COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES TÉCNICAS EMPREGADAS NA CONSERVAÇÃO E MANUTENÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS

Autores

  • Patrícia Gabrielle Carneiro LIMA Medicina Veterinária, Universidade Federal de Sergipe (UFSE)
  • Lucas Piauí BARBOSA Medicina Veterinária, Universidade Federal de Sergipe (UFSE)
  • Ana Paula Alves MELO Medicina Veterinária, Universidade Federal de Sergipe (UFSE)
  • Urias Fagner Santos NASCIMENTO Doutorado em Ciência Veterinária da UFRPE
  • Ana Carolina Silveira PEREIRA Dpto de Medicina Veterinária (UFSE)
  • Jeferson Santana BRITO Laboratório de Anatomia Animal (UFSE)
  • Huber RIZZO Dpto de Medicina Veterinária da UFRPE

Palavras-chave:

Anatomia, Desidratação, Corrosão

Resumo

Dentre as diversas formas de obter a conservação de peças anatômicas para estudo, a formolização é a mais utilizada. Esta técnica altera a coloração e textura, dificultando o processo de ensino-aprendizagem. Além disso, proporciona um ambiente insalubre que pode comprometer a saúde de indivíduos expostos constantemente ao formol. Existem técnicas alternativas como a glicerinação, criodesidratação e corrosão, as quais reduzem os riscos à saúde ocasionados pela exposição aos materiais, proporcionam um ambiente livre de odores desagradáveis e facilitam a manipulação e o armazenamento das peças, quando comparadas com a formolização. O presente trabalho visa à apresentação de técnicas alternativas para a conservação e manutenção de peças anatômicas e seus devidos procedimentos, buscando a substituição da utilização do formol como forma principal de conservação. A técnica de glicerinação apresenta grande eficiência quanto à preservação das características de coloração e formato das vísceras, além de ser uma técnica de baixo custo e não apresentar riscos à saúde, assim como a técnica de criodesidratação, A criodesidratação difere em relação à tonalidade das vísceras, entretanto demonstra facilidade quanto à conservação, armazenamento e manutenção das mesmas. Já a injeção e corrosão de órgãos facilitam a visualização da arquitetura interna de órgãos ocos, além de permitir fazer o modelo de vascularização de órgãos. No entanto, esta pode ser considerada uma técnica cara a depender do polímero utilizado.

Referências

CURY, F.S.; CENSONI, J.B.; AMBRÓSIO, C.E. Técnicas anatômicas no ensino da prática de anatomia animal. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.5, n.33, p.688-696, 2013.

KARAM, R.G.; CURY, F.S.; AMBRÓSIO, C.E.; MANÇANARES, C.A.F. Uso da glicerina para substituição do formaldeído na conservação de peças anatômicas. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.36, n.7, p.671-675, 2016.

KREMER, R.; SCHUBERT, J.M.; BONFÍGLIO, N.S. Criodesidratação de vísceras do canal alimentar no preparo de peças anatômicas para estudo veterinário. PUBVET, v.5, n.13, art. 1081, 2011. In: AppData/Local/Microsoft/Windows/INetCache/Content.Outlook/WARW JCNV/Kremer%20et%20al%202011.pdf

OLIVEIRA, I.M.; MINDÊLLO, M.A.; MARTINS, Y.O.; SILVA FILHO, A.R. Análise de peças anatômicas preservadas com resina de poliéster para o estudo em anatomia humana. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v.40, n.1, p.76-80, 2013.

PEREIRA, A.P.C.; SECORUM, A.C.; ROCHA, D.P.; CONSONI, V.H.; O uso de peças anatômicas criodesidratadas no ensino de anatomia. Revista UNINGÁ, v.10, p.105-111, 2006.

RODRIGUES, H. Técnicas Anatômicas. 4ª ed., Rio de Janeiro: Gm Gráfica & Editora, 2010. 200p.

SANTOS, A.A.; SILVA, M.G.V.; SANTOS, J.L.; MELO, P.G.B.; Principais métodos de fixação de peças para estudo anatômico: Uma revisão de literatura. Arquivos do MUDI, v.21, n.1, p.19-25, 2017.

SILVA, E.M.; DIAS, G.; TAVARES, M.; MARQUES, T.; FURTADO, J.M.; Estudo analítico da técnica de glicerinização empregada para conservação de peças anatômicas – Experiência da disciplina de anatomia humanas do departamento de morfologia da UniFOA. Cadernos UniFOA, Edição Especial, p.66-69, 2008.

SILVA, D.B.; LOULY, C.C.B.; CARDOSE, J.R.; SILVA, M.S.B.; MENDONÇA. A.B.; BARBOSA, M.A.V.; ALBERNAZ, I.L.X.; ANDRADE, J.G.S.; Comparação entre as técnicas anatômicas de formolização, glicerinização e preenchimento/corrosão no sistema respiratório de cães. Colloquium Agrariae, v.13, n.2, p.124-128, 2017.

TAVANO, P.T.; OLIVEIRA, M.C.; Surgimento e desenvolvimento da ciência anatômica. Anuário da Produção Acadêmica Docente, v.5, n.3, p.73-84, 2008.

VIEIRA, I.F.; DANTAS, B.P.A.; FERREIRA, F.C.M.; CARVALGO, R.B.A.C.; FREIRA, I.B.; SILVA NETO, E.J.; Efeitos da utilização do formaldeído em laboratórios de anatomia. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, v.11, n.1, p.97-105, 2013.

Downloads

Publicado

2022-03-31

Como Citar

LIMA, P. G. C. .; BARBOSA, L. P. .; MELO, A. P. . A.; NASCIMENTO, U. F. S. .; PEREIRA, A. C. . S. .; BRITO, J. S. .; RIZZO, H. . COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES TÉCNICAS EMPREGADAS NA CONSERVAÇÃO E MANUTENÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS. Ciência Animal, [S. l.], v. 32, n. 1, p. 01–08, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/cienciaanimal/article/view/9436. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais