A (Não) Artificialização dos Gêneros Textuais nas Práticas de Ensino de Língua Materna

  • Kandice da Silva Ferreira
  • Ana Karine Souza
  • Maria Helenice Araújo Costa
Palavras-chave: Teoria da complexidade, Sequências didáticas, Atividades, Sociocognitivismo

Resumo

A Linguística Textual contribuiu para o ensino focado nas práticas sociais, porém, com a dificuldade em aliar teoria e prática, o que percebemos foi um processo de camuflagem do ensino da estrutura da língua através da segmentação dos gêneros textuais. Com o insucesso desse uso, ganhou notoriedade uma abordagem de ensino da língua materna que propõe a modularização do ensino, estabelecendo uma ordem para o estudo dos gêneros: as Sequências Didáticas. Porém, com base em Demo (2002), Bakhtin (1997), Franco (2011), Costa 2010 e Costa, Monteiro e Alves (2016), analisamos brevemente uma atividade que segue essa metodologia e percebemos a permanência de um ensino segmentado que resulta em uma artificialização dos gêneros textuais. Com o objetivo de apresentar uma proposta que acreditamos ser condizente com as atuais teorias do texto, analisamos também uma atividade com base sociocognitivista que, a nosso ver, busca contemplar os gêneros textuais em situações reais, considerando a linguagem como um Sistema Adaptativo Complexo (SAC). O intuito do artigo é fomentar as discussões sobre as práticas de ensino amplamente difundidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 3. ed. (Trad. a partir do francês Maria Hermantina Galvão). São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______.; VOLOSHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 193 p. Disponível em: .Acessoem: 15 jan. 2018.

BEAUGRANDE, R. D. New foundations for a science of text and discourse.Freedom of access toknowledge and society through Discourse. Norwood: Ablex, 1997.

CEARÁ, Secretaria de Educação. Siaralendo. In: PreparAção: rumo ao Ensino Médio. Caderno de Língua Portuguesa. v. 1. 2008. p. 17-22.

COLAÇO, M. Níveis de processamento de sentido. Congresso Nacional de Linguagem e Ensino. Pelotas: UCPel, 1998.

COSTA, M. H. A. Linguagem como locução e aprendizagem como cognição situada. Linguagem em foco v. 2, p. 151-167, 2010.

COSTA, M. H. A; MONTEIRO, B. C. B; ALVES, L. E. P.. Ensino de leitura na perspectiva do texto como evento: o desafio de fazer emergir o sentido. Diadorim: revista de estudos linguísticos e literários, [S.l.], v. 18, n. 2, dez. 2016. ISSN 1980-2552. Disponível em: . Acesso em: 22 Mai. 2018. 

DEMO, P. Complexidade e aprendizagem. São Paulo: Atlas, 2002.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. 239 p. (Tradução e organização: Roxane Rojo; Glaís Sales Cordeiro).

FRANCO, C. de P. Por uma abordagem complexa de leitura. In: TAVARES, K.; BECHER, S.; FRANCO, C. (Orgs.). Ensino de Leitura: fundamentos, práticas e reflexões para 107 professores da era digital. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2011. p. 26-48. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2018.

HANKS, W. F. O que é contexto? In:______. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. (Orgs.) BENTES, Anna Christina; REZENDE, Renato Cabral; MACHADO, Marco Antônio. São Paulo: Cortez, 2008. p.169-203.

MARCUSCHI, L. A.O papel da linguística no ensino de línguas. Investigações: Linguística e Teoria Literária. Recife, V. 13/14, p. 187-218, 2001.

MONTEIRO, B. C. B.A perspectiva sociocognitiva da referência na abordagem didática do texto: implicações na percepção do leitor aprendiz. 2014. 208 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, PosLA, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017
SIQUEIRA, I. S; GONÇALVES, T. C. SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS: língua portuguesa. Curvelo, 2012. (Apostila)
SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990, pp.21-66
Publicado
2019-12-21
Como Citar
FERREIRA, K. DA S.; SOUZA, A. K.; COSTA, M. H. A. A (Não) Artificialização dos Gêneros Textuais nas Práticas de Ensino de Língua Materna. Revista Linguagem em Foco, v. 11, n. 1, p. 26-37, 21 dez. 2019.
Seção
Artigos