Politícas públicas de Inclusão:

um estudo sobre a Acessibilidade Comunicacional do Sujeito Surdo na Secretaria de Estado da Educação do Estado do Amapá

Autores

  • Jamile Ruth Silva de Sena Barreto do Carmo Mestra em Planejamento e Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará - UECE
  • Vico Dênis de Souza Melo Doutor em Pós-Colonialismos e Cidadania Global pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES/UC) e Professor do Departamento de Gestão Pública da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

DOI:

https://doi.org/10.47455/2675-0090.2020.2.6.7749

Palavras-chave:

políticas públicas de inclusão, acessibilidade comunicacional, surdo

Resumo

A acessibilidade às pessoas com deficiência é um tema que vem evoluindo ao longo dos anos em virtude da luta contínua desses cidadãos por seus direitos. O engajamento do movimento das pessoas com deficiência em âmbito nacional e internacional tem influenciado na elaboração e aprovação de legislação visando efetivar a política de inclusão. Desta forma, o presente estudo descreve como está se desenvolvendo a política de acessibilidade comunicacional junto à Secretaria de Estado da Educação do Amapá enquanto órgão público, no que se refere ao atendimento do sujeito surdo. A fundamentação teórica da pesquisa está ancorada em abordagens de políticas de inclusão, no reconhecimento da LIBRAS como língua materna do surdo, considerando os aportes teóricos de Quadros, Strobel, Skliar, Goldfeld e pressupostos referente a acessibilidade sob olhar de Sassaki dentre outros autores e fontes legais que subsidiam a pesquisa. É um estudo onde expõe informações de como a Secretaria de Estado de Educação estabelece a acessibilidade comunicacional com o sujeito surdo. A pesquisa proporcionou contato com gestores, profissionais tradutores intérpretes e surdos visando buscar elementos que desvendasse o cenário real do processo de inclusão para enfrentar os caminhos para avançar na efetivação de fato das políticas públicas no Estado do Amapá. Os dados revelaram que a SEED-AP enquanto órgão que tem dentre suas finalidades, a execução, supervisão e controle da ação do Governo relativa à educação e princípios norteadores estabelecidos nas diretrizes do Plano Estadual de Educação,voltados para a difusão do respeito aos direitos humanos e à diversidade, enfrentadificuldades estruturais para cumprir com os dispositivos legais que versam sobre direitos a acessibilidade comunicacional dos surdos por meio do uso daLibras. A pesquisa apresenta evolução no que se refere à existência de legislação estadual, porém, o que ocorre na prática, é que o poder público não cumpre com o disposto na Lei 1.161/2011 que reconhece o profissional tradutor intérprete no quadro de servidores estaduais com vagas estabelecidas para contratação por meio concurso público, tampouco na Lei 2.342/2018, ao tratar da contratação desses profissionais para dar apoio à acessibilidade, aos serviços, e a atividade fim do sistema estadual de educação visando garantir os direitos dos surdos aos serviços públicos de educação.Cumpre mencionar, que como medida paliativa,a Secretaria de Estado da Educação realiza a contratação dos profissionais por meio de contratos temporários,com remuneração que não valoriza o profissional.Eno que tange o atendimento ao surdo, que necessita dos serviços no órgão público, atribui a ele a responsabilidade em levar o intérprete para estabelecer a comunicação, pois a falta de conhecimento em libras por parte dos servidores interfere na comunicação com os surdos.

Referências

AMAPÁ. Lei nº 1.611, de 30 de dezembro de 2011, onde altera a Lei nº 0949, de 23 de dezembro de 2005. Este dispositivo é importante na viabilidade da acessibilidade linguística do sujeito surdo e do reconhecimento do profissional tradutor intérprete em LIBRAS. Diário Oficial do Estado, Macapá, 30 dez. 2011. Disponível em: http://www.al.ap.govbr/pagina.php?=buscar_legislacao&Pesquisa=educa%E7%E3º. Acesso em: 20 jul. 2019.

AMAPÁ. Lei nº 1840, de 18 de novembro de 2014. Que dispõe sobre capacitação em LIBRAS para professores e profissionais da educação. Diário Oficial do Estado, Macapá, 19 nov. 2014. Disponível em: http://www.al.ap.gov.br/pagina.php?pg=buscar_legislacao&pesquisa=educa%E7%E3o. Acesso em: 20 jul. 2019.

AMAPÁ. Lei Nº 2.257, de 05 de dezembro de 2017., onde dispõe sobre alterações na estrutura organizacional da Secretaria de Estado da Educação e dá outras providências. Disponível em http://www.al.ap.gov.br/ver_texto_lei.php?iddocumento=82069

AMAPÁ. Lei nº 2.342, de 25 de maio de 2018. Altera a Lei n° 0949, de 23 de dezembro de 2005, que dispõe sobre normas de funcionamento do Sistema Estadual de Educação. Diário Oficial do Estado, Macapá, 25 maio 2018. Disponível em: http://www.al.ap.gov.br/pagina.php?pg=buscar_legislacao&pesquisa=educa%E7%E3o. Acesso em: 20 jul. 2019.

AMAPÁ. Lei nº 2.362, de 05.07.2018. Revoga o art 6º da Lei nº 2342 de 05.07.2018. Diário Oficial do Estado, Macapá, 05 jul. 2018. Disponível em: http://www.al.ap.leg.br/pagina.php?pg=buscar_legislacao&pesquisa=educa%E7%E3o Acesso em: 20 jul. 2019.

AMAPÁ. Lei nº. 0971, de 03 de abril de 2006. Revoga a Lei Estadual nº. 0910, de 01 de agosto de 2005 e redisciplina a matéria sobre os direitos das pessoas com Deficiência, no Estado do Amapá. Diário Oficial do Estado, Macapá, 03 abr. 2006.

AMAPÁ. Plano Estadual de Educação do Amapá. Macapá, 2015. Disponível em: http://www.al.ap.gov.br/pagina.php?pg=buscar_legislacao&n_leiB=1907,%20de%2024/06/15. Acesso em: 20 jul. 2019.

¬¬ AMAPÁ. Lei Nº 0834, de 27 de maio de 2004, Reconhece no Estado do Amapá, a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, como meio de comunicação objetiva de uso corrente, e dá outras providências. Disponível em:http://www.al.ap.gov.br/ver_texto_lei.php?iddocumento=19327

ALMEIDA, Ezelaide Viegas da Costa; COSTA, Sabrina Lima da. A lei de cotas e o direito ao trabalho da pessoa com deficiência. Revista Hiléia, Manaus, n. 19, jul./dez 2012.

BOTELHO, Paula. Linguagem e Letramento na Educação dos Surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 02 dez. 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm. Acesso em: 20 jul.2019.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 20 jul. 2019.

¬ BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação. . Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 25 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Decreto n° 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei Nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 22 dez. 2005. Disponível em: http://www.libras.org.br. Acesso em: 20 nov. 2013.

BRASIL. Lei nº 4.024 de 20 de dezembro de 1961. Que estabelece a Lei de Diretrizes e Bases. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 27 dez. 1961. Disponível em:https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº. 9.394 de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Decreto nº 9.656, de 27 de dezembro de 2018, dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e Altera o Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 27 dez. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marco Político-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007.

BRASIL. Decreto Legislativo nº 186, de 9 de agosto de 2008. Aprova o texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova Iorque, em 30 de março de 2007. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 10 ago. 2008. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decleg/2008/decretolegislativo-186-9-julho2008-577811-norma-pl.html . Acesso em: 24 mar. 2019.

BRASIL. Decreto Nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 26 ago. 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm Acesso em: 24 mar. 2019.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos. Avanços das políticas públicas para as pessoas com deficiência: uma análise a partir das conferências Nacionais. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Carta do Terceiro Milênio. Brasília: MEC,1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/carta_milenio.pdf. Acesso em:18 jul. 2019.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 20. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

CARVALHO, Rosita Edler. Temas em educação especial. Rio de Janeiro: WVA, 1998.

CARVALHO, Rosita Edler. Escola Inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. 5. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos Humanos sessenta anos de conquista. Revista Direitos Humanos. Brasília, v.8, n.1, p.22-27, dez. 2008.

FEMINELLA, Anna Paula; LOPES Laís de Figueirêdo. Disposições gerais da igualdade e da não discriminação e cadastro- inclusão lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência comentada. Campinas: Fundação FEAC, 2016.

FENEIS, Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos. 2006.

FREY, Klaus et al. O acesso à informação. In: SPECK, Bruno Wilhelm. Caminhos da transparência: análise dos componentes e um sistema nacional de integridade. Campinas, SP: EdUNICAMP, 2002. p. 377-408.

HÖFLING, Eloisa de Mattos. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, v.21, n. 55, p.30-41, nov. 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Cartilha do Censo 2010: pessoas com deficiência. Brasília: IBGE, 2012.

MAIOR, Izabel de Loureiro. Pessoas com deficiência e direitos constitucionais. Revista Jurídica Consulex, Brasília, v. 14, n. 326, p.32-33, 15 ago. 2010.

MARTINS, Bruno; FONTES, Fernando. Deficiência e emancipação social: para uma crise da normalidade. [S.l]: EdAlmedina, 2016.

PAULA, Ana Rita de; MAIOR, Izabel Maria Madeira de Loureiro. Um mundo de todos para todos: universalização de direitos e direito à diferença. Revista Direitos Humanos, Brasília/DF, v.6, n.1, p.22-27, dez. 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. [S.l]: ONU, 1966. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/textos/desc.html. Acesso em: 21 jul. 2019.

QUADROS, Ronice Müller. O ‘BI’ em Bilinguismo na Educação de Surdos. In: FERNANDES, Eulalia. Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre: Mediação, 2011. p. 27-37.

QUADROS, Ronice Müller de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

QUADROS, Ronice Müller de.; CAMPELLO, Ana Regina e Souza. A constituição política, social e cultural da língua brasileira de sinais - LIBRAS. In: VIEIRA, N; MACHADO, Lucyenne Matos da Costa; LOPES, Maura Corcini. Educação de Surdos: políticas, língua de sinais, comunidade e cultura surda. Santa Cruz do Sul: EdUNISC, 2010. p. 15-47.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

¬ SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação, São Paulo, v.12, n.7, p.10-16, mar./abr. 2009.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 8.ed. Rio de Janeiro: WVA, 2010.

SKLIAR, Carlos (org.). A surdez: um olhar. Porto Alegre: Mediação,1998.

SPOSÁTI, A. A inclusão social e o programa de renda mínima. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, v.22, n. 66, p. 76-90, jul. 2001.

STROBEL, K. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. 2008. 215f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: http://www.ronice.cce.prof.ufsc.br/index_arquivos/documentos/karinstrobel.pdf em: Acesso em: 08 jun. 2014.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v.8, n.16, p. 20-45, jul/dez. 2006.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

Carmo, J. R. S. de S. B. do ., & Melo, V. D. de S. . (2020). Politícas públicas de Inclusão: : um estudo sobre a Acessibilidade Comunicacional do Sujeito Surdo na Secretaria de Estado da Educação do Estado do Amapá. Inovação &Amp; Tecnologia Social, 2(6), 120–136. https://doi.org/10.47455/2675-0090.2020.2.6.7749

Edição

Seção

Artigos