As Faces do Diabo

os rostos por trás das m´´ascaras

Autores

Palavras-chave:

Diabo. Igreja católica. Imaginário.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir a forma como, historicamente, as faces do diabo foram construídas, ou seja, como novos sentidos passaram a serem a ele atribuídos. Para tanto, o trabalho foi dividido em três breves tópicos. No primeiro, buscamos lançar um olhar sobre as representações do mal no mundo antigo, em religiões que antecedem o cristianismo. No segundo tópico, veremos o papel que o diabo assume segundo o roteiro bíblico cristão, entendido como um elemento fundamentalmente necessário para antagonizar com o bem (Deus), construindo os limites entre o bem e o mal. No terceiro tópico, exploraremos as representações imagéticas do diabo, cujas faces horrendas, pintadas em telas, passaram a compor uma parte importante do imaginário dos sujeitos, uma espécie de apelo aos olhos para que a face do “tenebroso” personagem passasse a ser lembrada.

Referências

CORDEIRO, José Lucas Fernandes. “In sorte diaboli”: A prática de demonização do cristianismo medieval. Anais do III Seminário Internacional História e Historiografia. X Seminário de Pesquisa do Departamento de História - UFC Fortaleza, 01 a 03 de outubro de 2012

COSTA, Ricardo. Ali haverá pranto e ranger de dentes O Inferno na Arte e na Filosofia da Idade Média. Santo André, Armado. 2019.

ECCEL, Jordana Schio. A iconologia do opositor: o diabo nas pinturas do último julgamento. UFMS. 2017.

FERRAZ, Salma. Os Marginais na Bíblia: Lúcifer e Madalena. Estação literária, Londrina, Volume 12, p.143-164, Jan. 2014.

GOMES, Rafael dos Santos. Qual a face do mal? As concepções sobre o diabo na historiografia contemporânea. Orientador: Prof. DR. Bruno Gonçalves Alvaro. 2018. 68 f. TCC (Graduação) - Licenciatura em História. Departamento de História da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

LIMA, Francisco Welligton Rodrigues. As representações do diabo no teatro vincentino e seus aspectos residuais no teatro quinhentista do padre José de Anchieta e Ariano Suassuna. Dissertação mestrado, UFC. Fortaleza, 2010.

LINK, Luther. O Diabo: A máscara sem rosto. Tradução: Laura Teixeira Motta. São

Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MESSADIÉ, Gerald. História geral do diabo da antiguidade à época contemporânea. Publicações Europa/América. 1993.

MINOIS, Georges. O Diabo: origem e evolução histórica. Lisboa: Terramar, 2003.

MUCHEMBLED, Robert. Uma História do diabo. MAUAD, Jan. 2002.

MUCHEMBLED, Robert. Uma História do diabo. MAUAD, Jan. 2002.

NOGUEIRA, Carlos Roberto Ferreira. O diabo no imaginário cristão. 2° edição. Bauru, São Paulo. EDUSC, 2002.

RENATO, Marcos Holtz de Almeida. O Diabo e a Indústria Cultural: as diversas faces da personificação do mal nas telas de cinema. Revista Nures no. 16, Núcleo de Estudos Religião e Sociedade – Pontifícia Universidade Católica – SP. Setembro/Dezembro 2010

RYRIE, Charles C. A Bíblia anotada: edição expandida / Charles C. Ryrie. - Ed. rev. e expandida - São Paulo: Mundo Cristão; Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2007. 1504p.

VISSIÉRI, Laurent. Personagem em metamorfose. História VIVA: sob a sombra do diabo. p.8-9. 2008.

Downloads

Publicado

2023-12-08

Como Citar

FRANCO, D. S. As Faces do Diabo: os rostos por trás das m´´ascaras. CENTÚRIAS - Revista Eletrônica de História, Limoeiro do Norte, v. 1, n. 3, p. 45–58, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/centurias/article/view/11608. Acesso em: 13 jul. 2024.