A inovação das redes socioassistenciais nos novos formatos de inclusão e sustentabilidade social

Autores

  • Cristina Nunes de Oliveira Mestra em Planejamento e Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará - UECE e Professora do Mestrado Profissional em Planejamento em Políticas Públicas da Uece
  • Rodrigo Santaella Gonçalves Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo - USP Professor do Instituto Federal do Ceará - IFCE

DOI:

https://doi.org/10.47455/2675-0090.2020.2.6.7747

Palavras-chave:

marco regulatório, sociedade civil, fortalecimento, cidadania, assistência social

Resumo

O Estudo analisa a gestão social das organizações das entidades sócio assistenciais, que atuam como suporte no seguimento da assistência social no Amapá, a partir de dois dos seus maiores municípios: Macapá e Santana. Abordamos sobre os desafios enfrentados por estas organizações, relacionados ao aquecimento, com recorte na Lei 13.019.2014, Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil- MROSC, trata-se da lei com uma agenda ampla, que vem se afirmando com Lei de Fomento e Sustentabilidade, trazendo várias oportunidades para estas organizações. O Marco Regulatório surge como novo modelo de gestão social que visa fomentar, fortalecer financeiramente e proporcionar segurança jurídica nas parcerias entre estado e outras instituições. Apontamos os múltiplos desdobramentos das OSCs, apresentando indicativos como geração de emprego e renda, como também o processo de construção da cidadania participativa, e não meramente prestação de serviços. Ressaltamos a importância em desenvolver uma das missões mais importante da Secretaria de Estado de Inclusão e Mobilização Social – SIMS, na perspectiva da promoção das organizações sociais na construção e implementação desta política. O grande desafio é garantir a sustentabilidade e a autonomia das instituições, a fim de potencializar suas capacidades propositivas na relação com poder público e privado, gerando cidadania, capacidade empreendedora, mais inclusiva, plural e igualitária.

 

Referências

BOTELHO, A. P; MORAES, M. C. M. B; LEITE, L. C. Violências e riscos psicossociais: narrativas de adolescentes abrigados em Unidades de Acolhimento do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.20, n.1, p.07-16, 2015.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 06 jul. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03_Ato2015-20188/2015/Lei/L13146.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Orientações Técnicas do Centro de Referência de Assistência Social. Brasília: MDS, 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Capacitação do SUAS. Brasília, DF: MDS, 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Lei Orgânica da Assistência Social – Lei do SUAS. Brasília: MDS, 2011.

BRASIL. Lei Federal nº 13.019, de 31 de julho de 2014. Estabelece o regime jurídico das parcerias entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público e recíproco, mediante a execução de atividades ou de projetos previamente estabelecidos em planos de trabalho inseridos em termos de colaboração, em termos de fomento ou em acordos de cooperação... Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 01 ago. 2014. Disponível em: . Acesso em; 22 set.2019.

BRASIL. Lei Federal nº12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 18 nov. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de junho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 13 jun. 1990.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Caderno de Estudos do Curso de Indicadores para Diagnóstico do SUAS e do Plano Brasil sem Miséria - Brasília, DF: MDS, 2013.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Educação Permanente do SUAS. Brasília: MDS, 2013.

BRAVO, I. S. Serviço Social e Saúde: política de saúde no Brasil, 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

CAVALCANTE, L. I. C; MAGALHÃES, C. M. C; PONTES, F. A. R. Abrigo para crianças de 0 a 6 anos: um olhar sobre as diferentes concepções e suas interfaces. Revista Mal Estar e Subjetividade, v.7, n.2, p.329-352, 2007.

CAZZOLATO, N. K. As Dificuldades de Gestão das Organizações Não-Governamentais. São Paulo: UNESP, 2008.

CECCONELLO, A.; KOLLER, S. Competência social e empatia: Um estudo sobre resiliência com criança em situação de pobreza. Estudos de Psicologia, v.5, n.1, p.71-97, 2000.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991.

CHOMSKY, Noam. Réquiem para o sonho americano: os 10 princípios de concentração de riqueza e poder. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

MACHADO, A. M. B. O percurso histórico das ONGs no Brasil: perspectivas e desafios no campo da educação popular. João Pessoa: [s.n], 2012.

MARX, K. Glosas críticas marginais ao artigo “O rei da Prússia e a reforma social”. De um prussiano. Práxis, v.8, n.5, p.33-38, out. -dez. 1995.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

Oliveira, C. N. de, & Gonçalves, R. S. . (2020). A inovação das redes socioassistenciais nos novos formatos de inclusão e sustentabilidade social. Inovação &Amp; Tecnologia Social, 2(6), 74–94. https://doi.org/10.47455/2675-0090.2020.2.6.7747

Edição

Seção

Artigos