A ótica da seca

considerações sobre o Album da Estrada de Ferro de Baturité (1880)

Autores

Resumo

O artigo aborda a confecção de um álbum de fotografias feitas nas obras do prolongamento da Estrada de Ferro de Baturité durante a grande seca ocorrida no Ceará entre 1877 e 1879 e oferecido como artefato de celebração pela conclusão dos trabalhos da ferrovia pelo engenheiro Carlos Alberto Morsing, chefe da comissão de construção, ao monarca Pedro
II. Além da análise de algumas das fotografias do Album da Estrada de Ferro de Baturité, discute-se o significado do registro visual nas obras públicas no Segundo Reinado diante das circunstâncias críticas da seca. O artigo procura dialogar com a historiografia sobre a imagem fotográfica no século XIX e interpreta a fotografia como importante registro visual na construção do poder imperial, ao mesmo tempo que se constitui como testemunho de uma história-catástrofe.

Referências

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. Palavras que calcinam, palavras que dominam: a invenção da seca do Nordeste. Revista Brasileira de História, 15 (28), p. 111-120, 1995.

ANDERMANN, Jens. A óptica do estado: visualidade e poder na Argentina e no Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

BARBALHO, Alexandre. Corpos e mentes dilacerados: o grotesco nas imagens da seca de 1877. Trajetos - Revista de História, UFC, Fortaleza, v. 3, n. 6, p. 139-150, 2005.

BARBOSA, Marta Emisia J. Imprensa e fotografia: imagens de pobreza no Ceará entre final do século XIX e início do século XX. Revista Projeto História, PUC-SP, São Paulo, n. 24, p. 421-429, 2002.

BARTHES, Roland. A câmara clara: notas sobre a fotografia. 8a edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2022.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua possibilidade de reprodução técnica. In.:

BENJAMIN, Walter. Estética e sociologia da arte. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

CANDIDO, Tyrone A. P. Trem da seca: sertanejos, retirantes e operários (1877-1880). Col. Outras Histórias. Fortaleza: Museu do Ceará, 2005.

CANDIDO, Tyrone A. P. Proletários das secas: experiências nas fronteiras do trabalho (1877- 1919). Curitiba: Editora Appris, 2019.

CARVALHO, José dos Reis. Aquarelas e desenhos do Ceará oitocentista: o trabalho de José dos Reis Carvalho na Comissão Científica de Exploração (1859-1861). Fortaleza: IPHAN, 2016.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. A representação da natureza na pintura e na fotografia brasileiras do século XIX. In.: FABRIS, Annateresa (Org.). Fotografia: usos e funções no século XIX. 2a edição. São Paulo: EdUSP, 1998.

KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil, 1833-1910. São Paulo: Instituto Moreira Salles. 2002.

KOSSOY, Boris. Fotografia & História. 5a edição. Cotia/SP: Ateliê Editorial, 2020.

LEITE, Ary Bezerra. História da fotografia no Ceará do século XIX. Fortaleza: Editora do Autor, Museu da Imagem e do Som, 2019.

MARINHO, Pedro Eduardo M. Ampliando o estado imperial: os engenheiros e a organização da cultura no Brasil oitocentista (1874-1888). Tese de Doutorado (História Social). Niterói, RJ: Universidade Federal Fluminense, 2008.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do Estado imperial. São Paulo: HUCITEC, 1990.

MAUAD, Ana Maria. Imagem e autoimagem do Segundo Reinado. In.: ALENCASTRO, Luiz Felipe de (Org.). História da vida privada no Brasil. Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 181-232.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p. 11- 36, 2003.

NEVES, Frederico de Castro. A multidão e a história: saques e outras ações de massa no Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

NEVES, Frederico de Castro. Estranhos na Belle Epoque: a multidão como sujeito político (Fortaleza, 1877-1915). Trajetos – Revista de História da UFC, Fortaleza, v. 3, n. 6, p. 113-138, 2005.

OLIVEIRA, Eduardo Romero. Vistas fotográficas das ferrovias: a produção de registros de obra pública no Brasil do século XIX. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, v. 25, p. 695-723, 2018.

PORTO ALEGRE, Maria Sylvia. Comissão das borboletas: a ciência do Império entre o Ceará e a corte. Col. Outras Histórias. Fortaleza: Museu do Ceará, 2003.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. 2ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SMITH, Herbert H. Brazil, the Amazons and the coast. New York: Charles Scribner’s Sons, 1879.

TURAZZI, Maria Inez. Missão fotográfica: documentação e memória das obras públicas no século XIX. Cadernos de Antropologia e Imagem (UERJ), v. 8, p. 37-63, 1999.

TURAZZI, Maria Inez. A vontade panorâmica. In.: VV. AA. O Brasil de Marc Ferrez. São Paulo: Instituto Moreira Sales, 2005.

VASQUEZ, Pedro Karp. A fotografia no Império. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002. VASQUEZ, Pedro Karp. Nos trilhos do progresso: a ferrovia no Brasil imperial vista pela fotografia. São Paulo: Metalivros, 2007.

Downloads

Publicado

2023-12-08

Como Citar

CÂNDIDO, T. A. P. A ótica da seca: considerações sobre o Album da Estrada de Ferro de Baturité (1880). CENTÚRIAS - Revista Eletrônica de História, Limoeiro do Norte, v. 1, n. 3, p. 59–76, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/centurias/article/view/11496. Acesso em: 13 jul. 2024.