Violência Escolar:

avaliação do Programa Educação para Paz nas Escolas Estaduais de Macapá/Ap

Autores

  • Maria Rosana Fonseca da Silva Mestre em Planejamento em Políticas Publicas pela Universidade Estadual do Ceará - UECE
  • Rodrigo Santaella Gonçalves Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo - USP Professor do Instituto Federal do Ceará - IFCE https://orcid.org/0000-0002-6190-8966

DOI:

https://doi.org/10.47455/2675-0090.2020.2.5.4859

Palavras-chave:

violência escolar, escola, políticas públicas, avaliação

Resumo

O presente artigo tem o intuito avaliar o Programa Educação para Paz, nas escolas Estaduais do Município de Macapá/AP. Este Programa foi criado com o intuito de sanar ou pelo menos amenizar este problema da violência escolar. Para que essas mudanças ocorram efetivamente, não basta só a inserção do Programa dentro das instituições escolares, é necessário um conjunto de fatores e parcerias para que este funcione e dê resultados positivos para a escola, pois é isso que se espera de uma política pública a eficiência e eficácia desta, para resolver ou sanar os problemas sociais. A escola precisa redimensionar o seu pensar e o seu papel no meio social, com esse papel definido a escola consegue trabalhar as questões problemáticas que a atingem, como a violência escolar. A violência escolar vem aumentando na medida em que não se tem iniciativas eficientes e eficazes para combatê-la. É necessário que haja mudanças no meio social, escolar, familiar, e de formação da identidade das nossas crianças e dos nossos jovens, para assim conseguirmos retirar esse problema de nossa sociedade. Os resultados desta pesquisa ocorreram através de aplicação de questionários e realização de entrevistas feitas com gestores, coordenadores pedagógicos, professores, alunos e funcionários em geral e análise de dados de registros da coordenação pedagógica. Para entendermos melhor sobre o tema, foi agregada as percepções dos autores como: Paulo Freire, Abramovay, Charlot, Silva, Ferreira, Garcia, Bellen, Souza, Minayo, Godoy, Cardoso e Salles, entre outros que associados a suas ideias interligam as discussões acerca do tema. Durante a pesquisa, foi observado que as três escolas possuem dificuldades em executar o Programa de forma efetiva, houve a falta de acompanhamento e apoio por parte a SEED.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam. Escola e violência. Brasília: UNESCO,2002.

¬¬¬________. Escola e violência. Brasília: UNESCO, 2003.

ADAM, Joyce Mary; SILVA, de Paula; SALLES, Leila Maria Ferreira. Jovens, violência e escola: um desafio contemporâneo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/cbwwq/pdf/silva 9788579831096.pdf.> Acesso em: 07 jan.2018.

ANUÁRIO BRASILEIRO. Brasília, 2017. Disponível em:

<http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/12/ANUARIO_11_2017.pdf>. Acesso em: 19 abr.2019.

AMAPÁ. PMAP. A Lei Complementar nº 105, de 22 de Setembro de 2017. Diário Oficial do Estado, Macapá, 22 set. 2017. Disponível em:

<https://pm.portal.ap.gov.br/conteudo/institucional/organizacao>. Acesso em: 13 jul. 2019.

_______. Plano Estadual de Educação. Macapá, 2018. Disponível em:

<https://seed.portal.ap.gov.br/leg/plano.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2018.

_______. Secretaria de Estado da Educação. Macapá: SEED, 2018. Disponível em:<https://seed.portal.ap.gov.br/>. Acesso em: 11 jan. 2018.

BAYLEY, D. Padrões de Policiamento. São Paulo: EdUSP,2001.

BORGES, C. M. F. Os professores da Educação Básica de 5ª a 8ª séries e seus saberes profissionais. 2003. 256f. Tese (Doutorado em Educação) - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2003.

BORGES, E. G. F. A violência nas escolas, o trabalho da formação ameaçado por uma questão de segurança pública. 2003. 66f. Monografia (Especialização em Criminalidade e Segurança Pública) – Centro de Estudos da Criminalidade e Segurança Pública, Universidade Federal de Minas Gerais, 2003.

BRASIL. Atlas da Violência. Brasília: IPEA, 2019. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/190605_atlas_da_violencia_2019.pdf>. Acesso em: 15 jun.2019.

CARDOSO, Ivanilda. Valores humanos: o princípio de uma educação de excelência. [S.l;s.n], 2010. Disponível em: <https://www.webartigos.com/artigos/valores-humanos-o-principio-de-uma-educacao-de-excelencia/43076>. Acesso em: 04 ago. 2019.

CARDOSO, Marcio Adriano. Paz e violência na escola: vozes, ecos e silêncios.São Leopoldo, 2012. Disponível em: <http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/4605/02d.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 24 jun. 2019.

CHARLOT, B; ÉMIN, J-C. Violences à l’ école-état das saviors. Paris: Masson & Armand Colin, 1997.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Eletrônico: século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FERREIRA, Carlos Augusto Lima. Pesquisa quantitativa e qualitativa: perspectivas para o campo da educação. Revista Mosaico, v. 8, n. 2, p. 173-182, jul./dez. 2015. Disponível em:

. Acesso em: 12 maio 2019.

FREIRE, Paulo. Educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991. Disponível em:<https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC10/10-recensoes-2.pdf>. Acesso em: 15 jul.2019.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GARCIA, Ronaldo Coutinho. Subsídios para organizar avaliações da ação governamental. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, v.7, n. 23, p. 7-70, jan./jun. 2001.

GONÇALVES, L.A.O. SPOSITO, M.P. Iniciativas públicas de redução da violência escolar no Brasil. Cad. Pesqui, São Paulo, v.45, n. 115, p. 101-138, 2002.Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/n115/a04n115.pdf>. Acesso em: 07 jun. 2019.

GUIMARÃES, Á. M. A dinâmica da violência escolar: conflito e ambigüidade. São Paulo: Campinas, 1996.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ. Disponível em:<https://www.portal.ap.gov.br/>. Acesso em: 17 jul. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: <https://www.diariodoamapa.com.br/cadernos/cidades/ibge-divulga-as-estimativas-de-populacao-dos-municipios-amapaenses-para-2018/>. Acesso em: 16 jun. 2019.

LATERMAN, I. Violência e incivilidade na escola: nem vítimas, nem culpados. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2000.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde. Londrina:[s.n], 2005. Disponível em: <http://www.londrina.pr.gov.br/dados/images/stories/Storage/sec_mulher/capacitacao_rede%20/modulo_2/205631-conceitos_teorias_tipologias_violencia.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2017.

________. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1995. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/25742/25742_5.PDF>. Acesso em: 07 abr. 2018.

MINISTÉRIO PUBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ. Escolas Restaurativas. Macapá, 2018. Disponível em: <http://www.mpap.mp.br/>. Acesso em: 11 jan. 2018.

MONITOR DA VIOLÊNCIA. Disponível em: <http://especiais.g1.globo.com/monitor-da-violencia/2018/mortes-violentas-no-brasil/#!/dados-mensais-2019>. Acesso em: 01 jul. 2019.

OLIVEIRA, Adão Francisco de. Políticas públicas educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. [S.l;s.n], 2012. Disponível em: <http://www.sinprodf.org.br/wp-content/uploads/2012/01/texto-4-pol%C3%8Dticas-p%C3%9Ablicas-educacionais.pdf>. Acesso em: 05 mar.2018.

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A PAZ. Disponível em: <http://epaz.seed.ap.gov.br/>. Acesso em: 11 jan. 2018.

SILVA. Raimundo Paulino da. A escola enquanto espaço de construção do conhecimento. Revista espaço acadêmico, v.67, n.139, p.56-58, dez. 2012.

SILVA, M. J. D. da. O papel do professor frente à violência nas escolas: uma mediação necessária. Revista Eletrônica de Ciências da Educação, Campo Largo-PR, v. 3, n. 1, p. 1-16, 2004. Disponível em: <http://revistas.facecla.com.br/index.php/reped/issue/view/57>. Acesso em: 25 maio 2019.

SOUZA. Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul/dez 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16>. Acesso em: 02 ago. 2019.

SPOSITO, Marilia Pontes. A instituição escolar e a violência. São Paulo:[s.n], 2001. Disponível em:<http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/spositoescolaeviolencia.pdf/at_download/file>. Acesso em: 06 abr.2018.

________. A Instituição escolar e a violência. São Paulo:[s.n], 1998. Disponível em:<http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/spositoescolaeviolencia.pdf/at_download/file>. Acesso em: 16 fev. 2019.

TREVISAN, A. P.; BELLEN, H. M. V. Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 3, p. 529-550, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rap/v42n3/a05v42n3.pdf>. Acesso em: 19 abr. 2019.

Publicado

2021-01-04

Como Citar

Silva, M. R. F. da, & Gonçalves, R. S. (2021). Violência Escolar:: avaliação do Programa Educação para Paz nas Escolas Estaduais de Macapá/Ap. Inovação &Amp; Tecnologia Social, 3(7), 5–19. https://doi.org/10.47455/2675-0090.2020.2.5.4859

Edição

Seção

Artigos