"Não somos o caçador e sim caça"

Um olhar antropológico na perspectiva do agente penitenciário brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52521/21.10578

Palavras-chave:

Agente penitenciário, Apenados, Polícia penal, Olhar antropológico

Resumo

Este resenha apresenta uma análise antropológica na visão dos agentes penitenciários brasileiros a partir da leitura do livro digital "Na Escuridão: O Diário Obscuro de Apenados e Agentes Penitenciários", escrito por Ronai Flores Rodrigues. A obra explora os desafios enfrentados pelos agentes penitenciários na rotina diária de trabalho, bem como as suas percepções sobre os detentos e o sistema prisional brasileiro. Através dessa perspectiva, buscamos compreender melhor a dinâmica e as relações dentro do sistema prisional brasileiro, assim como os cenários dos agentes penais em relação às reformas e mudanças necessárias para melhorar o sistema.

Biografia do Autor

Francisco de Assis Cavalcante Oliveira Júnior, Universidade Estadual do Rio Grande do Norte - UERN

Mestrando em Ciências Sociais e Humanas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), linha de pesquisa Sujeitos, Saberes e Práticas Cotidianas. Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade de Fortaleza (2007), Especialização em Audiovisual em Meios Eletrônicos pela Universidade Federal do Ceará (2011) e Pós-graduação MBA em Marketing pelo Centro Universitário Estácio (2015). Tem experiência na área de comunicação e marketing, com ênfase em propaganda, comportamento do consumidor, mídia, planejamento estratégico e inbound marketing. Atualmente é membro do grupo de Pesquisa do Pensamento Complexo (GECOM/UERN), tendo como temas de interesse: comunicação, imagem e imaginário; imagem e subjetividade; imagem.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 104, de 4 de dezembro de 2019. Brasília, DF: Congresso Nacional, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc104.htm. Acessado em 19/01/2020.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. 7 ed. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Perspectiva, 2007.

NASCIMENTO, Francisco Elionardo de Melo. De carcereiro a policial penal: Entre nomenclaturas, imagem social e atribuições. Dilemas - Rev. Estud. Conflito Controle Soc., v. 15, n. 3, p. 883-910, 2022.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. O trabalho do antropólogo. 2 ed. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

RAMALHO, José Ricardo. Mundo do Crime - a ordem pelo avesso. 3 ed. São Paulo: Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, v. 1. 2002.

ROLIM, Marcos. A síndrome da Rainha Vermelha: policiamento e segurança pública no século XXI. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS PENAIS. Dados estatísticos do sistema penitenciário. Disponível em: https://www.gov.br/depen/pt-br/servicos/sisdepen. Acesso em: 04 abr. 2023.

ZALUAR, Alba. “Violência e Crime”. In: MICELI, Sérgio. (org.) O que ler na Ciência Social brasileira (1970-1995), vol. 1: Antropologia. São Paulo: Sumaré/ANPOCS, 1999.

Downloads

Publicado

2023-12-15

Como Citar

CAVALCANTE OLIVEIRA JÚNIOR, F. de A. "Não somos o caçador e sim caça" : Um olhar antropológico na perspectiva do agente penitenciário brasileiro . O Público e o Privado, Fortaleza, v. 21, n. 45, p. 257–263, 2023. DOI: 10.52521/21.10578. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/opublicoeoprivado/article/view/10578. Acesso em: 21 jul. 2024.