Sequências de Formação no Ensino de Língua Estrangeira

Instrumentos Mediadores para Desenvolvimento de Saberes Docentes

  • Marileuza Ascencio Miquelante
  • Vera Lucia Lopes Cristovão
Palavras-chave: Formação Inicial de Professores de Língua Inglesa, Sequências de Formação, Saberes e Capacidades Docentes

Resumo

A formação inicial de professores de Língua Inglesa tem sido desafiadora. Nesse contexto, investiguei como se configuram a mobilização das Capacidades de Linguagem (CL) e dos Saberes e das Capacidades Docentes (CD) quando mediadas por elementos que constituem o Sistema de Atividade Docente. Para isso, pautei-me no Interacionismo Sociodiscursivo (ISD) e na Teoria Histórico-Cultural. Utilizei o Experimento Didático-Formativo enquanto metodologia de pesquisa, tendo as CL, as CD e os tipos de correção como critérios para análise dos Planos de Ensino, das Sequências de Formação e Didáticas – produzidas e implementadas, das produções escritas, das transcrições e dos diários de aulas. Os resultados permitem dizer que o ensino sistematicamente organizado constitui-se como grande mediador para o desenvolvimento das CL e potencializam a mobilização das CD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, O. F. O Experimento Didático-Formativo: contribuições para a pesquisa em didática desenvolvimental. In: Encontro nacional de didática e prática de ensino. Fortaleza: Eduece, 2015.
BASSO, E. A. A construção social das competências necessárias ao professor de língua estrangeira: entre o real e o ideal – Um curso de Letras em estudo. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada) v. 1. – Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2001.
BRONCKART, J-P. Atividade de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. 2. ed. São Paulo: EDUC, 1999/2007.
CRISTOVÃO, V. L. L.; et al. Uma proposta de planejamento de ensino de língua inglesa em torno de gêneros textuais. Letras (UFSM), v. 20, p. 191-215, 2010.
______; STUTZ, L. Sequências Didáticas: semelhanças e especificidades no conteúdo francófono como L1 e no contexto brasileiro como LE. In: Szundy, P.T.C.; Araújo, J. C.; Nicolaides, C. S; Silva, R. A. (orgs.). Linguística aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas: Pontes Editores, 2011, v1, p.17-40.
DAVYDOV, V. V. Problems of developmental teaching. The experience of theoretical and experimental psychological research. Soviet Education, New York, Aug. 1988a.
DOLZ, J.GAGNON, R. Formação da didática do francês. No prelo,2017.
______; GAGNON, R.; DECÂNDIO, F. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.
Produção e Divulgação do Conhecimento. Uberlândia, 2010. v. I. p. 1-11.
LENHARO, R. I. Participação Social por Meio da Música e da Aprendizagem de Língua Inglesa em um Contexto de Vulnerabilidade Social. 2016. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem) - Universidade Estadual de Londrina. Paraná, 2016.
LEONT’EV, A. N. Activity, Conciousness, and Personality, Englewood Cliffs, Prentice Hall, 1978.
MINAYO, M. C. S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. São Paulo: Vozes, 2009.
RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola: uma proposta textual-interativa. 1.ed. 2ª reimp. São Paulo: Contexto, 2013.
SILVA, A. A. P. O trabalho do professor formador de língua inglesa e a natureza de aprendizagem na formação em pré-serviço. 2015. 298 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.
STUTZ, L. Sequências Didáticas, socialização de diários e autoconfrontação: instrumentos para a formação inicial de professores de inglês. 2012, 383 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, 2012.
VIGOTSKI, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.
Publicado
2019-12-21
Como Citar
MIQUELANTE, M. A.; CRISTOVÃO, V. L. L. Sequências de Formação no Ensino de Língua Estrangeira. Revista Linguagem em Foco, v. 11, n. 1, p. 63-68, 21 dez. 2019.
Seção
Resumo de Tese