O (DES) Uso da Política de Gestão Ambiental como Forma de Racionalização do Gasto na Universidade Federal do Amapá

Autores

  • José Pery dos Anjos Lobato Junior Mestre em Planejamento em Políticas Publicas pela Universidade Estadual do Ceará - UECE
  • Alexandre Gomes Galindo Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará - UFC e Professor Adjunto da Universidade Federal do Amapá – UNIFAP

DOI:

https://doi.org/10.47455/2675-0090.2021.3.7.8319

Palavras-chave:

políticas públicas, gestão ambiental, sustentabilidade

Resumo

Com o aumento dos problemas ambientais a gestão ambiental tem ocupado papel de relevância nos debates mundiais, fato este decorrente do consumo excessivo dos recursos naturais que dão suporte a vida do homem no planeta. Dessa forma, a gestão ambiental deixou de ser uma discussão de importância secundária, assumindo destaque tanto esfera privada como esfera pública. Na universidade que profissionais de inúmeras áreas se desenvolvem, dirigem, gerenciam, trabalham e influenciam as organizações da sociedade, por isso, tem um papel tão importante na sociedade pela formação e conscientização de indivíduos e futuros profissionais, preocupados com a preservação do meio ambiente. O cenário de estudo adotado foi a Universidade Federal do Amapá, Campus Marco Zero, localizado na da cidade de Macapá, estado do Amapá. A metodologia adotada neste trabalho foi realizada, inicialmente, em livros, artigos científicos, publicações eletrônicas e outros, caracterizando uma pesquisa bibliográfica. A não adesão da instituição a A3P demonstra que a instituição não priorizou o debate das questões ambientais no seu cotidiano.  Desta forma, conclui-se que parte das ações implementadas é para cumprir com marcos legais impostos pela União.

Referências

ALBERTO, Jorge Luís Moreira; BALZAN, Newton César. Avaliação de projeto político-pedagógico pelos funcionários: espaços e representatividade. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 13, n. 3, p. 745-770, nov. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141440772008000300007&script=sci_abstract&tlng=pt >. Acesso em: 03 set. 2019.

AMARAL, M. D. B. Dinâmicas econômicas e transformações espaciais: a metrópole de Belém e as cidades médias da Amazônia Oriental – Marabá (PA) e Macapá (AP). 2010. 347 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - ANDIFES. CLIV reunião ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES. [S.l]: ADIFES, 2016. Disponível em: http://www.andifes.org.br/wp-content/uploads/2017/03/CLIV-reuni%C3%A3o Ordin%C3%A1ria-do-Conselho-Pleno-da-Andifes.pdf. Acesso em: 16 abr.2017.

BARATA, Martha Macedo de Lima. O setor empresarial e a sustentabilidade no Brasil. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v.1, n.8, p.44-47, set. 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=441742831006 . Acesso em: 20 fev. 2019.

BARBIERI, José Carlos. Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva, 2007.

BARBIERI, José. Carlos. Políticas públicas indutoras de inovações tecnológicas ambientalmente saudáveis. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.31, n.2, p.135-52, mar-abr, 1997.

BATISTA, Fábio Ferreira. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. [S.l: s.n], 2012.

BECKER, Bertha. K. Revisão das políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Modelos e cenários para a Amazônia: o papel da ciência. Ministério da Ciência e Tecnologia. Parcerias Estratégicas, v.5, n. 12, p. 135-159, set. 2001.

BEZERRA, Maria do Carmo de Lima. Planejamento e Gestão Ambiental: uma abordagem do ponto de vista dos instrumentos econômicos. 195f. 1996. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Instituição de Ensino, Universidade de São Paulo, São Paulo,1996.

BUARQUE, Sérgio C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CAMPOS, Ana Luiza Garcia. Políticas Públicas Ambientais: conservação da biodiversidade e gestão dos serviços ecológicos. 2013. 26 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Programa de Pós-graduação em Direito, Departamento de Direito Econômico, Financeiro e Tributário, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CAMPOS, Lucila Maria de Souza et al. Sistema de gestão e avaliação de desempenho ambiental: uma proposta de implementação. [S.l]: SGADA, 2001.

CHAGAS, Marco Antonio. Gestão Ambiental no Amapá: evolução e contribuição do Subprograma de Política de Recursos Naturais do PPG7. 2003. 154f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável).Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

CHAUI, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Conferência de abertura da 26ª reunião anual da ANPED. Poço de Caldas, 05 de out. 2003. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/26/marilenachauianped2003.doc. Acesso em: 25 ago. 2011.

CHAVES, Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues; RODRIGUES, Débora Cristina Bandeira. Desenvolvimento sustentável: limites e perspectivas no debate contemporâneo. Interações, Campo Grande, v. 8, n. 13, p.55-59, 2016.

CORRÊA, V. A. As instituições de ensino superior e a gestão ambiental. Porto Alegre: [s.n], 2004.

COSTA, M.C.L. Do Higienismo ao ecologismo: os discursos sobre o espaço e o urbano: temas para debates. Fortaleza: EdUFC, 1997.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez, 2003.

FOCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FLORIANO, Eduardo P. Políticas de gestão ambiental. 3. ed. Santa Maria: Anorgs, 2007.

FOUTO, A. R. F. O papel das universidades rumo ao desenvolvimento sustentável: das relações internacionais às práticas locais. [S.l: s.n], 2002. Disponível em: http://campus.fct.unl.pt/campusverde/W_RIA_ARFF.doc. Acesso em: 08 jul. 2017.

GALINDO, Alexandre Gomes. Participação social no desenvolvimento de políticas públicas no estado do Amapá: um olhar sobre a elaboração e execução do plano plurianual de Macapá-AP no período de 2013 a 2016 – Macapá : UNIFAP, 2017. 330p.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

GODARD, Olivier. A gestão integrada dos recursos naturais e do meio ambiente: conceitos, instituições e desafios de legitimação. In: VIEIRA, Paulo Freire; WEBER, Jacques. Gestão de Recursos Naturais Renováveis e Desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

GONÇALVES, Idomar Sá; GONÇALVES, Vanda Lúcia Sá. Políticas públicas, percepção e gestão ambiental. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, Macapá, v.9, n. 5, p.167-177, 2013.

O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS – IBAMA. GEO Brasil 2002: perspectivas do meio ambiente no Brasil 2002. Brasília: EdIBAMA, 2002.

JACOBI, Pedro. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cad. Pesqui., São Paulo, v.8, n.118, p.189-206, mar. 2003 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010015742003000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 13 mar. 2019.

KRUGER, Silvana Dalmutt et al. Gestão ambiental em instituição de ensino superior: uma análise da aderência de uma instituição de ensino superior comunitária aos objetivos da agenda ambiental na administração pública (A3P). Revista GUAL., Florianópolis, v. 4, n. 3, p. 44-62, set./dez., 2011.

LIMA, Kátia. Aumento de vagas docentes não cobre expansão. Revista Andes Especial, Brasília, n. 3, p. 94-97, abr. 2013.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda Ambiental da Administração Pública.

LOPES, Fernando Dias. Teoria institucional e gestão universitária: uma análise do processo de avaliação institucional na UNIJUÍ. Revista Eletrônica de Administração–READ, Porto Alegre, v. 5, n. 4, p.88-89, 1999.

MACEDO, Renato Luiz Grisi. Percepção e Conscientização Ambiental. Lavras/MG: EdUFLA/FAEPE, 2000.

MARTENS, Ana Elizabeth. Gestão Estratégica em Universidades. [S.l: s.n], 2014.

MARTINS, V. L., SANTOS, J. Primeiros discursos: Uma A3P Participativa na Universidade Federal da Paraíba, CAMPUS IV LN – Rio Tinto. X Congresso de Ecologia do Brasil, São Lourenço – MG, 16 a 22 de Setembro de 2011.

MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: a gestão ambiental em foco: doutrina, jurisprudência, glossário. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

MORAIS, Reinaldo Carvalho de et al. Eficiência do gasto público em educação fundamental nas prefeituras mineiras: uma abordagem via análise envoltória de dados. [S.l: s.n], 2009.

MIMAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MINISTÉRIO DE MEIO AMBIENTE. Agenda Ambiental na Administração Pública. 5. ed. Brasília: MMA, 2009. Disponível em:http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/a3p. Acesso em: 16 maio 2019.

NETO, Alexandre Shigunov; CAMPO-S, Lucila Maria de Souza; SHIGUNOV, Tatiana. Fundamentos da Gestão Ambiental. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2009.

OTERO, Gabriela Gomes Prol. Gestão Ambiental em Instituições de Ensino Superior: práticas dos Campi na Universidade do Estado de São Paulo. 2010. 165f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente) – Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.iee.usp.br/producao/2010/Teses/OTERO_2010.pdf. Acesso em: 14 abr.

PORTO, J. L. R. Desenvolvimento Geográfico Desigual da faixa de fronteira da Amazônia setentrional brasileira: reformas da condição fronteiriça amapaense (1943- 2013). Blumenau: EdFURB/PPGDR, 2014.

PRESTES, Maria Luci de Mesquita. A pesquisa e a construção do conhecimento científico. São Paulo: Ed.Respel, 2002.

PRICE WATERHOUSE GEOTÉCNICA - FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL DO IBAMA. Cenários de Gestão Ambiental Brasileira: relatório final. Brasília, IBAMA, 1992.

SANTANA, Eliane Santos de; LIMA, Elisenia de Carvalho; SANTOS, Betisabel Vilar de Jesus. Práticas de educação ambiental projeto: escola e comunidade cuidando do meio ambiente. Caderno de Graduação- Ciências Humanas e Sociais – UNIT, Aracaju, v. 1, n.16, p. 59-71, mar. 2013.

SANTOS, Murillo Giordan; BARKI, Teresa Villac Pinheiro (Coord.). Licitações e Contratações Públicas Sustentáveis. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

SOUZA, Narda Margareth Carvalho Gomes de. Gestão ambiental pública na Amazônia brasileira: uma análise do projeto de gestão ambiental integrada no estado do Pará. [S.l: s.n], 2013.

RUA, Maria das Graças. Políticas públicas. 3. ed. Florianópolis : EdUFSC, 2014.

TAUCHEN, J. A. Gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Revista Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p. 503-515, set./dez. 2006.

TAVARES, Everkley Magno Freire. Avaliação de políticas públicas de desenvolvimento sustentável: dilemas teóricos e pragmáticos. HOLOS, v. 1, n.9, p. 120-129, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. Relatório de Gestão do

Exercício 2014. Macapá: UNIFAP, 2014. Disponível em: http://www2.unifap.br/deplan/files/2011/08/Relat%C3%B3rio-de-Gest%C3%A3ode-2014-UNIFAP.pdf. Acesso em: 16 abr.2017.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

Downloads

Publicado

2021-01-04

Como Citar

Lobato Junior, J. P. dos A. ., & Galindo, A. G. . (2021). O (DES) Uso da Política de Gestão Ambiental como Forma de Racionalização do Gasto na Universidade Federal do Amapá. Inovação &Amp; Tecnologia Social, 3(7), 32–52. https://doi.org/10.47455/2675-0090.2021.3.7.8319

Edição

Seção

Artigos