O SABER FAZER DO QUEIJO COALHO DE JAGUARIBE-CEARÁ: SITUANDO O OBJETO, DEFINIÇÕES, NOÇÕES E PERSPECTIVAS

  • Ivaneide Barbosa Ulisses
Palavras-chave: Patrimônio, narrativa, saber fazer.

Resumo

O presente texto trata de como entendemos o processo no qual produtores de queijo artesanal do
município de Jaguaribe–CE, passaram/passam, desde as últimas décadas do século XX, em
busca de adaptar suas produções às chamadas “Boas Práticas de Fabricação”, e como
utilizaram/utilizam a perspectiva da ”patrimonialização” do “saber-fazer” como elemento
distintivo no mercado dos produtos artesanais. Ressaltamos como agentes públicos de diferentes
áreas do conhecimento investiram para além das suas funções técnicas, interferindo na
elaboração de significados e interpretações sobre “preservação e memória”, “tradição e o fazer
local”. Procuramos compreender e apresentar a existência dialogal entre os sujeitos da cadeia
produtiva do queijo artesanal por meio de uma narrativa prévia de tradição, memória, artesanal e
cultural, com elementos passíveis para “patrimonializar” os bens culturais, dentre eles o saber
fazer do queijo como um alimento-monumento. Procuramos perceber como os agentes públicos
se imbuíram de uma configuração narrativa de intelectuais do começo do século XX, narrativa
reapropriada em diferentes marcos temporais como nos anos 1970 e nos tempos atuais.

Publicado
2017-12-20