A MANDALA DAS MULHERES: PRÁTICA SUSTENTÁVEL DE AGRICULTURA FAMILIAR NO ASSENTAMENTO MULUNGU TURURU-CE.

  • Francisca Érica Cardoso Nobre Universidade Federal do Ceará
  • Lindemberg Costa Paulino
  • Filipe Eugênio Rodrigues Silvestre
Palavras-chave: Agroecologia. Semiárido. Protagonismo. Produção.

Resumo

A disseminação agroecológica no campo, através da agricultura familiar, tem permitido mudanças de concepções e introdução de práticas educativas para convivência com o semiárido. Esse trabalho visa então, estudar um sistema mandala coordenado por mulheres na promoção de uma agricultura sustentável, com práticas voltadas para a educação ambiental. Caracterizado pelo cultivo diversificado de plantas em canteiros circulares, formado ao redor de um reservatório com água, esse sistema garante a produção de diversas culturas com o uso de práticas agroecológicas. Como metodologia, realizou-se uma abordagem qualitativa através de estágios de vivências no assentamento Mulungu, em Tururu Ceará. Dessa forma, a mandala das mulheres apresenta-se como uma tecnologia agrícola importante na produção sustentável de alimentos, garantindo a segurança alimentar e o protagonismo feminino na autogestão dos processos produtivos.
Publicado
2019-01-30
Como Citar
Cardoso Nobre, F., Paulino, L., & Rodrigues Silvestre, F. (2019). A MANDALA DAS MULHERES: PRÁTICA SUSTENTÁVEL DE AGRICULTURA FAMILIAR NO ASSENTAMENTO MULUNGU TURURU-CE. CADERNO DE CIÊNCIAS & TECNOLOGIA DA UECE, 1(Especial), 8-21. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/CCiT/article/view/778