Ressonâncias de Uma Concepção Desgenerizada de Linguagem no Discurso de Licenciandos de Língua Estrangeira

  • Priscila da Silva Marinho
  • Antonio Andrade
Palavras-chave: Gêneros discursivos, Ensino/aprendizagem de línguas, Formação docente

Resumo

Este artigo discute a vinculação da teoria bakhtiniana de gêneros (BAKHTIN, 2011 [1953/1979]) com o ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras. A fim de ilustrarmos nosso debate, apresentamos, através de produções escritas, discursos de alunos da disciplina Prática de Ensino de Espanhol do curso de licenciatura em Letras de uma IES pública localizada no município do Rio de Janeiro. Tais produções refletem um tratamento desgenerizado (Fanjul, 2012) da abordagem de gênero em sala de aula, que acaba por ensejar um abandono da materialidade verbal, desprezando-se, assim, os elementos linguísticos, gramaticais e textuais. A tendência pedagógica a esse tipo de abordagem revela não só uma leitura redutora da perspectiva bakhtiniana, mas também ressonâncias discursivas (SERRANI, 2010) que impactam a concepção de linguagem dos docentes em formação, na medida em que desconsideram o atravessamento das dimensões composicionais e estilísticas na reflexão sobre os gêneros do discurso. Além disso, refletimos acerca da maneira como o discurso teórico sobre os gêneros no âmbito pedagógico vem contribuindo para o favorecimento de uma zona de desenvolvimento proximal (VIGOTSKI, 1991).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES FILHO, F. Forças centrípetas e forças centrífugas em editoriais. Revista Signos, nº 1, vol. 43, p.13-26, 2010.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 5ª ed. São Paulo: Hucitec/Annablume, 2002 [1975], p.72-84.

______. Estética da criação verbal. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011 [1953/1979], p.261-306.

______. Marxismo e filosofia de linguagem – Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 16ª ed. São Paulo: Hucitec, 2014 [1929], p.133-141.

BRAIT, B. (org.) Bakhtin: conceitos-chave. 5ª ed. São Paulo: Contexto, 2014a, p.79-102.

______. Bakhtin: outros conceitos-chave. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2014b, p.9-31.

BRASIL. Orientações Curriculares do Ensino Médio. Brasília: MEC, 2006.

______. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC, 2017/2018.

BRONCKART, J. P. O agir nos discursos – Das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas: Mercado de Letras, 2008, p.109-129.

______. Gêneros de texto, tipos de discurso e sequência – Por uma renovação do ensino da produção escrita. Letras, Santa Maria, v. 20, n.40, p.163-176, 2010.

CORRÊA, M. Relações intergenéricas na análise indiciária de textos escritos. Trabalhos em Lingüística Aplicada, v. 45(2), p. 205-224, 2006.

FANJUL, A. P. Os gêneros “desgenerizados”. Discursos na pesquisa sobre espanhol no Brasil. Bakhtiniana, n. 1, v. 7, São Paulo, p. 46-67, 2012.

______. Del trance al abandono. Relecturas del rock argentino por el BRock. Abehache, n.12, p. 9-27, 2017.

FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade. In: BRAIT, B. (org). Bakhtin: outros conceitos-chave. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2014, p.161-193.

GRILLO, S. V. C. Esfera e campo. In: BRAIT, B. (org.) Bakhtin: outros conceitos-chave. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2014, p.133-160.

JOBIM E SOUZA, S. Infância e linguagem: Bakhtin, Vigotski e Benjamin. 11ª ed. Campinas: Papirus, 2008.

KRAMER, S.; SILVA, J.; BARBOSA, S. Questões teórico-metodológicas da pesquisa com crianças. Perspectiva (Florianópolis), v. 23, n.jan/jun, p. 41-63, 2005.

MAGALHÃES, M. O método para Vygotsky: a zona proximal de desenvolvimento como zona de colaboração e criticidade criativas. In: SCHETTINI, R. H.; DAMIANOVIC, M. C.;

MARTINEZ, P. Didática de línguas estrangeiras. São Paulo: Parábola, 2009.

MATEUS, E. Práxis colaborativa e as possibilidades de ser-com-o-outro. In: SCHETTINI, R. H.; DAMIANOVIC, M. C.; HAWI, M. M.; SZUNDY, P. T. C. (orgs.) Vigotski: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009, p. 17-52.

ROJO, R. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER et al. (orgs.) Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005, p. 184-207.

SERRANI, S. Discurso e cultura na aula de língua. São Paulo: Pontes, 2010, p. 85-99.

SZUNDY, P. Zona de desenvolvimento potencial: uma zona de conflitos e revoluções no diálogo pesquisadora-professores. In: SCHETTINI, R. H.; DAMIANOVIC, M. C.; HAWI, M. M.; SZUNDY, P. T. C. (orgs.) Vigotski: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009, p.79-104.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Publicado
2019-12-21
Como Citar
MARINHO, P. DA S.; ANDRADE, A. Ressonâncias de Uma Concepção Desgenerizada de Linguagem no Discurso de Licenciandos de Língua Estrangeira. Revista Linguagem em Foco, v. 11, n. 1, p. 38-50, 21 dez. 2019.
Seção
Artigos