalização de bandidos” e “punição de policiais”

  • Emanuel Freitas da Silva Doutor em Sociologia - UFC e Professor do Curso de Ciências Sociais - FACEDI/UECE
Palavras-chave: Direitos humanos, Democracia, Ódio, Politicamente incorreto

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar as relações entre a política de direitos humanos, tal como pensada e implementada pelos Estados contemporâneos, e suas representações vigentes. Para tanto, toma-se como corpus de análise as representações de tais direitos produzidas no Brasil a partir da atuação do então deputado Jair Bolsonaro, que construíram o denominado “bolsonarismo” e estiveram presentes em sua campanha presidencial, (re)produzindo considerável oposição ideológica a essa política, expressa sobretudo pela ideia de que “bandido bom é bandido morto”. Assim, veremos como a propaganda antidireitos humanos constitui um elemento indispensável para a compreensão da política brasileira nos dias de hoje, seja em termos eleitorais ou em termos de (não) políticas públicas.

Referências

Almeida, W. (2009, julho). A estratégia de políticas públicas em direitos humanos no Brasil no primeiro mandato Lula (2003-2006). Trabalho apresentado no 21st IPSA World Congress of Political Science. Santiago, Chile.

Bolsonaro, J. M. (2013, 8 de março). Bolsonaro e a nova comissão de direitos humanos. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=R87dhAeLzx8

Bolsonaro, J. M. (2014a, 13 de fevereiro). Jair Bolsonaro fala sobre a comissão dos direitos humanos [Arquivo de vídeo]. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=mdUSEQw-SxI

Bolsonaro, J. M. (2014b, 9 de dezembro). Dep. Jair Bolsonaro (PP) rebate a Dep. Maria do Rosário sobre discurso dos direitos humanos. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=5bquCfAxMDg

Bolsonaro, J. M. (2015, 16 de outubro). Jair Bolsonaro e a Comissão dos Direitos Humanos! Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=JzQuekwCnsg

Casara, R. R. R. (2017). Estado pós-democrático: neo-obscurantismo e gestão de indesejáveis. São Paulo, SP: Civilização Brasileira.

Cunha, M. N. (2014). O lugar das mídias no processo de construção imaginária do “inimigo” no caso Marco Feliciano. Comunicação, Mídia e Consumo, 10(29), 51-74.

Estadão Conteúdo. (2019, 2 de janeiro). Fala de Bolsonaro sobre ‘livrar’ o país do socialismo repercute no mundo. Recuperado de https://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2019/01/epoca-negocios-fala-de-bolsonaro-sobre-livrar-o-pais-do-socialismo-repercute-no-mundo.html

Jatobá, E. (2017). O cuidado para não jogar a água, a bacia e a criança. In J. Medeiros, & G. Maringoni (Orgs.), Cinco mil dias: o Brasil na era do lulismo (pp. 207-214). São Paulo, SP: Boitempo.

Kalil, I. O. (Coord.). (2018, outubro). Quem são e no que acreditam os eleitores de Jair Bolsonaro. Recuperado de https://www.fespsp.org.br/upload/usersfiles/2018/Relat%C3%B3rio%20para%20Site%20FESPSP.pdf

Kamradt, J., & Di Carlo, J. (2018). Bolsonaro e a cultura do politicamente incorreto na política brasileira. Teoria e Cultura – Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFJF, 13(2), 55-72.

Matteucci, N. (2016). Direitos humanos. In N. Bobbio, N. Matteucci, & G. Pasquino (Orgs.), Dicionário de política (13a ed., pp. 353-355). Brasília, DF: Ed. UnB.

Messenberg, D. (2017). A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros. Revista Sociedade e Estado, 32(3), 621-647.

Miguel, L. F. (2018). A reemergência da direita brasileira. In L. F. Miguel (Org.), O ódio como política: a reinvenção da direita no Brasil (pp. 17-26). São Paulo, SP: Boitempo.

Organização das Nações Unidas. (1948, 10 de dezembro). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Recuperado de https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf

Rancière, J. (2014). O ódio à democracia. São Paulo, SP: Boitempo.

Rezende, R. (2018). Jair Bolsonaro, populismo de derecha y fin de ciclo político. Revista Política Latino Americana, 7, 1-15.

Ribeiro, R. J. (2017). A boa política: ensaios sobre a democracia a era da internet. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Pinheiro-Machado, R., & Scalco, L. M. (2018). Da esperança ao ódio: juventude, política e pobreza do lulismo ao bolsonarismo. Cadernos IHU ideias, 16(278), 3-13.

Santos, B. S. (2013). Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo, SP: Cortez.

Santos, B. S., & Chaui, M. (2013). Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo, SP: Cortez.

Soares, L. E., & Guindani, M. K. (2017). Direitos humanos nos governos do PT. In J. Medeiros, & G. Maringoni (Orgs.), Cinco mil dias: o Brasil na era do lulismo (pp. 191-206). São Paulo, SP: Boitempo.

Solano, E. (2018). Crise da democracia e extremismos de direita. Análise, 42, 1-29.

Teles, E. (2018). A produção do inimigo e a insistência do Brasil violento e de exceção. In L. F. Miguel (Org.), O ódio como política: a reinvenção da direita no Brasil (pp. 65-72). São Paulo, SP: Boitempo.

Tible, J. (2018). Estamos todos en peligro: razones y perspectivas de la victoria electoral autoritaria en Brasil. Revista Política Latino Americana, 7, 1-26.

Publicado
2019-04-22
Como Citar
da Silva, E. (2019). Os direitos humanos no “bolsonarismo”:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(22), 133-153. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.22.1026
Seção
Artigos