A Reciclagem do Lixo Eletronico como Mediador de Inclusão Digital e Educação Ambiental no Centro Cultural Bom Jardim

Autores

  • Cícero Ney Farias Mestre em Planejamento em Políticas Publicas pela Universidade Estadual do Ceará - UECE
  • Antonio Germano Magalhães Junior Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará - UFC e Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UECE

DOI:

https://doi.org/10.47455/2675-0090.2021.3.7.8316

Palavras-chave:

inclusão digital, educação ambiental, políticas públicas, sustentabilidade, lixo eletrônico

Resumo

O objetivo principal deste trabalho foi a investigação sobre a reciclagem do lixo eletrônico como mediador de inclusão digital e educação ambiental no Centro Cultural Bom Jardim, através dos cursos Metareciclar e Resíduo Tecnológico Vira Arte durante os anos de 2016 a 2018. Evidencia, também, as questões relacionadas a sustentabilidade na região do Grande Bom Jardim, tendo como base dos estudos a realização de pesquisas bibliográficas, apresentando os conceitos de inclusão digital e educação ambiental, além de algumas discussões relacionadas ao lixo eletrônico, aos riscos do incorreto descarte de seus resíduos e os problemas que deles resultam, tanto para a saúde humana quanto para o ambiente onde se está inserido. Como objetivos específicos do presente estudo está a descrição da relevância dos cursos ofertados pelo CCBJ como forma de políticas públicas e de que maneira se deu o processo de inclusão digital através da reciclagem e do reuso do lixo eletrônico nas aulas desses cursos. Por último foi traçado uma comparação com o planejado para a implementação dos cursos e o realizado. Por meio de sites, revistas anuais, planos de aula e registros dos diários de aula, assim como o Projeto Político Pedagógico, foi possível uma análise dos resultados que possibilitou uma melhor compreensão acerca dos objetivos alcançados após a implementação desses cursos.

Referências

BALBONI, Mariana Reis. Por detrás da inclusão digital: uma reflexão sobre o consumo e a produção de informação em centros públicos de acesso à internet no Brasil. São Paulo: [s.n.], 2007.

BAUMAN, Z: Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Ecodesign. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2019

CALIMAN, G. Paradigmas da exclusão social. [S.l.]: UNESCO, 2008.

CARVALHO, I. C. M. A Invenção do sujeito ecológico: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2001.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CEARÁ. Governo do Estado. Secretaria de Cultura. Mostra das Artes do CCBJ. Disponível em: <https://www.ceara.gov.br/2018/06/01/mostra-das-artes-do-ccbj-revela-a-potencia-da-cultura-no-grande-bom-jardim/>. Acesso em: 02 jun. 2019.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008 (Coleção Sociologia).

CUNHA, M. M. da S. O caos conceitual-metodológico na educação ambiental e algumas possíveis origens de seus equívocos. Ambiente e Educação, Rio Grande, v.11, 2006.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. Notas de Ana Maria Araújo Freire. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental crítica. In: LAYRARGUES, P.P. (Org.). Identidades da Educação ambiental brasileira. Brasília: MMA, 2004.

HONÓRIO, R.S. A Cultura como estratégia de combate a pobreza: a experiência do Projeto Jardim de Gente Centro Cultural Bom Jardim. 2014. 137f. Dissertação (Mestrado Profissional) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2014.

JUSTINI, A. A. H. As contribuições da inclusão digital para a inserção social: um estudo de caso no projeto estação vida. Catalão, GO: Centro de Ensino Superior de Catalão, 2008.

LAYRARGUES, P. P. Muito prazer sou a educação ambiental, seu novo objeto de estudo sociológico. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 1., 2002, Indaiatuba. Anais... Indaiatuba: ANPPAS, 2002.

LAYRARGUES, P.P. A resolução de problemas ambientais deve ser um tema-gerador ou a atividade-fim da educação ambiental? In: REIGOTA, M. (Org.). Verde Cotidiano o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP&A. 1999.

LAYRARGUES, P.P. Ecologia política, justiça e educação ambiental, crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trab. educ. saúde, Rio de janeiro, v.11, n.1, 2013.

LAYRARGUES, P.P. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

LAYRARGUES, P.P. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, F.; LAYRARGUES, P.; CASTRO, R. (Orgs.) Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: racionalidade ambienta, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Blumenau: Furb, 2000.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

LEMOS, A. Cidade digital: portais, inclusão e redes no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2007. 95

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999. 264 p. 96

LIMA, G. F. da C. Formação e dinâmica do campo da educação ambiental no Brasil: Emergência, identidades, desafios. 2005.. 187f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

LOUREIRO, C. B. F. Sustentabilidade e educação um olhar da ecologia política. Coleção questões da nossa época, São Paulo, v. 39, 2012.

LÖWY, M. Ideologias e ciência social. Elementos para uma análise marxista. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

MANZINI, Ézio. Design para inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Cadernos do Grupo de Altos Estudos, Rio de Janeiro, v.1, 2008.

MARTINS, G. A.; THEOPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MEDEIROS, M. G. L.; BELLINI, M. L. Educação ambiental como educação científica, Londrina: Eduel, 2001.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco, 2001.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1995.

ROSA, Sergio. Os ideais da Metareciclagem. 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2019

RUA, Maria das Graças. “O ciclo das políticas públicas” In: ____. Políticas públicas. Florianópolis: UFSC, 2012. p. 63-130.

RUA, Maria das Graças; ROMANINI, Roberta. “Tipologia e tipos de políticas públicas” (unidade VI). In: ____. Para aprender políticas públicas: – Volume 1 Conceito e Teorias. Brasília: IGEPP, 2014.

SANTOS, B. de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, J. C. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre: Mediação, 2008.

SÁ-SILVA, Jackson Ronie; ALMEIDA, Cristóvão Domingos, GUINDANI, Joel Felipe. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Rev. Bras. de História & Ciências Sociais, n.1, p. 1-15, jul., 2009.

SCHMITTER, Philippe C. La transitología: ciencia o arte de la democratización? In: FÓRUM OLOF PALME'S INTERNATIONAL FUNDATION SOBRE A CONSOLIDAÇÃO DEMOCRÁTICA NA AMÉRICA LATINA. 3., Barcelona. Anais... Barcelona: [s.n.], 1993.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos, 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2014

SILVA, M. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

SILVEIRA, S. A. Exclusão digital: a miséria na era da informação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu. Exclusão Digital: A miséria na era da informação. São Paulo. Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

SORJ, Bernardo. A Luta contra a Desigualdade na Sociedade da Informação. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SORRENTINO, M., TRAJBER, R., MENDONÇA, P.; FERRARO JUNIOR, L. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, 2005.

TAKAHASHI, Tadao. (Org.). Sociedade da Informação no Brasil: Livro Verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.

TOZONI-REIS, M. F. de C.; CAMPOS, L. M. L. Educação ambiental escolar, formação e formação de professores: articulações necessárias. Educar em Revista, Curitiba, n. 3, 2014.

TRAJBER, R. e MENDONÇA, P. R. (Orgs.), O que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental. Brasilia: MEC/Secad, 2006.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ. Laboratório de direitos humanos, cidadania e ética. Disponível em: <http://www.uece.br/covio/dmdocuments/regional_V.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2019

Downloads

Publicado

2021-01-04

Como Citar

Farias , C. N. ., & Magalhães Junior, A. G. . (2021). A Reciclagem do Lixo Eletronico como Mediador de Inclusão Digital e Educação Ambiental no Centro Cultural Bom Jardim. Inovação &Amp; Tecnologia Social, 3(7), 63–77. https://doi.org/10.47455/2675-0090.2021.3.7.8316

Edição

Seção

Artigos