A partir do café, para além dele

a formação de uma tradição cafeeira na serra de Baturité a partir das relações de trabalho e das experiências dos sujeitos

Autores

Palavras-chave:

Trabalhadores, Cultura popular, Cafeicultura, Serra de Baturité, Modernização

Resumo

A cafeicultura existente na Serra de Baturité possui cerca de 200 anos e foi desenvolvida por meio das interações de muitos trabalhadores, formando uma cultura e uma dinâmica de costumes bastante específicos a partir da dimensão do trabalho. Essa tradição foi construída, em grande parte, pelas experiências de homens e mulheres que participavam de diversos momentos da cafeicultura. Porém, toda essa cultura se viu profundamente abalada quando o Instituto Brasileiro do Café passou a implementar profundas mudanças no cultivo do café na região a partir do ano de 1967, buscando uma modernização da agricultura. As práticas intervencionistas do IBC e as profundas mudanças estruturais no trato da cultura cafeeira não levaram em consideração a tradição cafeeira serrana historicamente formada, o que acreditamos ter sido o causador dos insucessos. Este artigo tem como objetivo analisar a formação da cultura cafeeira, as interações entre sujeitos e experiências sociais, levando em considerações suas práticas e costumes, bem como as intervenções implementadas pelo Instituto Brasileiro do Café (IBC) que ressignificaram as relações econômicas e não econômicas existentes.

Referências

ALCÂNTARA, Selma Maria Peixoto. Sol e Sombra: o Café do Maciço de Baturité Numa Perspectiva Ecológica e Socioeconômica. 2009. 157 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia, Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA, Fortaleza-CE, 2009.

ALVES, G. A ironia da modernização: o “sujeito” capital como estranhamento universal. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 2, n. 2, 2007. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/956. Acesso em: 24 jan. 2023.

AMORIM, Mônica Alves. A paisagem como instrumento de valorização de produtos de montanha: a experiência do café sombreado do maciço de Baturité, Ceará. 2019. 100 f. Tese (Doutorado em Ciência, Tecnologia e Inovação Agropecuária). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, RJ. 2019.

AMORIM, M. A.. ASSIS, R. L. DE. A experiência de produção de café na Serra de Baturité – Ceará: aprendizado empírico e os reveses causados pelas políticas cafeeiras do Brasil. Boletim de Geografia, v. 39, p. 459-476, e61711, 21 abr. 2022.

BASTOS, Frederico de Holanda. Guaramiranga: Caminhos para o planejamento e gestão ambiental. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011. 140p.

CAMPOS, José Arimatéia. Aspectos histórico-econômicos, geoambientais e ecológicos do Maciço de Baturité. Fortaleza: CEPEMA, 2000.

CATÃO, Pedro. Baturité (Subsídio Geográfico, Histórico e Estatístico). Revista do Instituto do Ceará. Fortaleza, t. LI, 1937, p. 63.

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia a República: momentos decisivos. 9. ed. São Paulo: UNESP, 2010. P. 273-344.

DALASTRA, Fernando Galant. Sombreamento arbóreo na produção do café. 2014. 29 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Agronômica) - Universidade Federal de Grandes Dourados, Dourados - MS, 2014.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. 1. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2004.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 14. ed. atual. e aum. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

GIRÃO, Raimundo. História Econômica do Ceará. 2ª edição. Fortaleza: UFC, 2000.

LAFER, Celso. (1973). O convenio internacional do café. In: Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 68(2), 285-340.

LEAL, Vinícius Barros. História de Baturité, época colonial. [S.l.]: SECULT, 1980. p. 85.

LIMA, Pedro Airton de Queiroz. À sombra das ingazeiras: o café na Serra de Baturité (1850-1900).. 168 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

MARTINS, Ana Luiza. História do Café. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014. 316 p.

MEIHY, José Carlos e HOLANDA, Fabíola. História oral – como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2010.

NATIVIDADE, Melissa de Miranda. Aliança para o Progresso no Brasil: influência estadunidense na educação e pesquisa para o campo (1961-1970). Orientador: Sonia Regina de Mendonça. 2018. 362 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2018.

OLIVEIRA, Francisca Leiliane Sousa de. Avaliação e mapeamento dos impactos nos sistemas ambientais no Maciço de Baturité: O caso do Município de Pacoti, CE. 2012. 145 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

SAES, Maria Sylvia Macchione. A racionalidade econômica da regulamentação no mercado brasileiro do café. 1995. Tese (Doutorado em Economia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995. P. 53-61.

___________________________. SOUZA M. C. M. de. OTANI, M. N. Equívocos de Pacotes Tecnológicos: O Exemplo de Baturité. Instituto de Economia Agrícola. 2002. Disponível: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=261. Acesso em: 10 de janeiro de 2021.

SALES, Francisco Levi Jucá. Pacoti: História e Memória. Editora Premius. Fortaleza, 2014

SANTOS, Roseli Alves dos. O processo de modernização da agricultura no sudoeste do Paraná. 2008. Tese (Doutorado em Geografia) - Programa de Pós graduação em Geografia UNESP, [S.l.], 2008.

SCHWARZ, Alf. Lógica do desenvolvimento do Estado e lógica camponesa. Tempo soc., São Paulo, v.2, n.1, p.75-114, junho de 1990. Disponível em: https://doi.org/10.1590/ts.v2i1.84788. Acesso em 10 Dez. 2021

SILVA, José Graziano da. A Modernização Dolorosa: Estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. 2. ed. Zahar, Rio de Janeiro, 1982.

SILVA, Lucas F.. CORTEZ, José G. A Qualidade do Café no Brasil: histórico e perspectivas. Brasília: Cadernos de Ciência e Tecnologia, v.15, n.1, p.65-91,jan./abr., 1998.

SORJ, B. Estado e classes sociais na agricultura brasileira [online]. rev. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. 135 p. ISBN: 978-85-9966-228-1. Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>.

SOUZA, Nidyane Costa de. Avaliação da rentabilidade do café ecológico, sob condições determinista e de risco: O caso da APA de Baturité. 2008. 131 f.: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Ceará. Mestrado Acadêmico em Economia Rural (MAER). Centro de Ciências Agrárias. Fortaleza-CE. 2008.

STUDART, Barão de. Ligeiras notas sobre o café no Estado do Ceará. In: Revista do Instituto do Ceará, t. XLII. Fortaleza: Instituto do Ceará, 1928. p. 93-102

THOMPSON, E. P. A Miséria da Teoria. Rio: Zahar, 1981

THOMPSON, E. P. A peculiaridade dos ingleses e outros artigos. Negro, A.L. e Silva, S. (orgs). Campinas, SP: Unicamp, 2012. 286 p.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. 493p.

VALE, A. R. do. AMARAL, J. D. F. do. RAIMUNDO, G. Traçando o perfil das mulheres da agricultura familiar produtora de café orgânico no município de Poço Fundo-MG. Revista Campo-Território, Uberlândia-MG, v. 15, n. 36 Jul., p. 36–55, 2020.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e Materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011. 420p.

WOLFART, Cintia. “O novo já nasce velho”: os clubes 4-S e a modernização da agricultura no Oeste do Paraná (1950-1980). 2017. 269 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, 2017.

Downloads

Publicado

2023-12-08

Como Citar

MORAIS, L. N. de. A partir do café, para além dele: a formação de uma tradição cafeeira na serra de Baturité a partir das relações de trabalho e das experiências dos sujeitos. CENTÚRIAS - Revista Eletrônica de História, Limoeiro do Norte, v. 1, n. 3, p. 107–123, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/centurias/article/view/11202. Acesso em: 13 jul. 2024.